Agência de Jornalismo Investigativo

Imagem atribui fonte dos dados ao IBGE, mas usa números de levantamentos diferentes e que não podem ser confrontados

20 de abril de 2018
Reprodução
Corrente erra ao confrontar dados de desocupação de governos FHC, Lula, Dilma e Temer
Corrente erra ao confrontar dados de desocupação de governos FHC, Lula, Dilma e Temer

“Desemprego:
2002 (FHC): 10,5%
2010 (Lula): 5,3%
2014 (Dilma): 4,3%
2016 (golpe): 10,2%
2017 (Temer): 13,7%
Dados do IBGE” – Texto de imagem que circula em posts no Facebook, de autoria desconhecida.

FalsoCom a aproximação da campanha eleitoral, passaram a circular pelas redes sociais números sobre as taxas de desemprego nos mandatos dos presidentes Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB). Os valores são usados para tentar mostrar qual governo tinha mais pessoas desocupadas e, com isso, defender um determinado candidato ou partido. Uma dessas publicações é uma imagem que traz dados entre 2002 e 2017, apontando Temer como o presidente com maior taxa de desemprego. A foto atribui a fonte dos números ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mas a comparação é falsa.

O problema das informações citadas pela corrente está no fato de uma parte delas não poder ser comparada. Os dados do final dos governos Fernando Henrique (10,5% em dezembro de 2002) e Lula (5,3% em dezembro de 2010) e do final do primeiro mandato de Dilma (4,3% em dezembro de 2014) estão corretos e foram extraídos da Pesquisa Mensal do Emprego, feita pelo IBGE. O levantamento verificava a desocupação em seis regiões metropolitanas – São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Salvador (BA), Recife (PE) e Porto Alegre (RS) – com visitas em 44 mil domicílios.

Esses números mostram que a taxa de desocupação caiu 59% entre dezembro de 2002 e dezembro de 2014. Ou seja, o desemprego foi bem menor tanto no final do segundo mandato de Lula como no do primeiro mandato de Dilma, quando comparado ao final do governo do tucano. Esses dados, no entanto, não podem ser confrontados com os de 2016 e 2017 que aparecem na imagem. Isso porque a Pesquisa Mensal do Emprego foi descontinuada em fevereiro de 2016 e a taxa de desocupação passou a ser calculada pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, que adota uma metodologia diferente. Os outros dois números foram extraídos dela.

Feita a cada trimestre, a Pnad Contínua é produzida a partir de visitas a 210 mil domicílios em 3.500 municípios de todas as 27 unidades da Federação. É uma amostra muito maior e mais abrangente. Para verificar a taxa mensal nos períodos entre as pesquisas, o IBGE combina dados da coleta anterior com os da atual, mantendo sempre fixo o período de três meses para a análise. Um estudo feito por técnicos do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que o valor das taxas de desocupação tende a ficar em um patamar mais alto na Pnad Contínua em relação à Pesquisa Mensal do Emprego, embora a tendência se mantenha.

O porcentual de 10,2% de desocupação atribuído ao período do impeachment de Dilma é um número, na verdade, referente ao trimestre de dezembro-janeiro-fevereiro de 2016 – portanto, mais favorável à petista do que os posteriores. Na verdade, o afastamento da presidente ocorreu em maio daquele ano. De acordo com a Pnad Contínua, a taxa de desocupação em março-abril-maio foi maior e ficou em 11,2%. Já o índice de 13,7%, registrado no governo Temer em janeiro-fevereiro-março de 2017, foi o pior da série histórica e, por isso mesmo, o mais desfavorável até agora para o emedebista. A taxa caiu a 11,8% em outubro-novembro-dezembro de 2017 e voltou a subir em seguida, atingindo 12,6% em dezembro-janeiro-fevereiro de 2018.

Com base nos dados da Pnad Contínua, é possível dizer que a taxa de desocupação começou a aumentar no segundo mandato de Dilma e manteve-se alta no governo Temer. Mas é errado usar esses números misturados aos da Pesquisa Mensal do Emprego e, consequentemente, aos do final dos governos Lula e Fernando Henrique e ao final do primeiro mandato de Dilma. Esses dois conjuntos de índices adotam metodologias distintas e não podem ser comparados entre si.

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Mais recentes

Deputado Jair Bolsonaro fala com a imprensa sobre ter virado réu no STF, pela sua declaração que "Não estupraria Maria do Rosário porque ela não merece"

Haddad não criou o ‘kit gay’

11 de outubro de 2018 | por

Jair Bolsonaro (PSL) acusa adversário de ter sido responsável pela idealização de material escolar contra homofobia, mas iniciativa surgiu do Legislativo

Paulo Maluf, na época em que era deputado federal: político perdeu várias eleições em SP

Haddad erra histórico eleitoral de Paulo Maluf

10 de outubro de 2018 | por

Político não teve mais de 45% dos votos no 1º turno em duas eleições e perdeu várias disputas em São Paulo – quando ultrapassou esse porcentual, ganhou no 2º turno

Mensagem falsa diz que Haddad autorizou livro infantil que trata de incesto

9 de outubro de 2018 | por

Obra foi avaliada pelo governo e distribuída em escolas públicas quando o candidato do PT não era mais ministro da Educação

Truco!

Márcio França subestima número de presos de SP em 1998

15 de outubro de 2018

Ao falar sobre aumento da população carcerária em 20 anos, governador desconsiderou pessoas que estavam detidas em carceragens

Não há apoio firmado entre Márcio Miranda e Bolsonaro

15 de outubro de 2018

Apesar de imagens sugerirem aproximação entre Márcio Miranda e Jair Bolsonaro, não há apoio oficial entre os candidatos do DEM e do PSL

Rombo na previdência equivale a 30% da receita do RS

15 de outubro de 2018

Após resultado do primeiro turno, o atual governador gaúcho, José Ivo Sartori (MDB), reafirmou compromisso com o equilíbrio das contas públicas – e citou dado correto sobre o saldo negativo no plano de aposentadoria de servidores, que chegou a R$ 10 bilhões em 2017

Explore também

Alerta! Perigo!

João Campos e igrejas no STF. Que medo!

6 de novembro de 2015 | por

“Faz-se necessário garantir a todas as associações religiosas de caráter nacional o direito de promover ações para o controle de constitucionalidade de leis ou atos normativos”, disse João Campos (PSDB-GO), deputado federal, na quinta-feira (5)

O senador Álvaro Dias (Podemos), candidato à Presidência, criticou a queda nos investimentos públicos em seu plano de governo

Álvaro Dias acerta ao falar sobre queda dos investimentos

23 de agosto de 2018 | por

Taxa em relação ao PIB foi de 20,9% em 2013 para 15,6% em 2017, menor valor registrado pela série histórica do IBGE

Afif usa dado falso e número sem contexto sobre empresas

21 de junho de 2018 | por , e

Ex-presidente do Sebrae também erra número de imóveis da União com particulares e acerta falta de lei de aprendizado para micro e pequenas empresas