AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Governo Haddad planeja erradicar Favela do Moinho

Veja o vídeo em que os moradores da favela do Moinho falam de violência, incêndios, muro da vergonha, e cobram da prefeitura as promessas – registradas na campanha – de regularizar a área

Entre 2005 e 2012, mais de 800 incêndios atingiram as favelas de São Paulo. A favela do Moinho, localizada no centro da cidade, sofreu dois incêndios desde o final de 2011. Mais de 480 famílias ficaram desabrigadas. Após o último incêndio, durante a campanha eleitoral, o atual prefeito Fernando Haddad prometeu aos moradores que iria buscar a regularização da área.

Cinco meses após sua posse, o discurso é outro. Procurada pela Agência Pública, a Secretaria Municipal de Habitação, através de sua assessoria de imprensa, informou que todos os moradores já foram cadastrados e devem sair para dois empreendimentos fora do local. “A ideia é erradicar a favela e atender com unidades habitacionais definitivas todos os moradores da área”.

“As famílias precisam sair do local para receberem o auxílio moradia. O morador que alegar não receber auxílio-moradia pode procurar o plantão social de Habi Centro, na Av. São João, 299 e comprovar que morava na área na época do incêndio. Caso o morador esteja recebendo o auxílio-moradia, ele não pode ficar na área”, diz o email da assessoria.

Em 2011 foi instaurada uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar os incêndios recorrentes. A CPI foi aberta após o primeiro incêndio que atingiu a favela do Moinho. Mas, após oito meses de investigações, não chegou a nenhuma conclusão contundente.

A Agência Pública foi conversar com moradores da favela que se recusam a deixar o local e brigam na justiça pelo usucapião. Muitos esperam o cumprimento da promessa de campanha. Assista o vídeo.

Tags: , , ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

  • http://www.facebook.com/kelley.leonardo Kelley Leonardo

    uma área nobre no centro da cidade nada mais interessante que tirar o povo e colocar condomínios luxuosos que valerão um bom dinheiro para esses políticos sujos…
    OBS: Quem coloca esses políticos sujos lá somos nós, quem mandou votarem no Haddad

    • Valderi Silva

      Lá é um terreno que está localizado entre duas linhas de trem de alta capacidade. Não é área nobre.

      • Luis Paula

        Opa…. cuidado com as afirmações … existem varios problemas sociais neste local inclusive porque é uim local aonde existe incidencia de venda de drogas e abriga varias pessoas suspeitas de crimes… não se esqueçam que devemos ser mais cuidadosos e deixarmos de achismos …. é claro que parece existir usucapião entretanto para poder exigi-lo este terreno deveria estar no minimo abandonado e sem pagar impostos o que não é o caso. É muito mais um caso de reintregração de posse e retirada de pessoas que estão vivendo em situações de risco e de alto risco social…. além de resgatar a area no sentido amplo da palavra visto que mesmo que fosse existir usucapião coletivo essas pessoas estariam vivendo em condições insalubres de tal forma a permitir as mesmas de processar a sociedade civil no sentido de permitir que o trem que já estava lá quando elas invadiram estaria fazendo barulho e impedindo que suas crianças tenham uma vida normal…. que as pessimas condições que estas mesmas pessoas se auto-impuseram seja responsabilidade custeada pelos cofres publicos … etc… Abrangendo a discussão neste patamar é na verdade responsabilidade da prefeitura sim a retirada destas pessoas por ter autorizado as mesmas a se colocarem em situação de risco e de alto risco social mas por outro lado tambem ao meu ver de processar todos os gestores administrativos das administrações publicas do periodo pre e anterior a atual gestão no sentido de terem provavelmente falhado nas suas atribuições tendo portanto possivelmente cometido crime de improbidade administrativa … afinal ninguem faz alguma coisa deste nivel sem cumplicidade dos orgãos pulicos ou pelo menos de seus gestores….

  • Pedro Jackson

    Ali é um local de risco! Não é área nobre! Ao lado da favela talvez seja mas onde ela está (entre duas linhas de trens) só oferece risco aos moradores. Eles devem ser retirados dali e instalados em outros lugares próximos.

    • Luciano Onça

      Olá Pedro,

      O único risco que existe é a travessia da linha de trem na entrada da comunidade. Existem cancelas e guardas da CPTM, mas uma passarela resolveria de vez esta questão. A maioria dos residentes do local assinou o processo de usucapião coletivo, por estarem há mais de 20 na área, direito garantido pelo Estatuto da Cidade. Isso indica o desejo de permanência.

      A idéia de instala-los em locais próximos poderia ser uma solução, mas o primeiro empreendimento que está sendo feito é na Ponte dos Remédios, há mais de 13 Km em uma região com infra-estrutura urbana infinitamente inferior ao centro.

      • Valderi Silva

        Porque eu, cidadão comum, tenho que financiar um apartamento na Caixa na periferia de São Paulo, e pagar caro por isso, e os moradores do Moinho não podem ir para a região da Ponte dos Remédios? Porque tanta proteção para quem quer água, luz, NET de graça?

        • Silfelaine

          Oi, é sério isso? Alguém ali está pedindo água, luz, net de graça? Eu também tenho que financiar um apartamento que vou pagar até morrer praticamente, mas não acho que todo pobre é ladrão. Infelizmente vivemos em um país desigual. Há de se lembrar disso, nem todos tem as mesmas oportunidades por aqui.

  • Sérgio Alberto Bastos da Paixã

    A Lei Áurea em 13 de maio de 1888 é um marco não pelo seu
    efeito ou causa, mas pelo seu signo de que o grande problema é a luta de
    classes fundamentada na convicção de que o ser humano não é evoluído o bastante
    para erguer sobre sua própria natureza as qualidades ditas como pretexto de dominação.
    A Igreja Católica tem neste cenário um grande papel, pois mostra que mesmo uma
    Instituição com princípios espirituais e caridosos se rende ao defeito máximo
    do individuo diante das propostas irrecusáveis para o mal. Infelizmente o
    Brasil não é um país pacifico igualitário, humanista e harmônico socialmente
    como diz, nosso passado é terrível manchado por massacres a negros, pobres e
    índio que permanecem até nossos dias camuflados pela cegueira necessária para
    manter a vida religiosa e hipócrita dos dominantes. Infelizmente a violência os
    alcança. Infelizmente o dinheiro não compra tudo. Infelizmente não são inteligentes
    e corajosos o bastante para reverterem a situação do nosso medíocre Brasil.
    Infelizmente o grande problema não é achar a solução. A solução é a educação
    completa, real e produtiva e infelizmente isto fere os interesses dos
    desgraçados que permanecem no poder. Não se encantem pelo dia que o brasileiro aprender
    votar, vai ser o dia que teremos uma geração inteira com educação de qualidade,
    até lá tudo é feito para manter a mediocridade do país mediante a escravidão. “
    E aos quase brancos pobres como pretos. Como é que pretos, pobres e mulatos. E
    quase brancos quase pretos de tão pobres são tratados. Ou quase pretos, ou
    quase brancos quase pretos de tão pobres. E pobres são como podres e todos
    sabem como se tratam os pretos” (HAITI Caetano Veloso).

    Sérgio Alberto Bastos da Paixão

Tools