Agência de Jornalismo Investigativo

Ex-presidente da Petrobras não era da equipe econômica do governo Collor, nem fazia parte de Ministério de Minas e Energia na crise do apagão de FHC

6 de junho de 2018
Tânia Rêgo/Agência Brasil
O ex-presidente da Petrobras, Pedro Parente, que se demitiu depois da crise dos combustíveis
O ex-presidente da Petrobras, Pedro Parente, que se demitiu depois da crise dos combustíveis

“… Só acho estranho que quando houve a hiperinflação no governo Sarney, Parente estava no Banco Central!!!! Quando Collor confiscou a poupança, Parente estava no Ministério da Fazenda!!! Quando estourou a Dívida Externa com Itamar, Parente estava no FMI!!!! Quando houve o apagão com FHC, Parente estava no Ministério das Minas e Energia!!! Agora que faltou gasolina, Parente está na Petrobras!!!” – Mensagem de WhatsApp que tem sido reproduzida nas redes sociais, sobre a trajetória de Pedro Parente.

Pedro Parente pediu demissão da presidência da Petrobras em 1º de junho. Ele ocupava o cargo desde maio de 2016, quando substituiu Aldemir Bendine. Durante sua gestão, o executivo implantou uma nova política de preços de combustíveis, com reajustes definidos de acordo com o mercado e a variação do câmbio internacional. Com Dilma Rousseff (PT), o governo usava o seu poder para definir os reajustes, como parte da política econômica. Parente deixou a empresa quando o governo interferiu na política de preços devido à greve dos caminhoneiros, que reivindicavam diminuição do preço do diesel.

Após a demissão, passou a circular nas redes sociais um print de uma mensagem de WhatsApp que associa a trajetória profissional de Parente a crises econômicas e políticas do Brasil. A imagem foi postada no Facebook pela página Jornalistas Livres, por exemplo, e teve mais de 1,8 mil compartilhamentos. O Truco – projeto de fact-checking da Agência Pública – analisou as afirmações contidas no texto e concluiu que, em sua maior parte, são falsas.


“… Só acho estranho que quando houve a hiperinflação no governo Sarney, Parente estava no Banco Central!!!”

FalsoConforme publicado pelo Centro de Pesquisa e Documentação da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o ex-presidente da Petrobras ocupa cargos públicos desde os seus 18 anos, quando entrou no Banco do Brasil por meio de um concurso público, em 1971. Dois anos depois, foi para o Banco Central, ainda antes de se graduar em engenharia eletrônica, o que só aconteceu em 1976. Lá, ele trabalhou na área de administração financeira até 1984.

A mensagem do WhatsApp afirma que, quando houve hiperinflação no governo Sarney (1985-1990), Parente estava no Banco Central. Entretanto, ele já havia saído da instituição. Durante a presidência de Sarney, Parente ocupou diferentes cargos em ministérios, mas não foi ministro. Foi secretário-geral adjunto do Ministério da Fazenda, de 1985 a 1986. De 1987 a 1988, foi secretário-adjunto, secretário de Programação Financeira e secretário de Informática, na Secretaria do Tesouro Nacional. E ainda foi secretário de Orçamento e Finanças da Secretaria de Planejamento, com status de ministério, de 1989 a 1990.  

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a inflação anual pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) caiu de 1985 (242,23%) para 1986 (79,66%), mas passou a subir nos anos seguintes. Atingiu 363,41% em 1987, 980,21% em 1988 e passou a 1.972,91% em 1989. Em nenhum desses anos Parente ocupou cargos em que pudesse atuar como definidor da política econômica. Logo, a frase é falsa.


“Quando Collor confiscou a poupança, Parente estava no Ministério da Fazenda!!!”

FalsoA segunda afirmação da mensagem também é falsa. Durante a presidência de Fernando Collor de Mello, de 1990 a 1992, a inflação continuou subindo. Em uma tentativa fracassada de controlar o problema, o governo lançou o chamado Plano Collor, realizado ainda em 1990, e promoveu o confisco de cadernetas de poupança dos brasileiros. O projeto foi elaborado pelo Ministério da Economia, Fazenda e Planejamento, liderado pela ministra Zélia Cardoso de Mello; pelo Banco Central; e pela Presidência da República.

Na época, Parente não fazia parte do ministério, ao contrário do que a mensagem de WhatsApp diz. Em 1990, ele havia se tornado presidente do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro). Só em maio de 1991 o ex-presidente da Petrobras assumiu a Secretaria de Planejamento do Ministério de Economia, na gestão de Marcílio Marques Moreira. Parente ficou no cargo até 1992 e participou da elaboração do orçamento da União nesse período.


