Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Ex-senadora acusou os três partidos de se juntarem para aprovar anistia ao caixa 2 e a lei do abuso de autoridade

16 de maio de 2017
A ex-senadora e ambientalista, Marina Silva, durante sessão solene no plenário da Câmara dos Deputados
A ex-senadora e ambientalista, Marina Silva, durante sessão solene no plenário da Câmara dos Deputados (Foto: Geraldo Magela/Agência Senado)

“Nunca pensei em ver PT, PMDB e PSDB juntos tentando aprovar a questão do abuso de autoridade, a anistia ao caixa 2.” – Marina Silva (Rede), ex-senadora, em entrevista publicada em 8 de maio.

ExageradoA ex-senadora Marina Silva (Rede) declarou, em entrevista recente, que PT, PSDB e PMDB atuaram conjuntamente para aprovar o projeto que modifica a lei dos crimes de abuso de autoridade e para viabilizar a anistia ao caixa 2 em campanhas eleitorais. O Truco – projeto de checagem de fatos da Agência Pública – analisou a fala de Marina e concluiu que ela é exagerada.

Questionamos a assessoria da ex-ministra sobre a origem das informações citadas. Alguns links foram indicados como fontes da afirmação sobre o caixa 2: reportagens dos portais Estadão, G1 e Valor Econômico. Em relação à questão do abuso de autoridade, recebemos como resposta a lista de votação do substitutivo ao Projeto de Lei do Senado (PLS) 85/2017, que dispõe sobre o assunto.

O substitutivo ao PLS 85/2017 foi aprovado no Senado por 54 votos a 19 no dia 26 de abril – em seguida, foi enviado à Câmara dos Deputados, onde será novamente apreciado. A matéria permite que juízes, promotores e procuradores sejam punidos por crimes de abuso de autoridade, o que, na visão dos críticos, abre brechas para que tais agentes públicos sejam intimidados e tenham sua atuação cerceada. A maior preocupação é de que a Operação Lava Jato e outras operações focadas em investigar esquemas de corrupção que envolvam empresários, políticos e autoridades sejam prejudicadas, caso a proposta vire lei.

De acordo as informações disponíveis no site do Senado, senadores do PT, PSDB e PMDB votaram a favor do PLS. No entanto, alguns dos parlamentares dos três partidos se posicionaram de maneira contrária a ele – Ricardo Ferraço, Eduardo Amorim e Ataídes Oliveira, do PSDB; Paulo Paim, do PT; e Simone Tebet e Waldemir Moka, do PMDB. Por isso, é exagerado dizer que as legendas “se juntaram” e fecharam questão para aprovar o projeto.

É importante lembrar que o crime de abuso de autoridade está previsto também no PL 4.850/2016, proveniente das dez medidas contra a corrupção, uma proposta de iniciativa popular encampada pelo Ministério Público Federal e levada à Câmara dos Deputados com o apoio de cerca de 2 milhões de assinaturas. O projeto foi aprovado pela Câmara em 30 de novembro de 2016 e, no momento, tramita no Senado (PLC 27/2017).

O “pacote anticorrupção” originário das dez medidas traz ainda a discussão sobre o caixa 2. Nesse caso, não houve como barrar sua criminalização, incluída na versão final do PL. A questão é debatida também na Comissão Especial da Câmara que analisa a reforma política, criada em outubro de 2016 e presidida pelo deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA). Segundo reportagem da Folha de S.Paulo publicada em abril, o relator Vicente Cândido (PT-SP) teria desistido de incluir na reforma a tipificação específica do crime de caixa 2, após reunião com parlamentares e o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Entretanto, como as discussões ainda estão em andamento e não há relatório final, é impossível garantir que isso acontecerá ou afirmar que há conluio de determinados partidos para que a movimentação de recursos eleitorais sem conhecimento da Justiça seja anistiada.

Os dados mostram que Marina Silva exagerou nos dois casos. Na votação do projeto que modifica as regras para a punição do abuso de autoridade, alguns senadores do PT, PMDB e PSDB posicionaram-se contra a proposta. Já em relação à anistia do caixa 2, por ora não há fatos concretos que assegurem sua aprovação ou que tenha sido firmado um acordo para isso.

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

Álvaro Dias, do Podemos, em entrevista à EBC: vigilância da fronteira foi um dos temas abordados pelo candidato

Sistema do Exército monitora só 3,89% da fronteira seca

26 de setembro de 2018 | por

Álvaro Dias, do Podemos, criticou a cobertura do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras, mas área é ainda menor do que a citada pelo candidato

Projeto de lei que tramita na Câmara não cria novos municípios

11 de julho de 2018 | por

Imagem que circula no Facebook denuncia tentativa de criação de 400 novas cidades mas projeto de lei apenas regulamenta os requisitos necessários para plebiscitos locais

O presidenciável Jair Bolsonaro, durante o debate da TV Bandeirantes, em 9 de agosto

Pesquisa falsa coloca Bolsonaro com 52% e Haddad, com 48%

23 de outubro de 2018 | por

Texto diz que números vêm de levantamento interno encomendado pelo banco BTG Pactual, mas instituição não produz esse tipo de análise

Mais recentes

Vídeo falso diz que eleições de 2014 foram fraudadas

27 de outubro de 2018 | por

Vídeo de suplente de deputada coloca em dúvida eleições de 2014 com dados irreais e um "especialista" não identificado

Em economia, Bolsonaro cita dados falsos e Haddad subestima e acerta

26 de outubro de 2018 | por , e

Em 4 frases checadas, presidenciável do PSL usou informações falsas; já Haddad citou número inferior ao real e fez uma afirmação correta

Alunos da rede pública de ensino do Distrito Federal realizam atividades: candidatos têm propostas distintas para a área

Haddad exagera e Bolsonaro erra em frases sobre educação

26 de outubro de 2018 | por e

Números foram superestimados por candidato do PT, enquanto presidenciável do PSL citou informações falsas

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar