AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

CONVERSA PÚBLICA com Kristinn Hrafnsson, porta-voz do WikiLeaks

Na inauguração da Pública, o jornalista Kristinn Hrafnsson, porta-voz do WikiLeaks, participou de uma conversa com o público. Assista.

No dia 3 de julho a Pública fez um evento de inauguração na Casa de Cultura Digital. Kristinn Hrafnsson, porta-voz do WikiLeaks, participou de uma conversa com o público presente.

Kristinn  é um dos mais aclamados jornalistas investigativos da Islândia. Ele comandou programas investigativos na televisão comercial e no canal estatal da Islândia, expondo atividades criminosas, corrupção política e fraude pelo setor financeiro do país. Pela sua atuação destemida foi demitido 4 vezes

Nesta CONVERSA PÚBLICA ele afirmou que iniciativas independentes estão preenchendo um vácuo no jornalismo. “Há menos dinheiro para investigação enquanto os poderosos estão ficando mais poderosos”.

Kristinn  também defendeu o direito de pessoas romperem com contratos ou até leis para obter documentos e enviar para o WikiLeaks.

“Todas as grandes mudanças sociais foram alcançadas contrariando as leis. Se uma informação é importante para o público, e alguém dentro do sistema com uma boa consciência sente a necessidade de publicar, a obrigação moral de fazer isso para o bem comum é superior a qualquer lei ou qualquer contrato”.


Tags: ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

  • wiki leaks but not a power with the government it has a power of communication in catastrophic levels and understand that this is good in the hands of who knows how to do what is right

Venezuela sem fake news

Venezuela sem fake news 10

| por | 13 de junho de 2017

Esqueça muito do que você leu por aí: não há catástrofe humanitária nem Maduro está para cair; mas há manifestantes quase todos os dias nas ruas, e eles não são “terroristas”, como dizem os apoiadores do governo

Venezuela sem fake news 10

| por | 13 de junho de 2017

Esqueça muito do que você leu por aí: não há catástrofe humanitária nem Maduro está para cair; mas há manifestantes quase todos os dias nas ruas, e eles não são “terroristas”, como dizem os apoiadores do governo