AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

In dubio pro natura

Nas cidades do Circuito das Águas, a luta pela preservação ambiental convive com a esperança na retomada dos tratamentos com água mineral

Em Cambuquira, no Circuito das Águas mineiro, os fantasmas de outros tempos estão por toda parte. Antigas construções imponentes têm paredes descascadas e plantas a brotar das frestas, lembrando que o turismo já teve melhores dias na cidade. Ali, os tratamentos feitos com águas minerais, a crenoterapia, movimentavam as ruas amplas e arborizadas de uma das primeiras cidades projetadas do estado.

Na ONG Nova Cambuquira, Marília (segunda da esq. para a direita) defende a preservação das águas para o uso na medicina alternativa e preventiva (Foto: Marina Almeida)

Na ONG Nova Cambuquira, Marília (segunda da esq. para a direita) defende a preservação das águas para o uso na medicina alternativa e preventiva (Foto: Marina Almeida)

Na casa de Marília Noronha, no entanto, o clima pacato do município de 12 mil habitantes dá lugar a discussões indignadas sobre os recursos naturais da região. “Nosso objetivo é preservar as estâncias, não por bairrismo, mas pela potencialidade dessa água para a cura, a medicina alternativa e preventiva. É a nossa história, é o nosso bem maior. Culturalmente é fundamental. Na parte financeira também, sempre nos trouxe turistas”, diz a senhora de voz forte e determinada. Para a ativista, não faz sentido a extração de um bem que já foi reconhecido como medicina alternativa pela Portaria 971/06 do Ministério da Saúde. “É uma conquista que conseguimos em Brasília. Essa riqueza precisa ser revertida em prol do turismo e da saúde pública, já que o próprio governo está pagando tratamento pelo Sistema Único de Saúde (SUS) com água mineral.” Marília fala de sua luta de mais de 13 anos para a preservação das águas da cidade com a ONG Nova Cambuquira. Uma das principais dificuldades é ter acesso aos dados sobre a exploração. “Todas as informações que conseguimos levantar foram via Justiça. Nós montamos os processos pela internet, não temos advogado. Muitas vezes abri o processo em meu próprio nome, sozinha, mas firme. Descobri que se puser frase em latim é melhor ainda, eles gostam. Adoro in dubio pro natura: na dúvida, se está acabando com água ou não, se a natureza está sendo ameaçada, para tudo.” O avô e o bisavô de Fernanda Brandão Louro eram médicos crenologistas. Hoje, a professora de ciências faz parte da ONG e luta pela continuidade da prática. “São cem anos de tratamento com águas, mas hoje não existe mais. Os médicos não sabem o que é crenologia”, lamenta Marília. E se o turismo já não movimenta a economia da cidade como em outros tempos, a exploração das águas minerais para o engarrafamento também não muda o quadro. Entre julho de 2011 e julho de 2012, por exemplo, o município recebeu de royalties pela exploração, o Cfem, R$ 8.530,40, de acordo com o documento enviado pela Copasa Águas Minerais de Minas, que explora as águas da região, à promotoria de Cambuquira.

Caxambu

Na contramão das discussões sobre a redução da exploração das águas minerais, numa audiência pública em Caxambu, a pauta era o aumento da produção de água engarrafada. No debate, realizado em outubro passado, alguns políticos do município defendiam uma maior exploração, que ajudaria a divulgar o nome da cidade e a trazer mais recursos para o município. “O homem, com sua arrogância, quer manipular tudo sem critério”, contesta Maria Antônia Barreto, a Toninha, da Sociedade de Amigos do Parque das Águas de Caxambu (Ampara). Ela lembra que, assim como em São Lourenço, lá também faltam estudos maiores sobre a capacidade de recarga do aquífero, necessário para determinar a quantidade segura de exploração. “Os antigos guardam um respeito maior, até hoje vêm todo dia pegar água no parque, mas falta a apropriação dessa identidade cultural pelos demais”, diz a psicóloga, que fez pós-graduação em recursos hídricos.

Licitação

Atualmente, a empresa exploradora das águas de Caxambu é a Copasa. No município, assim como nas estâncias de Cambuquira, Lambari e Águas de Contenda (que pertence a Conceição do Rio Verde), a proprietária do Manifesto de Minas – que dá direito à exploração das águas – é a Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (a Codemig, antiga Comig), uma empresa de economia mista que tem o governo estadual como acionista majoritário. A última licitação da Codemig para a exploração das águas minerais da região, ocorrida em 2001 – no mesmo período em que São Lourenço discutia a superexploração pela Nestlé – foi muito questionada pela população e por ONGs como a Ampara e a Nova Cambuquira. “Havia cláusulas absurdas, que incentivavam o aumento da produção e não colocavam limite à exploração”, lembra Toninha. Após uma série de conflitos e manifestações, que resultaram numa Ação Civil Pública ambiental, o edital foi anulado pelo governador do estado. Toninha conta que o segundo edital de licitação trazia uma cláusula que limitava a exploração desenfreada e que dessa vez não houve interesse das empresas em participar. Para garantir a exploração dessas águas, o governo mineiro criou a Copasa – Águas Minerais de Minas, uma subsidiária da Companhia de Saneamento de Minas Gerais, que é a atual detentora dos direitos de exploração nessas cidades.

