Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

“O governo não teve uma vitória apertada, teve uma quase derrota apertada, 251 a 132 é uma derrota”, afirmou Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, em entrevista coletiva na quarta-feira (19)

20 de novembro de 2015

não é bem assim m laranjaO resultado da votação do veto do reajuste do Judiciário foi de fato apertado, mas isso não significa que houve uma “quase derrota” do governo, como afirmou o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). No caso do aumento dos servidores do Judiciário, a maior parte dos parlamentares tentou derrubar o veto, mas não conseguiu. Logo, esse grupo foi derrotado na sua intenção de garantir a reposição salarial, não o governo – ainda que a diferença entre os votos necessários tenha sido muito pequena. Foram feitas sucessivas tentativas. ao longo de meses, para que a questão fosse analisada com um resultado favorável para a União. E foi isso que aconteceu.

Há mais de dois meses o Executivo vem tentando desarmar a chamada “pauta-bomba”, um conjunto de medidas aprovadas pelo Congresso que geraria despesas não previstas e provocaria um profundo impacto nas contas públicas. A votação desse e de outros vetos na terça e na quarta-feira só foi possível depois de se fazer uma reforma ministerial e distribuição de cargos, numa tentativa de recompor a esfacelada base de apoio parlamentar. Por isso, os analistas têm opinião diferente da de Eduardo Cunha.

O resultado da votação no Congresso foi a manutenção de 12 vetos e a derrubada de apenas dois: um deles permitirá a impressão dos votos em urnas eletrônicas e vai gerar uma despesa de R$ 1,8 bilhão, enquanto o outro manteve um prazo de 15 dias para os repasses de 70% do valor dos depósitos judiciais, pelos bancos, a estados e municípios e ao Distrito Federal. Como a maioria dos vetos foi mantida, isso foi considerado uma vitória do governo para recompor a sua base de apoio.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

Ataídes e desemprego. Blefe!

2 de outubro de 2015 | por

“Se nós pegarmos os trabalhadores que estão procurando emprego e que dentro de 30 dias não conseguirem achar emprego, eles saem das estatísticas de desempregados para desalentados. Hoje, nós temos 9,3 milhões de trabalhadores no seguro-desemprego. Ele é considerado empregado também nessa estatística. E os ‘nem-nem’, que nem estudam nem trabalham, são 10 milhões. Isso significa que hoje nós temos não 8,6 milhões de trabalhadores desempregados: nós temos 29,5 milhões de trabalhadores desempregados.” – Ataídes Oliveira (PSDB-TO), senador, na quarta-feira (30), no plenário

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) exagerou ao afirmar que 80% dos aposentados pela Previdência ganham um salário mínimo

Senadora exagera número de aposentados que recebem salário mínimo

15 de fevereiro de 2017 | por

Afirmação foi feita por Gleisi Hoffmann (PT-PR) durante entrevista, mas dados mostram que porcentual é menor

O candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) chegando a seção eleitoral em 7 de outubro de 2018

Pesquisa falsa mostra Bolsonaro na liderança em todos os estados

25 de outubro de 2018 | por

Mensagem de WhatsApp divulga resultados inexistentes de levantamento eleitoral do Instituto Paraná Pesquisas

Mais recentes

Vídeo falso diz que eleições de 2014 foram fraudadas

27 de outubro de 2018 | por

Vídeo de suplente de deputada coloca em dúvida eleições de 2014 com dados irreais e um "especialista" não identificado

Em economia, Bolsonaro cita dados falsos e Haddad subestima e acerta

26 de outubro de 2018 | por , e

Em 4 frases checadas, presidenciável do PSL usou informações falsas; já Haddad citou número inferior ao real e fez uma afirmação correta

Alunos da rede pública de ensino do Distrito Federal realizam atividades: candidatos têm propostas distintas para a área

Haddad exagera e Bolsonaro erra em frases sobre educação

26 de outubro de 2018 | por e

Números foram superestimados por candidato do PT, enquanto presidenciável do PSL citou informações falsas

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar