Agência de Jornalismo Investigativo

Parlamentar gaúcho disse que gasto público do governo foi duas vezes maior que a receita nos últimos oito anos; afirmação, no entanto, é falsa

28 de junho de 2016

“O governo gastou, no mínimo, duas vezes mais do que a receita nos últimos oito anos.” – deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), em discurso na Câmara no dia 16

Falso
Falso

O deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) interpretou de forma equivocada números apresentados pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Em discurso no plenário da Câmara no dia 16, o parlamentar disse que os governos Lula e Dilma gastaram duas vezes mais do que a receita nos últimos oito anos, ou seja, de 2008 a 2015. O Truco no Congresso – projeto de fact-checking da Agência Pública, feito em parceria com o Congresso em Foco – verificou a frase e descobriu que isso não aconteceu, o que torna a afirmação falsa.

Em todo o período, houve rombos em 2014 (R$ 17,2 bilhões) e em 2015 (R$ 115,6 bilhões). Em 2014, a despesa representou 101,6% da receita. Em 2015, 110,1%. De 2008 a 2013, as despesas foram inferiores à receita. Isso significa que as contas não fecharam no vermelho naqueles anos, tornando a afirmação de Perondi exagerada. Mesmo nos anos de rombo, o governo não gastou “duas vezes mais”.

Amparado em dados oficiais da Secretaria do Tesouro Nacional, o ministro Meirelles disse que, “de 2008 a 2015, o crescimento da receita, em termos reais, foi um pouco acima de 17% e a despesa, mais de 50%”. Comparando os índices, conclui-se que além de ampliar os gastos, o governo o fez numa velocidade cerca de três vezes maior do que cresceram as receitas. É como se a cada ano, entre 2008 a 2015, as despesas tivessem crescido 6,39 pontos percentuais, enquanto a arrecadação somente 2,05 pontos percentuais. Em 2014 e 2015, como resultado, as contas ficaram no vermelho.

A confusão feita pelo deputado Perondi ocorreu quando, depois de citar a fala de Meirelles, ele concluiu que o gasto havia excedido em duas vezes a receita nesse período de oito anos, em reais (R$) – o que não aconteceu. Em valores corrigidos pelo IPCA (abril/2016), a receita do governo em 2008 atingiu R$ 965,1 bilhões, e R$ 1,12 trilhão em 2015 – o que corresponde a um aumento de 16,4%. No ano passado, as despesas federais foram de R$ 1,24 trilhão, contra R$ 823,1 bilhões de 2008, ou seja, 51,1% superiores.

O que houve, portanto, foi um aumento do gasto (51,1%) a uma taxa que excedeu em duas vezes a da arrecadação (16,4%). Trata-se de uma comparação entre índices de crescimento, e não entre os valores absolutos dos recursos. Se o governo tivesse gastado “duas vezes mais do que a receita”, como disse o parlamentar, em 2015, por exemplo, dada a arrecadação de R$ 1,12 trilhão, as despesas teriam sido de R$ 3,36 trilhões. Assim, o rombo histórico registrado no ano passado, de R$ 115,6 bilhões, teria sido quase 20 vezes maior, de R$ 2,24 trilhões.

O deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) errou ao comparar gastos com receitas do governo
O deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) errou ao comparar gastos com receitas do governo. Foto: Gabriela Korossy/Câmara dos Deputados

O deputado foi procurado pela reportagem e, após consultar um economista, reconheceu o erro de conceituação ao anunciar na tribuna a conta feita de improviso. Já utilizando a proporção (3,11) no conceito correto – isto é, comparando a taxa de crescimento das despesas em relação à taxa de crescimento das receitas –, disse que os números ilustram o agravamento do descontrole fiscal no país.

Truco no Congresso

Este texto foi produzido pelo projeto Truco no Congresso, feito em parceria com o site Congresso em Foco entre agosto de 2015 e dezembro de 2016. As classificações adotadas nas checagens são cartas, que diferem dos selos usados na nova fase do projeto Truco, iniciada em fevereiro de 2017.

Mais recentes

Imagem falsa diz que só três países têm voto eletrônico

12 de junho de 2018 | por

Montagem denuncia que apenas Brasil, Cuba e Venezuela adotam sistema, mas uso de tecnologia em eleições nacionais ocorre em 23 lugares do mundo

Aldo Rebelo usa dados falsos sobre golpe de 64, Copa e Amazônia

8 de junho de 2018 | por , e

Presidenciável também errou ao falar sobre apoio ao Código Florestal e distorceu informações sobre safra agrícola e preservação ambiental

Imagem sobre trajetória de Pedro Parente faz acusações falsas

6 de junho de 2018 | por

Ex-presidente da Petrobras não era da equipe econômica do governo Collor, nem fazia parte de Ministério de Minas e Energia na crise do apagão de FHC

Explore também

Concessão do Ibirapuera não vai destruir Viveiro Manequinho Lopes

16 de Março de 2018 | por

Mudança não permite transformar local em praça de alimentação, apesar de o texto ser vago

O Mundo Amanhã: as vozes de Guantánamo

31 de outubro de 2012 | por

No quinto episódio da série, Julian Assange entrevista Moazzam Begg, ex-detento de Guantánamo, e Asim Qureshi, advogado que largou o mundo corporativo para lutar contra os abusos da guerra ao terror

Exclusivo: O que revela (e o que esconde) a auditoria oficial dos ônibus no Rio

4 de agosto de 2017 | por e

Empresa internacional PwC fez milionário levantamento dos problemas do transporte com dinheiro público, mas secretário de Marcelo Crivella decretou sigilo dos resultados para evitar transparência