AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Depois da “chacina da Maré”, os moradores organizaram um ato ecumênico para homenagear as vitimas. Neste mesmo momento, o Rio de Janeiro estava vivenciando uma onda de protesto inédita, com milhares de pessoas exigindo mais saúde, mais educação, e mais justiça social. (Foto: Patrick Vanier)

Depois da “chacina da Maré”, os moradores organizaram um ato ecumênico para homenagear as vitimas. Neste mesmo momento, o Rio de Janeiro estava vivenciando uma onda de protesto inédita, com milhares de pessoas exigindo mais saúde, mais educação, e mais justiça social. (Foto: Patrick Vanier)

Depois da “chacina da Maré”, os moradores organizaram um ato ecumênico para homenagear as vitimas. Neste mesmo momento, o Rio de Janeiro estava vivenciando uma onda de protesto inédita, com milhares de pessoas exigindo mais saúde, mais educação, e mais justiça social. (Foto: Patrick Vanier)

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

O Porto Maravilha é negro

O Porto Maravilha é negro 2

| por | 19 de julho de 2016

Construído na região que abrigou o maior porto negreiro das Américas, projeto da prefeitura “lembra pra esquecer” essa herança; debaixo da atração turística há milhares de ossos de escravos traficados, dizem especialistas

O relatório silenciado

| por | 12 de julho de 2016

Informe parlamentar sobre os desdobramentos da Lava Jato no Peru revela como as empreiteiras brasileiras enviavam dinheiro para subornar políticos no país. Mas o Congresso peruano quer esquecê-lo