AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Pública Indica 30-08-2012

O repórter IVAN MARSIGLIA, do Estadão, conta a história de uma casa, no centro de Petrópolis, que foi palco para todo tipo de violações aos direitos humanos durante a ditadura no Brasil. Na semana passada, um decreto assinado pelo prefeito transformou a “Casa da Morte” num imóvel de “utilidade pública”: é o primeiro passo para transformá-la em memorial das vítimas da ditadura militar.

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

Anatomia de um crime 6

, | por | 23 de março de 2017

Repórter da Pública percorre a história do Maracanã, patrimônio cultural destruído com autorização do Iphan e abandonado pelo poder público depois de mais de R$ 1,3 bilhão gasto em obras suspeitas de alimentar a corrupção

Pobre sai, rico fica

Pobre sai, rico fica 2

| por | 16 de março de 2017

A Justiça trata de maneira “diferenciada” os ricaços que têm mansões perto do Jardim Botânico – entre eles, o atual secretário de Habitação do Rio, Índio da Costa