AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

ENSAIO FOTOGRÁFICO: PORTO PRÍNCIPE

Ensaio fotográfico da filmmaker Eliza Capai, que esteve em Porto Principe em abril de 2010

Campo de desabrigados ocupa a praça principal, diante do Palácio do Governo destruído pelo terremoto. FOTO: ELIZA CAPAI

Campo de desabrigados ocupa a praça principal, diante do Palácio do Governo destruído pelo terremoto. FOTO: ELIZA CAPAI

Rua central de Porto Príncipe. FOTO: ELIZA CAPAI

Rua central de Porto Príncipe. FOTO: ELIZA CAPAI

Crianças em Cite Soleil, maior favela do Haiti. FOTO: ELIZA CAPAI

Crianças em Cite Soleil, maior favela do Haiti. FOTO: ELIZA CAPAI

Haitianos voltam para casa no transporte "público", os, tap taps. FOTO: ELIZA CAPAI

Haitianos voltam para casa no transporte “público”, os, tap taps. FOTO: ELIZA CAPAI

Campo de desabrigados na periferia de Porto Príncipe. FOTO: ELIZA CAPAI

Campo de desabrigados na periferia de Porto Príncipe. FOTO: ELIZA CAPAI

Vista de Porto Príncipe. FOTO: ELIZA CAPAI

Vista de Porto Príncipe. FOTO: ELIZA CAPAI

Grade diante do palácio presidencial, que permanece em ruínas. FOTO: ELIZA CAPAI

Grade diante do palácio presidencial, que permanece em ruínas. FOTO: ELIZA CAPAI

Palácio presidencial. FOTO: ELIZA CAPAIVeículo da polícia da ONU em campo de desabrigados pelo terremoto. FOTO: ELIZA CAPAICampo de refugiados na periferia de Porto Príncipe. FOTO: ELIZA CAPAICrianças estudam em escola improvisada em Cite Soleil. FOTO: ELIZA CAPAICrianças em Cite Soleil, maior favela do Haiti. FOTO: ELIZA CAPAIPolícia Nacional Haitiana, patrulha o centro de Porto Príncipe. FOTO: ELIZA CAPAI

Tags: , ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

Uma pena, duas medidas

| por | 17 de julho de 2017

Enquanto as mulheres com filhos pequenos lutam para obter a prisão domiciliar, direito previsto por lei, presos da Lava Jato gozam desse benefício sem amparo da legislação penal

A faculdade estatizada no Mato Grosso

| por | 30 de junho de 2017

Instituição criada por Gilmar Mendes e sua família em Diamantino foi incorporada pelo Estado no governo de Silval Barbosa, amigo do ministro do STF; Ministério Público investiga a legalidade do negócio de R$ 7,7 milhões. Executivo reconhece que não tem recursos para manter a unidade como determina a lei