Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

A. H, professora de 29 anos

17 de janeiro de 2012
16:18

“Eu tinha 12 anos quando aconteceu. Morava em uma cidade pequena e tinha uma turma de amigos. Entre eles havia dois irmãos riquinhos que eram a sensação das meninas. Acho que um tinha 17 anos e o outro 19.

Uma noite estávamos em uma pizzaria e eu bebi. Todos bebiam apesar da pouca idade. Me lembro até hoje da roupa que eu estava usando: calça jeans e uma blusa de moletom. Era uma noite fria. Um dos irmãos, o mais novo, me chamou para ver alguma coisa que estava acontecendo do outro lado da rua. Eu fui. Estava um pouco tonta, então nada fazia muito sentido.

Quando chegamos lá, ele me levou para um canto escuro de um posto de gasolina que já estava fechado e me agarrou. Eu tentei sair mas ele me segurou. Pegou as minhas mãos com força e tentou enfiar dentro da calça dele. Eu tirava mas estava fraca por causa da bebida. Ele mordia meu pescoço com força, eu empurrava, ele pegava novamente minhas mãos e ao mesmo tempo me agarrava, mexia no meu corpo. Não sei quanto tempo isto durou até que consegui empurrá-lo e sair correndo.

Voltei chorando e me enfiei no banheiro. Contei para as minhas amigas que não acreditaram em mim e ainda disseram que se eu não queria isso, não deveria ter ido com ele. No dia seguinte, meu pescoço tinha muitos hematomas e doía muito. O rapaz ria da minha cara toda vez que nos encontrávamos por acaso. Os outros meninos me apontavam dizendo que eu havia provocado a situação, que a culpa era minha e que eu estava dizendo aquelas coisas porque, na verdade, era apaixonada por ele e ele não quis nada comigo.

Nunca mais esqueci aquela noite. A sensação de ter sido invadida e além de tudo discriminada e culpada pelo que aconteceu”.

 

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Tags

Mais recentes

Aumento de mortalidade no país está diretamente ligado a corte de verbas no SUS

14 de novembro de 2019 | por

Em entrevista à Pública, o médico Gastão Wagner, doutor em saúde pública e ex-presidente da Abrasco, diz que redução de expectativa de vida nos últimos cinco anos é consequência do teto de gastos públicos

Na Bolívia, direita religiosa entrou nos protestos de forma oportunista, diz pesquisadora

13 de novembro de 2019 | por e

Para Sue Iamamoto, governo Morales foi questionado por autoritarismo e se afastar da pauta indígena, mas oposição representada por Camacho é radical e ameaça direitos fundamentais

Empresas lançam serviço de reconhecimento facial para igrejas no Brasil

13 de novembro de 2019 | por

Tecnologia permite identificar assiduidade e até emoção dos fiéis durante cultos sem consentimento expresso