Agência de Jornalismo Investigativo

Checamos a afirmação de que existem lugares com maior grau de corrupção, feita pelo juiz Sérgio Moro em uma comissão da Câmara dos Deputados na quinta-feira (4)

5 de agosto de 2016

“Corrupção existe no mundo inteiro, em maior ou menor nível, e existem países com níveis de corrupção piores do que os nossos.” – juiz Sérgio Moro, em audiência pública na comissão especial do PL 4850/16, que estabelece 10 medidas de combate à corrupção.

Correto
Correto

O Brasil está, de fato, longe de ser o país mais corrupto do mundo. Em 2015, atingiu a 76ª menor pontuação em um ranking de corrupção que avaliou 168 países. Elaborado pela Transparência Internacional, o Índice de Percepção da Corrupção (IPC) do Brasil foi de 38 pontos, em uma escala de 0 a 100, longe do topo da lista – Dinamarca (91), Finlândia (90) e Suécia (89) – mas também distante dos mais corruptos – Afeganistão (11), Coreia do Norte (8) e Somália (8).

Apesar de estar no meio da tabela, o índice caiu em relação a 2014 – quando o Brasil alcançou 43 pontos e ficou em 69º menos corrupto do mundo. Os 38 pontos de 2015 não só foram a pior pontuação do país no ranking, como a queda de cinco pontos em comparação ao ano anterior foi a maior registrada entre todos os países. O índice, cabe destacar, avalia somente o setor público.

O outro ponto citado pelo juiz Sérgio Moro na Câmara dos Deputados também se revela verdadeiro. Embora tenham índices bem mais elevados que o do Brasil, somente 12 países tiveram pontuação superior a 80 em 2015. Nove pontos separam a Dinamarca (91), primeira colocada, da “perfeição”.

Além disso, como explica a própria Transparência Internacional, responsável pela elaboração do IPC, “só porque um país tem um setor público limpo em casa, não significa que ele não esteja ligado à corrupção em outros lugares”. A ONG cita o caso do Estado sueco, que possui 37% de uma empresa acusada de pagar milhões de dólares em propina no Uzbequistão.

Assim, mesmo os países mais bem colocados no ranking do IPC têm espaço para evoluir no combate à corrupção. Isso, somado ao fato de que apesar da queda no ranking global do IPC, o Brasil ainda está à frente de muitos países, revela como correta a fala do juiz Sérgio Moro aos deputados. Desta forma, a afirmação de Moro está correta e recebe a carta Zap! do Truco no Congresso – projeto de fact-checking da Agência Pública, feito em parceria com o Congresso em Foco. Procurada, a assessoria da Justiça Federal no Paraná não se manifestou.

O juiz Sérgio Moro, que participou de audiência pública sobre projeto contra corrupção
O juiz Sérgio Moro, que participou de audiência pública sobre projeto contra corrupção. Foto: Lucio Bernardo Jr./Câmara dos Deputados

Mais recentes

Vídeo falso diz que eleições de 2014 foram fraudadas

27 de outubro de 2018 | por

Vídeo de suplente de deputada coloca em dúvida eleições de 2014 com dados irreais e um "especialista" não identificado

Em economia, Bolsonaro cita dados falsos e Haddad subestima e acerta

26 de outubro de 2018 | por , e

Em 4 frases checadas, presidenciável do PSL usou informações falsas; já Haddad citou número inferior ao real e fez uma afirmação correta

Alunos da rede pública de ensino do Distrito Federal realizam atividades: candidatos têm propostas distintas para a área

Haddad exagera e Bolsonaro erra em frases sobre educação

26 de outubro de 2018 | por e

Números foram superestimados por candidato do PT, enquanto presidenciável do PSL citou informações falsas

Explore também

Truco, Maria do Rosário!

30 de outubro de 2015 | por

Segundo a deputada Maria do Rosário (PT-RS), 20% dos arranjos familiares no Brasil seriam desconsiderados pelo Estatuto da Família; questionamos a parlamentar sobre esse número e explicamos as estatísticas

Dilma diz que empresas deixaram de investir para aumentar lucro, mas é impossível provar

18 de abril de 2017 | por

Checamos frase da ex-presidente sobre o que ocorreu com a política de desonerações fiscais e redução de impostos do seu governo

Corrente erra ao considerar ilegal gravação de Temer sem autorização de juiz

5 de junho de 2017 | por

Ministro do STF aceitou os áudios como possíveis provas ao abrir inquérito, mas validade será analisada no processo