Águas medicinais

O declínio econômico e no turismo das estâncias hidrominerais brasileiras aconteceu a partir do final da Segunda Guerra Mundial por conta de dois fatores principais: a entrada dos grandes laboratórios farmacêuticos no Brasil e o encerramento das cátedras de Crenoterapia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e de Minas Gerais (UFMG).

Rico em fontes minerais, tratamentos de saúde com água podem trazer grande economia para o Brasil, mas faltam estudos sobre os recursos hídricos do país e médicos especialistas na área (Foto: Marina Almeida)

Rico em fontes minerais, tratamentos de saúde com água podem trazer grande economia para o Brasil, mas faltam estudos sobre os recursos hídricos do país e médicos especialistas na área (Foto: Marina Almeida)

“O período coincidiu com o início da comercialização de medicamentos e a indústria farmacêutica norte-americana iniciou um grande lobby contra a crenoterapia, o que também contribuiu para seu descrédito”, explica o médico Marcos Untura Filho. Outros elementos que contribuíram para isso foram a proibição dos cassinos e o descobrimento da penicilina e da cortisona, que trouxeram avanço para o tratamento de doenças até então feito com as águas. “Era fundamental para os laboratórios combater essa medicina não invasiva, barata, e muito conhecida na época, para impor a sua, com remédios. Foram muito bem sucedidos nisso e todos esses municípios que viviam desse ciclo medicinal da água entraram em decadência econômica”, acredita o ativista ambiental Franklin Frederick. Ele lembra a experiência do médico Joselito Fonseca Corrêa que atuava no Programa Saúde da Família, em Cambuquira, no início dos anos 2000 e usou as águas com alta concentração de ferro no tratamento de anemia das crianças. “Ele pegava a água ferruginosa no parque e levava para uma escola da região. Cada criança tomava dois copos dessa água por dia, a custo zero. Em três meses conseguiu acabar com a doença”, relata. O médico não atua mais na região, mas sua experiência mostra as possibilidades deixadas de lado. “Quantas crianças não poderiam se beneficiar desses tratamentos a custo zero?”, questiona Frederick. “Seria interessante, por exemplo, um estudo epidemiológico para descobrir quais as doenças menos frequentes nessa população, que toma essa água há anos.”

Leia também

Em guerra com a Nestlé              

Da revolta à ação

Sob a ameaça da nova lei

Falta de estudos

Untura Filho, que vive em Poços de Caldas, outra estância hidromineral do estado, aponta a falta de pesquisas atuais sobre o tema no Brasil como o principal obstáculo para o desenvolvimento da área. “A maior dificuldade é a total falta de estudos e trabalhos científicos com as nossas águas, a ausência absoluta de profissionais médicos especialistas em Hidrologia Médica e a falta de credibilidade da crenoterapia por parte da classe médica”, diz. O médico acaba de defender seu doutorado sobre a estância de Caxambu pela Universidade Complutense de Madri, na Espanha, e conta que, ao contrário do que acontece aqui, há diversas pesquisas europeias que comprovam a eficácia do tratamento com águas.

Em São Lourenço, Gruta dos Milagres guarda mensagens de agradecimento às curas alcançadas pela água (Foto: Marina Almeida)

Em São Lourenço, Gruta dos Milagres guarda mensagens de agradecimento às curas alcançadas pela água (Foto: Marina Almeida)

Para ele, num país rico em fontes minerais, como é o Brasil, seu uso para tratamentos de saúde traria uma grande economia para o Ministério da Saúde. A crenoterapia é amplamente usada na Europa, Ásia, Oriente e em alguns países latinoamericanos como forma complementar aos tratamentos médicos tradicionais. Em países como Espanha, Portugal, França, Alemanha e Turquia, o governo paga esses tratamentos para os aposentados. “A crenoterapia auxilia na preservação ou recuperação da saúde, levando a um gasto menor com hospitalização, cirurgias, horas de afastamento do trabalho, gastos com medicamentos, entre outros”, explica. O médico, que é reumatologista, diz que, em seu consultório particular, costuma direcionar seus pacientes a balneários ou termas para complementar o tratamento alopático, realizado paralelamente. Untura defende a volta dos estudos nessa área nas faculdades de medicina e em outras áreas da saúde e conta que há um módulo do curso de pós-graduação em Cuidados Integrativos e Complementares da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que desde 2012 aborda a hidrologia médica/termalismo social.

Leia também

Em guerra com a Nestlé              

Da revolta à ação

Sob a ameaça da nova lei

Tags: , , , ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

Tools