AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Microbolsas para Reportagem: vale a pena participar?

Os vencedores do concurso ganham R$ 4 mil para realizar a reportagem dos seus sonhos. Mas como funciona?

Que tipo de jornalista ganha o Concurso de Microbolsas da Pública? Que tipo de projeto de reportagem é premiado? Eu só ganho o dinheiro e vou fazer a minha reportagem? Como é feito o trabalho de apuração? Como é a relação com as diretoras da Pública? Como é a edição? Será que vale a pena participar?

A gente aposta que tem um monte de bons jornalistas por aí cheios de dúvidas como essas. Por isso, fomos perguntar aos vencedores da primeira edição do Concurso de Microbolsas, no ano passado, o que eles acharam. Assista o vídeo e se inspire. 

Assistiu? Agora sente e coloque as suas ideias no papel (ou no computador)! As inscrições terminam no dia 5 de abril!

As melhores propostas de reportagem serão selecionadas pelas editoras da Pública e pelos jornalistas Carlos Azevedo, Eliane Brum, Leonardo Sakamoto, Jan Rocha e Ivana Moreira, nossos conselheiros. Os quatro projetos vencedores recebem R$ 4 mil de recursos e a orientação das diretoras da Pública para realizar a reportagem sonhada, que será publicada em nosso site e em veículos parceiros.  O resultado será anunciado no dia 12 de abril.

Clique aqui e leia o regulamento.

E aqui, as respostas às perguntas mais frequentes.

Tags: ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

  • puta projeto incrível!

  • Bom dia pessoal d´A Pública!! Gostaria de saber quando sai o resultado do concurso. Obrigado!

    Raphael Sanz

    • admin

      Olá Raphael. O resultado sai hoje às 13 horas.

      Um abraço,

      Natalia Viana

Quem julga o juiz?

Quem julga o juiz?

| por | 21 de setembro de 2016

Uma exame da lista de juízes e desembargadores investigados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) mostra que, mesmo quando a acusação é de venda de sentença, o caso nem sempre segue para a Justiça criminal e a pena se reduz à aposentadoria

Adeus, Guyraroká

Adeus, Guyraroká 2

| por | 8 de setembro de 2016

Como o STF decidiu que uma terra em demarcação no Mato Grosso do Sul não era dos Kaiowá – e abriu as portas para outras decisões que podem impedir o direito territorial dos índios