AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Ensaio fotográfico: Movimento dos Trabalhadores Sem Teto

Registramos durante duas semanas de fevereiro o dia a dia dos acampados do maior movimento por moradia do Brasil

Leia também – O psicanalista das massas

Moradora acompanha a assembleia com Guilherme Boulos, líder do MTST, na Ocupação Povo Sem Medo, Capão Redondo, criada há três meses

Ocupação Povo Sem Medo, Capão Redondo: convocação geral de Boulos para a jornada nacional do movimento contra o governo Michel Temer

Ocupação Povo Sem Medo, Capão Redondo: Boulos em frente a casa onde se realiza a reunião das lideranças

Ocupação Povo Sem Medo, Capão Redondo: morador utiliza uma das cinco cozinhas coletivas. Ao fundo, o conglomerado de casas do bairro jardim Macedônia

Ocupação Nova Palestina, Jardim Ângela, na zona sul de São Paulo é a maior da América Latina, com 4 mil famílias

Morador da ocupação Nova Palestina ao final do expediente

Na Nova Palestina ainda é possível ver adolescentes circulando a cavalo durante o dia

Morador ajuda na construção de uma nova moradia na Nova Palestina

Morador da ocupação Nova Palestina e seu galo de estimação

A Nova Palestina é uma das ocupações mais antigas de São Paulo e já abrigou 8 mil famílias

Em São Paulo, a manifestação que deu início a jornada nacional de luta por moradia digna e contra o governo Temer

25 mil pessoas marcharam até o escritório da Presidência da República na Avenida Paulista, em São Paulo

Montagem do acampamento em frente ao escritório da Presidência da República na Avenida Paulista, em São Paulo

O acampamento em frente ao escritório da Presidência da República ganhou o nome de “Ocupa Paulista” 

Militante do MTST acampada na Avenida Paulista exibe um cartaz com um dos principais lemas do movimento

Tags: , , , , ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

O advogado da PM que mata 2

| por | 15 de maio de 2017

O ex-PM da Rota Celso Vendramini já defendeu mais de cem policiais acusados de homicídio e atuou em casos como o Carandiru e a Favela Naval, em São Paulo; “o policial não tem que esperar o marginal puxar a arma para atirar”, diz