AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Pública Indica 30-08-2012

O repórter IVAN MARSIGLIA, do Estadão, conta a história de uma casa, no centro de Petrópolis, que foi palco para todo tipo de violações aos direitos humanos durante a ditadura no Brasil. Na semana passada, um decreto assinado pelo prefeito transformou a “Casa da Morte” num imóvel de “utilidade pública”: é o primeiro passo para transformá-la em memorial das vítimas da ditadura militar.

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

O advogado da PM que mata 2

| por | 15 de maio de 2017

O ex-PM da Rota Celso Vendramini já defendeu mais de cem policiais acusados de homicídio e atuou em casos como o Carandiru e a Favela Naval, em São Paulo; “o policial não tem que esperar o marginal puxar a arma para atirar”, diz