AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Regulamento: Concurso de Microbolsas para Reportagens sobre Energia

Confira o regulamento do concurso que vai distribuir quatro microbolsas para a produção de reportagens sobre energia. O projeto é uma parceria entre a Agência Pública e o Greenpeace Brasil, voltado a jornalistas freelancers e independentes.

OBJETIVOS

A Pública, primeira agência de jornalismo investigativo sem fins lucrativos do Brasil, tem como missão incentivarproduzir e difundir conteúdo jornalístico de qualidade pautado pelo interesse público, resgatando o papel do jornalismo como ferramenta da sociedade.

Buscando qualificar o debate democrático sobre temas importantes para o país, a Pública trabalha para estimular a produção e a cobertura de pautas que contribuam para a transparência pública, a justiça social e a defesa intransigente dos direitos humanos.

O projeto das microbolsas de reportagem investigativa faz parte dos esforços para alcançar esses objetivos gerais, com o foco específico nos repórteres que pretendem produzir jornalismo investigativo independente, inovador e em sintonia com as oportunidades que o momento atual oferece.

Destina-se, portanto, a jornalistas com experiência em reportagem e interesse em trabalhar com temas de interesse público de maneira independente, sem vínculo de exclusividade com veículos de mídia.

O Greenpeace Brasil, organização sem fins lucrativos, independente de governos e empresas*, é co-organizadora desta edição do Concurso de Microbolsas para Reportagens, dentro do tema Energia e sub-temas Hidrelétricas ou Pré-sal, pois acredita que o jornalismo independente deve ser apoiado e o desenvolvimento de reportagens investigativas nesses temas irão contribuir para o debate da sociedade civil sobre a política energética do país, que vai definir a nossa capacidade de reduzir as emissões de gases de efeito estufa e nos adaptar à um mundo impactado pelas mudanças climáticas.

INSCRIÇÕES

Os projetos apresentados por jornalistas profissionais, diplomados ou não, com comprovada experiência em realização de pautas de maneira independente, são elegíveis a 4 (quatro) microbolsas no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) para produção de reportagem investigativa.

As inscrições devem ser feitas até o dia 14 de novembro através do formulário que pode ser encontrado neste link: http://goo.gl/9Z6HXI. Os responsáveis pela proposta receberão a confirmação das suas inscrições por e-mail.

As propostas de reportagem inscritas podem ter um ou mais autor, devidamente identificados.

A Pública se compromete a não divulgar os projetos de reportagem.

COMO SE INSCREVER

Os projetos inscritos devem, de acordo com os requisitos do formulário, conter todas as seguintes informações:

a) pequena biografia do jornalista proponente focada na experiência profissional, com link de reportagens investigativas realizadas de maneira independente. Se for necessário o proponente pode enviar links para arquivos em PDF;

b) proposta de pauta inédita detalhada: 1. Pesquisa inicial; 2. Contexto, 3: Possíveis fontes.

c) plano de trabalho, incluindo tempo de pesquisa, viagens, métodos jornalísticos a serem empregados e produtos a serem entregues (texto, fotos, vídeo, infográficos);

d) uma referência profissional com telefone de contato;

e) plano de orçamento, incluindo todos custos (passagens, transportes, diárias) e o pagamento do repórter, na proporção que ele escolher.

DO JULGAMENTO

A avaliação final que selecionará os melhores projetos inscritos será realizada por uma Comissão Julgadora, composta pelas Diretoras da Agência Pública, Marina Amaral e Natalia Viana,pela Diretora de Comunicação e Mobilização do Greenpease Lisa Gunn e pelo Coordenador de Comunicação do Greenpeace, Bruno Weis. A seguir, o processo de coordenação da apuração, orientação do repórter e edição serão feitas exclusivamente pelas diretoras da Agência Pública.

A Comissão Julgadora levará em conta os seguintes critérios:

– consistência na pré-apuração;

– originalidade e relevância da pauta;

– experiência do repórter e capacidade de realizar reportagens de forma independente;

– segurança e viabilidade da investigação;

– recursos e métodos jornalisticos a serem utilizados.

