Agência de Jornalismo Investigativo

“[Foi] uma reforma [política] que criou restrições, que buscou constitucionalizar, e ainda vai para o segundo turno o financiamento empresarial de campanhas, que é uma das grandes bases da corrupção no Brasil.” – Jandira Feghali, deputada federal, líder do PC do B na Câmara

7 de agosto de 2015
Verdadeiro
Verdadeiro

No dia 27 de maio, a Câmara aprovou o financiamento privado a campanhas eleitorais, com doações de pessoas físicas e jurídicas a partidos políticos e de pessoas físicas a candidatos. Até então, a Constituição não regulava o financiamento de campanhas, que aguardava julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF).

No Supremo, seis dos 11 ministros já votaram contra o financiamento. A intenção de incluir essa regulação por meio de uma emenda constitucional é justamente evitar que o modelo seja considerado ilegal pelo STF, que julga ação proposta pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

A decisão foi criticada pela Associação de Magistrados do Brasil, que representa os juízes do país. Em nota, a classe considerou a decisão inconstitucional, já que, no dia anterior, os deputados haviam rejeitado emenda sobre o mesmo tema e não poderiam apreciar matéria semelhante em votação no plenário. Deputados do PT e do PMDB chegaram a discutir em meio à sessão. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, afirmou que estava seguindo o rito regimental da Casa. O líder do PMDB na Câmara, deputado Leonardo Picciani (RJ), também argumentou que o tema derrotado no dia anterior tinha texto diferente do aprovado (no texto que perdeu a votação, as empresas poderiam doar tanto para os partidos como para os candidatos).

Em seguida, o presidente da AMB considerou que o financiamento privado de campanha está longe do ideal. “Esse é o pior modelo que poderia ter sido aprovado, pois o financiamento será concentrado nos partidos, dificultando o controle e tornando o processo de doação menos transparente”, afirmou. “Essas empresas não fazem filantropia, são corporações interessadas em influir nos rumos da economia e articular regras que lhes sejam favoráveis.”

No início de julho, o Datafolha divulgou pesquisa encomendada pela OAB em que se aferiu que 74% dos brasileiros são contra o financiamento de campanha por empresas privadas. Na mesma época, Jorge Hage, ex-ministro da Controladoria-Geral da União, órgão do governo responsável por combater a corrupção, disse, em depoimento na CPI da Petrobras, ser completamente contra o financiamento privado de campanhas. Hage considera haver grande dificuldade em identificar a origem dos recursos de financiamentos privados, dentro e fora da lei.

Já o cientista político Aldo Fornazieri, professor da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, aponta que grande parte dos escândalos de corrupção estão ligados ao financiamento privado de campanha. Em entrevista à CBN, Fornazieri afirmou que a política se tornou um grande negócio. “Hoje uma campanha para deputado federal, no mínimo, no mínimo, ela custa por baixo R$ 10 milhões. Ninguém se elege com menos de R$ 10 milhões. A não ser partidos muito pequenos como o PSOL, que declara que não aceita financiamento empresarial. Mas a maioria das campanhas dos deputados federais são campanhas milionárias e evidentemente há uma troca de favores”, disse.

Depois de votada na Câmara, a matéria ainda precisa passar por votação no Senado.

A deputada Jandira Jeghali (PC do B-RJ). Foto: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados

Explore também

O ministro da Justiça licenciado, Alexandre de Moraes, indicado ao STF

Moraes teve apoio de entidades, mas também foi criticado

21 de fevereiro de 2017 | por

Indicação de ministro da Justiça licenciado para vaga no Supremo Tribunal Federal também foi contestada por organizações da sociedade civil

Deputados usam dados falsos ao debater intervenção no Rio

23 de fevereiro de 2018 | por , e

Informações erradas fazem parte dos argumentos de parlamentares favoráveis ou contrários à medida de Temer

Alunos da rede pública de ensino do Distrito Federal realizam atividades: candidatos têm propostas distintas para a área

Haddad exagera e Bolsonaro erra em frases sobre educação

26 de outubro de 2018 | por e

Números foram superestimados por candidato do PT, enquanto presidenciável do PSL citou informações falsas

Mais recentes

Vídeo falso diz que eleições de 2014 foram fraudadas

27 de outubro de 2018 | por

Vídeo de suplente de deputada coloca em dúvida eleições de 2014 com dados irreais e um "especialista" não identificado

Em economia, Bolsonaro cita dados falsos e Haddad subestima e acerta

26 de outubro de 2018 | por , e

Em 4 frases checadas, presidenciável do PSL usou informações falsas; já Haddad citou número inferior ao real e fez uma afirmação correta

Alunos da rede pública de ensino do Distrito Federal realizam atividades: candidatos têm propostas distintas para a área

Haddad exagera e Bolsonaro erra em frases sobre educação

26 de outubro de 2018 | por e

Números foram superestimados por candidato do PT, enquanto presidenciável do PSL citou informações falsas