AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Depois da “chacina da Maré”, os moradores organizaram um ato ecumênico para homenagear as vitimas. Neste mesmo momento, o Rio de Janeiro estava vivenciando uma onda de protesto inédita, com milhares de pessoas exigindo mais saúde, mais educação, e mais justiça social. (Foto: Patrick Vanier)

Depois da “chacina da Maré”, os moradores organizaram um ato ecumênico para homenagear as vitimas. Neste mesmo momento, o Rio de Janeiro estava vivenciando uma onda de protesto inédita, com milhares de pessoas exigindo mais saúde, mais educação, e mais justiça social. (Foto: Patrick Vanier)

Depois da “chacina da Maré”, os moradores organizaram um ato ecumênico para homenagear as vitimas. Neste mesmo momento, o Rio de Janeiro estava vivenciando uma onda de protesto inédita, com milhares de pessoas exigindo mais saúde, mais educação, e mais justiça social. (Foto: Patrick Vanier)

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

A ‘guerra’ do Araguaia contada pelos Aikewara

| por | 10 de dezembro de 2014

Livro coordenado pelos antropólogos Iara Ferraz e Orlando Calheiros em parceria com os Aikewara traz a versão dos indigenas sobre o horror vivido durante o combate dos militares à guerrilha. Na primeira anistia concedida a um grupo da mesma etnia, 13 deles foram recentemente anistiados e indenizados

A batalha pela fronteira Munduruku 4

| por , | 11 de dezembro de 2014

Indígenas proclamam a autodemarcação da terra que pode parar a hidrelétrica de São Luiz do Tapajós, a nova menina dos olhos do governo federal. Assentada em solo sagrado, a área seria alagada pela usina. “A gente não sai”, diz cacique

Tools