Agência de Jornalismo Investigativo

“Se [ver um vídeo pornô no plenário] fosse o maior crime, metade dos senhores que estão aqui não estariam hoje. Não é quebra de decoro você receber uma imagem no WhatsApp e deletar. Qual o crime?”, afirmou João Rodrigues (PSD-SC), deputado federal, em entrevista ao Globo na quinta-feira (12)

13 de novembro de 2015

não é bem assim m laranjaNão há crime em assistir a um vídeo pornô, mesmo em público, se feito de forma reservada. De acordo com o Código Penal, a conduta só seria considerada um “ultraje público ao pudor” se o material obsceno fosse exibido abertamente para outras pessoas. Apesar da tranquilidade com que o deputado João Rodrigues (PSD-SC) se manifesta, entretanto, a prática pode ser considerada contraditória com o decoro parlamentar.

Embora não exista definição clara do conceito de “decoro”, a sua quebra está prevista na Constituição Federal como motivo para a perda do mandato. O Regimento Interno da Câmara dos Deputados também prevê a penalização para atos contrários ao decoro parlamentar ou para aqueles que afetem a “dignidade do mandato”, mas o Código de Ética e Decoro Parlamentar restringe a perda do mandato determinada pela Constituição aos casos em que o deputado pratique “uma irregularidade” que “afete a dignidade da representação popular”.

Assim, como não há “irregularidade” em assistir ao pornô, João Rodrigues seria enquadrado, de acordo com o Código de Ética, como autor de uma infração às “regras de boa conduta nas dependências da Casa”, cuja penalidade é a censura oral ou escrita do parlamentar. Mesmo o fato de ter exibido o vídeo discretamente para outros colegas, no plenário, como mostram as imagens captadas por uma emissora de televisão, não agravaria a branda penalidade.

Apesar de ter ocorrido no fim de maio, o vexatório flagra voltou ao debate político nos últimos dias após um bate-boca intenso entre João Rodrigues e Jean Wyllys (PSOL-RJ), em 28 de outubro, quando os dois trocaram acusações e ofensas no plenário. A contenda foi iniciada por Rodrigues, que usou da tribuna para defender a revogação do Estatuto do Desarmamento e ofender o colega. Ao ser chamado de “escória” pelo catarinense, Wyllys acusou “o deputado do pornô” de “roubar dinheiro público”, devido a uma condenação na justiça sobre os atos como prefeito de Chapecó (SC) – da qual Rodrigues recorre.

A briga levou o PSD, partido do parlamentar catarinense, a representar contra Wyllys no Conselho de Ética, justamente por quebra de decoro. Segundo explicou o presidente da legenda, Guilherme Campos (SP) ao portal G1, o deputado do PSOL denegriu Rodrigues e, agora, terá de “provar quem são os ladrões”. Ao mesmo site, Wyllys disse que a iniciativa é uma retaliação de deputados ligados ao presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). “Primeiro entraram com uma representação contra o Chico Alencar, agora contra mim, porque nós (PSOL) somos a bancada que pediu a cassação do mandato dele no Conselho de Ética.”

O deputado federal João Rodrigues (PSD-SC)
O deputado federal João Rodrigues (PSD-SC). Foto: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados

Mais recentes

Vídeo falso diz que eleições de 2014 foram fraudadas

27 de outubro de 2018 | por

Vídeo de suplente de deputada coloca em dúvida eleições de 2014 com dados irreais e um "especialista" não identificado

Em economia, Bolsonaro cita dados falsos e Haddad subestima e acerta

26 de outubro de 2018 | por , e

Em 4 frases checadas, presidenciável do PSL usou informações falsas; já Haddad citou número inferior ao real e fez uma afirmação correta

Alunos da rede pública de ensino do Distrito Federal realizam atividades: candidatos têm propostas distintas para a área

Haddad exagera e Bolsonaro erra em frases sobre educação

26 de outubro de 2018 | por e

Números foram superestimados por candidato do PT, enquanto presidenciável do PSL citou informações falsas

Explore também

PEC das Diretas ainda tem longo caminho

2 de junho de 2017 | por

Checagem de frase do senador Lindbergh Farias (PT-RJ) mostra exagero ao considerar aprovação como grande vitória

Abaixo-assinado traz informação falsa sobre auxílio-moradia para juízes e MP

8 de março de 2018 | por

Estimativa do valor pago usa números desatualizados em cálculo sobre o benefício

Policiais militares do Distrito Federal: todas as unidades da Federação tiveram aumento de efetivo nos últimos 10 anos

Meirelles erra ao dizer que estados não contratam policiais há mais de 10 anos

25 de setembro de 2018 | por

Dados do Ministério da Segurança Pública mostram que todas as unidades da Federação tiveram aumento no efetivo policial entre 2011 e 2016