Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Estimativa do valor pago usa números desatualizados em cálculo sobre o benefício

8 de março de 2018
09:00
As regras do auxílio-moradia pago a juízes serão analisadas pelo STF em 22 de março

“Faça as contas: são 16.429 juízes em todo o Brasil e 12.262 integrantes do Ministério Público. Com um auxílio-moradia desses, o custo para o orçamento público possivelmente é de R$ 1,5 bilhão ao ano e de R$ 125 milhões ao mês.” – Jonathas Oliveira, autor de um abaixo-assinado do site Change.org

FalsoO pagamento de auxílio-moradia para membros do Judiciário, integrantes do Ministério Público (MP), autoridades e funcionários públicos tem mobilizado pessoas contrárias ao benefício na internet. Os críticos afirmam que o recebimento desse adicional onera os cofres públicos de maneira injusta, por ser direcionado a pessoas que ganham salários altos em relação à maioria dos trabalhadores do país e que muitas vezes têm imóvel na cidade onde vivem. A questão será analisada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no dia 22 de março.

Um abaixo-assinado no site Change.org pede o fim do benefício e conseguiu o apoio de 255 mil pessoas no início de março. O Truco – projeto de checagem da Agência Pública ­– verificou uma das frases do texto, que estima o custo do auxílio-moradia para juízes e membros do MP em R$ 1,5 bilhão por ano ou R$ 125 milhões por mês. O dado, contudo, é falso.

O adicional está previsto na Lei Orgânica da Magistratura Nacional, que garante ajuda de custo para moradia nas localidades onde o magistrado não tem imóvel próprio. Além disso, a lei prevê outras ajudas de custo para despesas com transporte e salário-família, por exemplo.

A reportagem procurou por Jonathas Oliveira, autor do abaixo-assinado, para solicitar a fonte da informação usada. Foi enviado um e-mail ao Change.org, pedindo os dados de Oliveira para que ele pudesse ser questionado. A equipe do site informou que o autor da petição “pediu para não repassar o contato a jornalistas”.

Há uma série de problemas no cálculo feito no abaixo-assinado. O primeiro deles está no valor que serviu de base para essa estimativa. O limite de R$ 4.377,73 para o auxílio-moradia foi estabelecido pelo STF e também por meio de Resolução n° 117/2014 do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). De acordo com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), alguns tribunais pagam valores diferentes, que podem ser mais altos ou mais baixos do que o definido.

Já a quantidade de juízes e representantes do MP é maior do que a citada na frase. O Brasil tinha, segundo o levantamento “Justiça em Números – 2017”, do CNJ, 18.011 magistrados em 2016 – não 16.429. De acordo com as informações da publicação “Ministério Público – Um Retrato – 2017”, elaborada pelo CNMP, o órgão contava com 13.087 membros em 2016 – em vez de 12.262.

Multiplicando-se o valor do auxílio-moradia pelo número de magistrados e integrantes do MP, o benefício custaria R$ 136.138.647,54 por mês e ficaria em R$ 1.633.663.770,48 por ano. Os dois valores são superiores aos citados no abaixo-assinado. Contudo, esse é um dado dinâmico, porque há magistrados e servidores que optam por não receber o benefício e o valor pode variar. Logo, essa conta não mostra o custo real do auxílio-moradia aos cofres públicos.

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Mais recentes

Vídeo falso diz que eleições de 2014 foram fraudadas

27 de outubro de 2018 | por

Vídeo de suplente de deputada coloca em dúvida eleições de 2014 com dados irreais e um "especialista" não identificado

Em economia, Bolsonaro cita dados falsos e Haddad subestima e acerta

26 de outubro de 2018 | por , e

Em 4 frases checadas, presidenciável do PSL usou informações falsas; já Haddad citou número inferior ao real e fez uma afirmação correta

Alunos da rede pública de ensino do Distrito Federal realizam atividades: candidatos têm propostas distintas para a área

Haddad exagera e Bolsonaro erra em frases sobre educação

26 de outubro de 2018 | por e

Números foram superestimados por candidato do PT, enquanto presidenciável do PSL citou informações falsas