Agência de Jornalismo Investigativo

Checamos a afirmação de que existem lugares com maior grau de corrupção, feita pelo juiz Sérgio Moro em uma comissão da Câmara dos Deputados na quinta-feira (4)

5 de agosto de 2016

“Corrupção existe no mundo inteiro, em maior ou menor nível, e existem países com níveis de corrupção piores do que os nossos.” – juiz Sérgio Moro, em audiência pública na comissão especial do PL 4850/16, que estabelece 10 medidas de combate à corrupção.

Correto
Correto

O Brasil está, de fato, longe de ser o país mais corrupto do mundo. Em 2015, atingiu a 76ª menor pontuação em um ranking de corrupção que avaliou 168 países. Elaborado pela Transparência Internacional, o Índice de Percepção da Corrupção (IPC) do Brasil foi de 38 pontos, em uma escala de 0 a 100, longe do topo da lista – Dinamarca (91), Finlândia (90) e Suécia (89) – mas também distante dos mais corruptos – Afeganistão (11), Coreia do Norte (8) e Somália (8).

Apesar de estar no meio da tabela, o índice caiu em relação a 2014 – quando o Brasil alcançou 43 pontos e ficou em 69º menos corrupto do mundo. Os 38 pontos de 2015 não só foram a pior pontuação do país no ranking, como a queda de cinco pontos em comparação ao ano anterior foi a maior registrada entre todos os países. O índice, cabe destacar, avalia somente o setor público.

O outro ponto citado pelo juiz Sérgio Moro na Câmara dos Deputados também se revela verdadeiro. Embora tenham índices bem mais elevados que o do Brasil, somente 12 países tiveram pontuação superior a 80 em 2015. Nove pontos separam a Dinamarca (91), primeira colocada, da “perfeição”.

Além disso, como explica a própria Transparência Internacional, responsável pela elaboração do IPC, “só porque um país tem um setor público limpo em casa, não significa que ele não esteja ligado à corrupção em outros lugares”. A ONG cita o caso do Estado sueco, que possui 37% de uma empresa acusada de pagar milhões de dólares em propina no Uzbequistão.

Assim, mesmo os países mais bem colocados no ranking do IPC têm espaço para evoluir no combate à corrupção. Isso, somado ao fato de que apesar da queda no ranking global do IPC, o Brasil ainda está à frente de muitos países, revela como correta a fala do juiz Sérgio Moro aos deputados. Desta forma, a afirmação de Moro está correta e recebe a carta Zap! do Truco no Congresso – projeto de fact-checking da Agência Pública, feito em parceria com o Congresso em Foco. Procurada, a assessoria da Justiça Federal no Paraná não se manifestou.

O juiz Sérgio Moro, que participou de audiência pública sobre projeto contra corrupção
O juiz Sérgio Moro, que participou de audiência pública sobre projeto contra corrupção. Foto: Lucio Bernardo Jr./Câmara dos Deputados

Mais recentes

Levy Fidelix exagera impostos em medicamentos

18 de julho de 2018 | por , e

Pré-candidato pelo PRTB também superestimou a concentração de renda no país e acertou valor da dívida pública

Projeto de lei que tramita na Câmara não cria novos municípios

11 de julho de 2018 | por

Imagem que circula no Facebook denuncia tentativa de criação de 400 novas cidades mas projeto de lei apenas regulamenta os requisitos necessários para plebiscitos locais

Carro incendiado em São Paulo não foi resposta à recusa de dinheiro com carimbo “Lula Livre”

9 de julho de 2018 | por

Segundo a PM, motivação para atear fogo ao carro é diferente ao que tem se espalhado nas redes sociais

Explore também

Exagerado, distorcido ou discutível

ECA e dosimetria de pena. Não é bem assim, Torgan!

21 de agosto de 2015 | por

“Há muitas coisas boas [no Estatuto da Criança e do Adolescente], eu confesso, e a elas sou favorável. Mas, na dosimetria de pena, ele é um desastre.” – Moroni Torgan (DEM-CE), deputado federal, no plenário, na quarta-feira (19)

Rio: área de risco

22 de junho de 2014

Empresas haitianas ficam fora da reconstrução do país

19 de janeiro de 2012 | por

Apesar das promessas, a grande maioria dos contratos para infraestrutura no país afetado por terremoto em 2010 vai para empresas americanas