Agência de Jornalismo Investigativo

“Se [ver um vídeo pornô no plenário] fosse o maior crime, metade dos senhores que estão aqui não estariam hoje. Não é quebra de decoro você receber uma imagem no WhatsApp e deletar. Qual o crime?”, afirmou João Rodrigues (PSD-SC), deputado federal, em entrevista ao Globo na quinta-feira (12)

13 de novembro de 2015

não é bem assim m laranjaNão há crime em assistir a um vídeo pornô, mesmo em público, se feito de forma reservada. De acordo com o Código Penal, a conduta só seria considerada um “ultraje público ao pudor” se o material obsceno fosse exibido abertamente para outras pessoas. Apesar da tranquilidade com que o deputado João Rodrigues (PSD-SC) se manifesta, entretanto, a prática pode ser considerada contraditória com o decoro parlamentar.

Embora não exista definição clara do conceito de “decoro”, a sua quebra está prevista na Constituição Federal como motivo para a perda do mandato. O Regimento Interno da Câmara dos Deputados também prevê a penalização para atos contrários ao decoro parlamentar ou para aqueles que afetem a “dignidade do mandato”, mas o Código de Ética e Decoro Parlamentar restringe a perda do mandato determinada pela Constituição aos casos em que o deputado pratique “uma irregularidade” que “afete a dignidade da representação popular”.

Assim, como não há “irregularidade” em assistir ao pornô, João Rodrigues seria enquadrado, de acordo com o Código de Ética, como autor de uma infração às “regras de boa conduta nas dependências da Casa”, cuja penalidade é a censura oral ou escrita do parlamentar. Mesmo o fato de ter exibido o vídeo discretamente para outros colegas, no plenário, como mostram as imagens captadas por uma emissora de televisão, não agravaria a branda penalidade.

Apesar de ter ocorrido no fim de maio, o vexatório flagra voltou ao debate político nos últimos dias após um bate-boca intenso entre João Rodrigues e Jean Wyllys (PSOL-RJ), em 28 de outubro, quando os dois trocaram acusações e ofensas no plenário. A contenda foi iniciada por Rodrigues, que usou da tribuna para defender a revogação do Estatuto do Desarmamento e ofender o colega. Ao ser chamado de “escória” pelo catarinense, Wyllys acusou “o deputado do pornô” de “roubar dinheiro público”, devido a uma condenação na justiça sobre os atos como prefeito de Chapecó (SC) – da qual Rodrigues recorre.

A briga levou o PSD, partido do parlamentar catarinense, a representar contra Wyllys no Conselho de Ética, justamente por quebra de decoro. Segundo explicou o presidente da legenda, Guilherme Campos (SP) ao portal G1, o deputado do PSOL denegriu Rodrigues e, agora, terá de “provar quem são os ladrões”. Ao mesmo site, Wyllys disse que a iniciativa é uma retaliação de deputados ligados ao presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). “Primeiro entraram com uma representação contra o Chico Alencar, agora contra mim, porque nós (PSOL) somos a bancada que pediu a cassação do mandato dele no Conselho de Ética.”

O deputado federal João Rodrigues (PSD-SC)
O deputado federal João Rodrigues (PSD-SC). Foto: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados

Mais recentes

Levy Fidelix exagera impostos em medicamentos

18 de julho de 2018 | por , e

Pré-candidato pelo PRTB também superestimou a concentração de renda no país e acertou valor da dívida pública

Projeto de lei que tramita na Câmara não cria novos municípios

11 de julho de 2018 | por

Imagem que circula no Facebook denuncia tentativa de criação de 400 novas cidades mas projeto de lei apenas regulamenta os requisitos necessários para plebiscitos locais

Carro incendiado em São Paulo não foi resposta à recusa de dinheiro com carimbo “Lula Livre”

9 de julho de 2018 | por

Segundo a PM, motivação para atear fogo ao carro é diferente ao que tem se espalhado nas redes sociais

Explore também

Anatomia de um crime

23 de março de 2017 | por

Repórter da Pública percorre a história do Maracanã, patrimônio cultural destruído com autorização do Iphan e abandonado pelo poder público depois de mais de R$ 1,3 bilhão gasto em obras suspeitas de alimentar a corrupção

Lembo teria cogitado visitar a Bolívia para atrapalhar reeleição de Lula

8 de julho de 2011 | por

Antes da nacionalização do gás, o então governador de São Paulo foi convidado por Evo Morales por ter prestado “pequenos favores” a imigrantes bolivianos