DA PREMIAÇÃO

Os projetos selecionados serão apresentados no dia 19 de novembro de 2014 no site da Pública e do Greenpeace, e os finalistas receberão também uma comunicação por e-mail acompanhada de um termo de compromisso que deve ser assinado e devolvido à Pública.

O termo de compromisso não constitui vínculo empregatício, nem a Pública e o Greenpeace se responsabilizam por quaisquer questões de saúde, previdência ou impostos por parte dos vencedores durante a produção do trabalho.

Os vencedores receberão metade da verba total (R$ 2.500) a título de adiantamento e a segunda metade depois da realização da reportagem. O pagamento do repórter fica a seu critério, de acordo com o plano de trabalho.

O prazo de realização da reportagem será definido no momento da assinatura do termo de compromisso com os proponentes das reportagens selecionadas. No caso do projeto não ser concluído o vencedor deverá devolver integralmente o valor recebido.

Os premiados farão reunião de planejamento/acompanhamento das reportagens com as coordenadoras da Pública regularmente, em datas a serem combinadas. As reuniões podem ser realizadas remotamente. Na impossibilidade desse contato – viagens para locais distantes por exemplo – serão fixadas novas datas, sem exceder o prazo máximo de 10 dias.

Caso a pauta apresente risco à segurança do repórter/equipe, serão discutidas soluções em conjunto com as coordenadoras da Pública, podendo, inclusive, levar à suspensão da reportagem.

A Pública se reserva o direito de editar o conteúdo final das reportagens em contato com o repórter, dentro do espírito colaborativo que vigora na organização.

Respeitadas todas as etapas previstas nesse regulamento e no projeto de investigação jornalística, depois da publicação da reportagem, os selecionados receberão um certificado de participação no projeto Microbolsas Pública.

Os recursos das Microbolsas podem ser utilizados para pagamento de salários e gastos com viagens e pesquisas, por exemplo, da maneira que os propositores decidirem.

As reportagens geradas pelas propostas vencedoras serão publicadas ou levadas ao ar entre os meses de fevereiro e junho de 2015, na revista digital do Greenpeace e no site da Pública.

Os autores cederão à Pública e ao Greenpeace o direito de reproduzir seus trabalhos em outros produtos (livro, web, cd etc.). As reportagens serão registradas com licença Creative Commons e, portanto, todas as reportagens poderão ser republicadas livremente por outros veículos sem ferir direitos autorais. A divulgação será planejada em parceria com os autores.

Para dúvidas ou mais informações: 11 3661-3887.

JORNALISMO INVESTIGATIVO

O objetivo deste Concurso é estimular e facilitar a produção do jornalismo investigativo independente no Brasil. Àqueles que querem saber mais sobre o conceito de jornalismo investigativo, a Pública recomenda a leitura da compilação feita pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo em comemoração aos seus 10 anos. Clique aqui para ler as definições reunidas pela Abraji.

*O Greenpeace é mantido majoritariamente por doações de pessoas físicas e minoritariamente por meio de projetos apoiados por fundações independentes. Todas as suas contas são auditadas por empresas de auditoria independente. Mais informações sobre a organização podem ser acessados no website e no Relatório Anual.

[relacionados]

Tags: ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

Quem julga o juiz?

Quem julga o juiz?

| por | 21 de setembro de 2016

Uma exame da lista de juízes e desembargadores investigados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) mostra que, mesmo quando a acusação é de venda de sentença, o caso nem sempre segue para a Justiça criminal e a pena se reduz à aposentadoria

Adeus, Guyraroká

Adeus, Guyraroká 2

| por | 8 de setembro de 2016

Como o STF decidiu que uma terra em demarcação no Mato Grosso do Sul não era dos Kaiowá – e abriu as portas para outras decisões que podem impedir o direito territorial dos índios