AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Cunha e pauta conservadora. Blefe!

“Não há pauta minha ou pauta conservadora que seja imposta à Câmara; todas passam pelo crivo da Casa”, disse Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, em artigo na Folha de S.Paulo, na terça-feira (24)

A afirmação do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), está incorreta, porque esconde uma parte do processo legislativo – e que tem sido usada para fazer prosseguir pautas do seu interesse ou das bancadas evangélica, da bala e ruralista na Casa. O parlamentar faz referência apenas às decisões em plenário, mas sua influência tem sido vista em procedimentos anteriores, que incluem a criação de comissões parlamentares de inquérito e o encaminhamento de projetos às comissões permanentes, por exemplo.

[relacionados]

O projeto de lei 5069/2013, que motivou o artigo de Cunha na Folha e dificulta o aborto legal, foi analisado apenas pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara. A mesma coisa aconteceu com o PL Espião (PL 215/2015), que ameaça a liberdade na internet. Com isso, a tramitação ocorreu de modo muito mais rápido do que se tivesse sido analisada por várias comissões. Além disso, o presidente da CCJ é o deputado Arthur Lira (PP-AL), aliado de Cunha.

A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) chegou a apresentar um requerimento, pedindo que o PL 5069/2013 fosse encaminhado também para apreciação da Comissão de Seguridade Social e Família. A Mesa Diretora, controlada por Cunha, no entanto, rejeitou o pedido, argumentando que o assunto não tem relação com a comissão. “É claramente uma manobra regimental, a mando do presidente da Casa e maior interessado nesses assuntos. Uma mudança drástica como essa deveria ter um debate mais amplo e profundo em outras comissões permanentes, como é o objetivo da Comissão de Seguridade Social e Família”, disse a deputada, em entrevista à Agência Pública.

Tags: , , , , ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

Anatomia de um crime 3

, | por | 23 de março de 2017

Repórter da Pública percorre a história do Maracanã, patrimônio cultural destruído com autorização do Iphan e abandonado pelo poder público depois de mais de R$ 1,3 bilhão gasto em obras suspeitas de alimentar a corrupção

Pobre sai, rico fica

Pobre sai, rico fica 2

| por | 16 de março de 2017

A Justiça trata de maneira “diferenciada” os ricaços que têm mansões perto do Jardim Botânico – entre eles, o atual secretário de Habitação do Rio, Índio da Costa