AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Acesse aqui: Documentos dos governos de Angola e do Brasil

A Pública disponibiliza hoje todos os documentos oficiais usados para a pequisa sobre a presença da Odebrecht em Angola

A partir de hoje pesquisadores e jornalistas poderão baixar e consultar centenas de documentos oficiais obtidos pela Pública durante a investigação sobre a presença da Odebrecht em Angola.

A reportagem obteve todos os despachos das embaixadas brasileiras em Luanda e Pretória que citam o BNDES entre 2005 e 2014. Todos os arquivos, em PDF e separados por ano, podem ser baixados neste link: DESPACHOS DAS EMBAIXADAS BRASILEIRAS.

Embora sejam documentos públicos, os despachos diplomáticos do Itamaraty não são disponibilizados  em nenhum site oficial.

Também estão disponíveis todos os Diários da República – publicação equivalente ao Diário Oficial da União no Brasil – que mencionam contratos e obras realizadas pelas empresas Odebrecht  Angola e OSEL Angola. Embora o governo angolano publique esses registros, eles só podem ser obtidos em papel, em Luanda. O comunicador angolano Araclines Damião compilou e escaneou todos os diários para a Pública, de modo a permitir acesso a esta rica documentação. Nosso agradecimento por esse grande esforço.

Os Diários da República podem ser baixados neste link:  DIÁRIOS DA REPÚBLICA DE ANGOLA

 

 

Tags: , , , , , , , ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

Quem julga o juiz?

Quem julga o juiz?

| por | 21 de setembro de 2016

Uma exame da lista de juízes e desembargadores investigados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) mostra que, mesmo quando a acusação é de venda de sentença, o caso nem sempre segue para a Justiça criminal e a pena se reduz à aposentadoria

Adeus, Guyraroká

Adeus, Guyraroká 2

| por | 8 de setembro de 2016

Como o STF decidiu que uma terra em demarcação no Mato Grosso do Sul não era dos Kaiowá – e abriu as portas para outras decisões que podem impedir o direito territorial dos índios

Adeus, Guyraroká 2

| por | 8 de setembro de 2016

Como o STF decidiu que uma terra em demarcação no Mato Grosso do Sul não era dos Kaiowá – e abriu as portas para outras decisões que podem impedir o direito territorial dos índios

Quem julga o juiz?

Quem julga o juiz?

| por | 21 de setembro de 2016

Uma exame da lista de juízes e desembargadores investigados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) mostra que, mesmo quando a acusação é de venda de sentença, o caso nem sempre segue para a Justiça criminal e a pena se reduz à aposentadoria