Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Parlamentar gaúcho disse que gasto público do governo foi duas vezes maior que a receita nos últimos oito anos; afirmação, no entanto, é falsa

28 de junho de 2016

“O governo gastou, no mínimo, duas vezes mais do que a receita nos últimos oito anos.” – deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), em discurso na Câmara no dia 16

Falso
Falso

O deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) interpretou de forma equivocada números apresentados pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Em discurso no plenário da Câmara no dia 16, o parlamentar disse que os governos Lula e Dilma gastaram duas vezes mais do que a receita nos últimos oito anos, ou seja, de 2008 a 2015. O Truco no Congresso – projeto de fact-checking da Agência Pública, feito em parceria com o Congresso em Foco – verificou a frase e descobriu que isso não aconteceu, o que torna a afirmação falsa.

Em todo o período, houve rombos em 2014 (R$ 17,2 bilhões) e em 2015 (R$ 115,6 bilhões). Em 2014, a despesa representou 101,6% da receita. Em 2015, 110,1%. De 2008 a 2013, as despesas foram inferiores à receita. Isso significa que as contas não fecharam no vermelho naqueles anos, tornando a afirmação de Perondi exagerada. Mesmo nos anos de rombo, o governo não gastou “duas vezes mais”.

Amparado em dados oficiais da Secretaria do Tesouro Nacional, o ministro Meirelles disse que, “de 2008 a 2015, o crescimento da receita, em termos reais, foi um pouco acima de 17% e a despesa, mais de 50%”. Comparando os índices, conclui-se que além de ampliar os gastos, o governo o fez numa velocidade cerca de três vezes maior do que cresceram as receitas. É como se a cada ano, entre 2008 a 2015, as despesas tivessem crescido 6,39 pontos percentuais, enquanto a arrecadação somente 2,05 pontos percentuais. Em 2014 e 2015, como resultado, as contas ficaram no vermelho.

A confusão feita pelo deputado Perondi ocorreu quando, depois de citar a fala de Meirelles, ele concluiu que o gasto havia excedido em duas vezes a receita nesse período de oito anos, em reais (R$) – o que não aconteceu. Em valores corrigidos pelo IPCA (abril/2016), a receita do governo em 2008 atingiu R$ 965,1 bilhões, e R$ 1,12 trilhão em 2015 – o que corresponde a um aumento de 16,4%. No ano passado, as despesas federais foram de R$ 1,24 trilhão, contra R$ 823,1 bilhões de 2008, ou seja, 51,1% superiores.

O que houve, portanto, foi um aumento do gasto (51,1%) a uma taxa que excedeu em duas vezes a da arrecadação (16,4%). Trata-se de uma comparação entre índices de crescimento, e não entre os valores absolutos dos recursos. Se o governo tivesse gastado “duas vezes mais do que a receita”, como disse o parlamentar, em 2015, por exemplo, dada a arrecadação de R$ 1,12 trilhão, as despesas teriam sido de R$ 3,36 trilhões. Assim, o rombo histórico registrado no ano passado, de R$ 115,6 bilhões, teria sido quase 20 vezes maior, de R$ 2,24 trilhões.

O deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) errou ao comparar gastos com receitas do governo
O deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) errou ao comparar gastos com receitas do governo. Foto: Gabriela Korossy/Câmara dos Deputados

O deputado foi procurado pela reportagem e, após consultar um economista, reconheceu o erro de conceituação ao anunciar na tribuna a conta feita de improviso. Já utilizando a proporção (3,11) no conceito correto – isto é, comparando a taxa de crescimento das despesas em relação à taxa de crescimento das receitas –, disse que os números ilustram o agravamento do descontrole fiscal no país.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

Alckmin erra ao comparar oferta de crédito brasileira e chilena

5 de outubro de 2018 | por

Dados do Banco Mundial e do FMI diferem, mas nenhum dos dois mostra a oferta de crédito do Chile como o dobro da brasileira

Alerta! Perigo!

Propostas da Agenda Brasil. Que medo, Renan!

14 de agosto de 2015 | por

“É uma colaboração do Congresso Nacional, da isenção do Congresso Nacional, da independência do Congresso Nacional para uma agenda do país.” – Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Congresso, sobre a Agenda Brasil, um pacote de medidas entregue, segundo o parlamentar, para estimular a economia, na segunda-feira (10)

Exagerado, distorcido ou discutível

Quantos partidos existem, estão no Congresso ou podem ser criados?

6 de dezembro de 2016 | por

PEC da reforma política prevê clausula de barreira, medida que pode causar a redução do número de legendas

Mais recentes

Vídeo falso diz que eleições de 2014 foram fraudadas

27 de outubro de 2018 | por

Vídeo de suplente de deputada coloca em dúvida eleições de 2014 com dados irreais e um "especialista" não identificado

Em economia, Bolsonaro cita dados falsos e Haddad subestima e acerta

26 de outubro de 2018 | por , e

Em 4 frases checadas, presidenciável do PSL usou informações falsas; já Haddad citou número inferior ao real e fez uma afirmação correta

Alunos da rede pública de ensino do Distrito Federal realizam atividades: candidatos têm propostas distintas para a área

Haddad exagera e Bolsonaro erra em frases sobre educação

26 de outubro de 2018 | por e

Números foram superestimados por candidato do PT, enquanto presidenciável do PSL citou informações falsas

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar