AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Prazo para Concurso de Microbolsas para Reportagem vai até sexta

Procuram-se jornalistas, estudantes, videomakers. A Pública os convida a realizar o projeto de seus sonhos!

Se você tem uma ideia para uma reportagem investigativa inédita e quer realizá-la em conjunto com a Pública mande sua proposta até o dia 5 de abril para o e-mail [email protected],  indicando “Concurso de Microbolsas” no campo do assunto.

As propostas serão selecionadas pelas editoras da Pública e pelo nosso ilustre time de conselheiros-repórteres: Carlos Azevedo, Eliane Brum, Leonardo Sakamoto, Jan Rocha e Ivana Moreira. O resultado será anunciado no dia 12 de abril.

Os quatro projetos vencedores recebem R$ 4 mil de recursos e a orientação das editoras da Pública para realizar a reportagem sonhada, que será publicada em nosso site e em veículos parceiros. 

Para saber como inscrever seu projeto, clique aqui e leia o regulamento.  Veja as perguntas frequentes.

Aproveitamos para fazer um convite especial para jornalistas de outras regiões, fora de São Paulo, onde fica a sede da Pública. Vamos investigar todo o Brasil! 

A Pública acredita na reportagem. E no repórter.

Acredite na sua pauta. Inscreva-se!

Leia as reportagens que foram vencedoras no ano passado:

No coração do latifúndio, uma estaca quebrada

Um brasileiro na guerrilha boliviana

Condomínio Cingapura – com vista para a Copa

Terra de ninguém

São Paulo: A praça é pública

Em Palmasola se falar o bicho pega, se calar o bicho come

 

 

Tags: ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

O Porto Maravilha é negro

O Porto Maravilha é negro 2

| por | 19 de julho de 2016

Construído na região que abrigou o maior porto negreiro das Américas, projeto da prefeitura “lembra pra esquecer” essa herança; debaixo da atração turística há milhares de ossos de escravos traficados, dizem especialistas

O relatório silenciado

| por | 12 de julho de 2016

Informe parlamentar sobre os desdobramentos da Lava Jato no Peru revela como as empreiteiras brasileiras enviavam dinheiro para subornar políticos no país. Mas o Congresso peruano quer esquecê-lo