Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Checamos a afirmação feita pelo indicado ao STF, de que usuários passaram a ser presos como pequenos traficantes

21 de fevereiro de 2017
O ministro da Justiça licenciado, Alexandre de Moraes, em sabatina.
O ministro da Justiça licenciado, Alexandre de Moraes, em sabatina. Foto: Pedro França/Agência Senado

“Infelizmente em 2006 a alteração legislativa ficou no meio do caminho. Ela despenalizou o usuário [de drogas], não descriminalizou. Isso ao invés de diminuir o número de prisões, passou a aumentar, porque se passou a tipificar o usuário que ficava naquela linha tênue entre usuário e pequeno traficante, aquele que vende para sustentar o seu vício.” – Alexandre de Moraes, indicado ao cargo de ministro do STF, durante sabatina realizada em 21 de fevereiro.

VerdadeiroA alteração legislativa aprovada em 2006 à qual o ministro da Justiça licenciado, Alexandre de Moraes, faz referência é a Lei nº 11.343, conhecida como Lei de Drogas, que endurece as penas para traficantes e estabelece que usuários devem ser submetidos a políticas de reinserção social. Moraes atribui a essa norma o aumento na população carcerária porque, segundo ele, o texto passa a tipificar como traficante o usuário que vende pequenas quantidades de droga para sustentar seu próprio vício.

De fato, o texto da lei é considerado vago por diversos especialistas. O professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Salo de Carvalho, em entrevista à revista Consultor Jurídico publicada em 20 de fevereiro, explica que a “a estrutura da Lei de Drogas acaba gerando vácuos de legalidade”. A organização Human Rights Watch considera, em seu relatório global divulgado em janeiro deste ano e relativo ao ano de 2016, que “sua linguagem vaga possibilita que usuários sejam processados como traficantes”.

O mesmo estudo independente conclui que “um fator chave para o drástico aumento da população carcerária no Brasil foi a Lei de Drogas de 2006, que aumentou as penas para traficantes”, o que corrobora a tese de Moraes de que o número de prisões passou a aumentar após a aprovação da lei. O relatório da organização aponta que, em 2005, 9% dos presos haviam sido detidos por crimes associados às drogas. Em 2014, eram 28%, e, entre as mulheres, 64%. Os números indicados pela ONG foram extraídos do último Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias, de junho de 2014, elaborado pelo Ministério da Justiça.

O Truco – projeto de checagem da Agência Pública – verificou a frase de Alexandre de Moraes e concluiu que estudos de organizações não governamentais e números oficiais provam que, de fato, a aprovação da Lei de Drogas de 2006 culminou no aumento do número de prisões relacionadas ao tráfico de drogas. Portanto, o Truco confere à frase o selo “Verdadeiro”, já que a análise dos dados e de outras fontes mostra que a afirmação está correta.

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

A presidente Dilma Rousseff (PT)

Checamos 12 argumentos pró e contra o impeachment

14 de abril de 2016 | por e

Verificamos frases ditas na comissão especial da Câmara pelos juristas Miguel Reale Júnior e Janaína Paschoal, autores do pedido, e pelo ministro da Advocacia-Geral da União, José Eduardo Cardozo, encarregado da defesa da presidente Dilma

Inflação de dois dígitos: Blefe, Cristovam Buarque!

11 de setembro de 2015 | por

“Está se esgotando, sim, outro pilar desses últimos 20 anos, que é a estabilidade monetária. Vamos ter dois dígitos de inflação provavelmente.” – Cristovam Buarque (PDT-DF), senador, no plenário, na quarta-feira (9)

Sessão em homenagem ao aniversário de 50 anos do PMDB

Blefes e meias-verdades na festa do PMDB

1 de abril de 2016 | por e

Na quarta-feira (30), um dia depois de romper com o governo, partido promoveu sessão solene na Câmara para celebrar seu aniversário de 50 anos; checamos quatro frases ditas na comemoração

Mais recentes

Vídeo falso diz que eleições de 2014 foram fraudadas

27 de outubro de 2018 | por

Vídeo de suplente de deputada coloca em dúvida eleições de 2014 com dados irreais e um "especialista" não identificado

Em economia, Bolsonaro cita dados falsos e Haddad subestima e acerta

26 de outubro de 2018 | por , e

Em 4 frases checadas, presidenciável do PSL usou informações falsas; já Haddad citou número inferior ao real e fez uma afirmação correta

Alunos da rede pública de ensino do Distrito Federal realizam atividades: candidatos têm propostas distintas para a área

Haddad exagera e Bolsonaro erra em frases sobre educação

26 de outubro de 2018 | por e

Números foram superestimados por candidato do PT, enquanto presidenciável do PSL citou informações falsas

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar