AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

CONVERSA PÚBLICA com Kristinn Hrafnsson, porta-voz do WikiLeaks

Na inauguração da Pública, o jornalista Kristinn Hrafnsson, porta-voz do WikiLeaks, participou de uma conversa com o público. Assista.

No dia 3 de julho a Pública fez um evento de inauguração na Casa de Cultura Digital. Kristinn Hrafnsson, porta-voz do WikiLeaks, participou de uma conversa com o público presente.

Kristinn  é um dos mais aclamados jornalistas investigativos da Islândia. Ele comandou programas investigativos na televisão comercial e no canal estatal da Islândia, expondo atividades criminosas, corrupção política e fraude pelo setor financeiro do país. Pela sua atuação destemida foi demitido 4 vezes

Nesta CONVERSA PÚBLICA ele afirmou que iniciativas independentes estão preenchendo um vácuo no jornalismo. “Há menos dinheiro para investigação enquanto os poderosos estão ficando mais poderosos”.

Kristinn  também defendeu o direito de pessoas romperem com contratos ou até leis para obter documentos e enviar para o WikiLeaks.

“Todas as grandes mudanças sociais foram alcançadas contrariando as leis. Se uma informação é importante para o público, e alguém dentro do sistema com uma boa consciência sente a necessidade de publicar, a obrigação moral de fazer isso para o bem comum é superior a qualquer lei ou qualquer contrato”.


Tags: ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

  • wiki leaks but not a power with the government it has a power of communication in catastrophic levels and understand that this is good in the hands of who knows how to do what is right

Jucá, o tricoteiro de quatro agulhas

| por | 24 de abril de 2017

Presidente do PMDB, principal articulador de Michel Temer no Congresso e uma das estrelas da Lava Jato, Romero Jucá defende uma transição no lugar do extermínio da classe política encurralada pelo maior escândalo de corrupção da história

Watu Morreu

| por , | 22 de abril de 2017

Para os índios Krenak que vivem às margens do rio Doce, a lama proveniente da mina da Samarco trouxe o fim da pesca e da caça e o ocaso de um estilo de vida. A empresa não responde se há salvação para aquelas águas