“Quando estourou a dívida externa com Itamar, Parente estava no FMI!!!”

VerdadeiroDe 1993 a 1994, durante o governo de Itamar Franco (PMDB), Parente realmente foi consultor externo do Fundo Monetário Internacional (FMI). Nessa época, a inflação ainda estava alta e o Brasil acumulava grande dívida externa do governo Collor. Em 1987, Sarney havia decidido suspender o pagamento de juros a credores estrangeiros, conforme registrado no livro Dívida Externa Brasileira, do Banco Central. Isso se repetiu em 1989. A solução encontrada foi a formulação do chamado Plano Real, que criou uma nova moeda no Brasil, valorizada no mercado internacional – o real –, além da reformulação da política de crédito internacional brasileira, incentivando os investimentos estrangeiros.  

Parente não fez parte da formulação desse plano e também não pode ser responsabilizado pela alta dívida externa pública na época, apesar de estar no FMI. O país acumulava dívidas externas de anos anteriores. A dívida pública tem diversos componentes. O principal deles são os títulos públicos, emitidos para cobrir o déficit orçamentário do governo federal. No governo Itamar, esses títulos podiam ser comprados através da Reserva Brasileira Internacional, ou por fundos monetários ou bancos internacionais, como é o caso do FMI, do Banco Mundial e do Banco Interamericano de Desenvolvimento. Assim, o FMI não era necessariamente responsável pela alta da dívida externa brasileira na época, como sugere a mensagem.


“Quando houve o apagão com FHC, Parente estava no Ministério das Minas e Energia!!!”

FalsoA corrente também diz que o ex-presidente da Petrobras estava no Ministério das Minas e Energia durante a crise do apagão ocorrida no governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Na época, devido à seca e ao baixo investimento na geração e transmissão de energia, o país foi obrigado a fazer um racionamento de eletricidade, para evitar o colapso do sistema. A medida vigorou de maio de 2001 a fevereiro de 2002. O governo determinou redução de 20% do consumo. Quem não reduzisse a conta poderia ser sobretaxado ou ter a energia cortada.

No entanto, Parente não estava no ministério na época. Ele chefiava a Casa Civil desde 1999 e foi chamado em 2001 para coordenar um gabinete para tratar da crise, a Câmara de Gestão da Crise de Energia Elétrica, também conhecida como “Ministério do Apagão”. Ele coordenou a câmara ao mesmo tempo em que chefiava a Casa Civil. Portanto ao contrário de causar a crise, ele foi chamado para solucioná-la.


“Agora que faltou gasolina, Parente está na Petrobras.”

VerdadeiroA segunda parte da mensagem de WhatsApp que está correta é sobre o cargo de Parente durante a greve dos caminhoneiros, que gerou falta de combustível em diversos estados. Ele de fato era presidente da Petrobras na época, e a política de preços que implantou está associada ao aumento de preço do diesel, que deflagrou a greve.

Como ele próprio disse em sua carta de demissão, “movimentos na cotação do petróleo e do câmbio elevaram os preços dos derivados, magnificaram as distorções de tributação no setor e levaram o governo a buscar alternativas para a solução da greve”. No texto, ele atribui sua saída às críticas à política de reajustes adotada. Também pede ao presidente Michel Temer (PMDB) para que evite fazer interferências políticas no destino da companhia.

 

 

Reprodução
Mensagem associa Pedro Parente a crises
Mensagem associa Pedro Parente a crises

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 96488-5119. Acompanhe também no Twitter e no Facebook.

Mais recentes

Rodrigo Maia usa dados sem contexto sobre educação

15 de junho de 2018 | por , e

Presidenciável acerta número sobre pessoas em pobreza extrema no Nordeste, mas erra quantidade de crianças em creches

Imagem falsa diz que só três países têm voto eletrônico

12 de junho de 2018 | por

Montagem denuncia que apenas Brasil, Cuba e Venezuela adotam sistema, mas uso de tecnologia em eleições nacionais ocorre em 23 lugares do mundo

Aldo Rebelo usa dados falsos sobre golpe de 64, Copa e Amazônia

8 de junho de 2018 | por , e

Presidenciável também errou ao falar sobre apoio ao Código Florestal e distorceu informações sobre safra agrícola e preservação ambiental

Explore também

O deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) no Conselho de Etica

| De olho | Caso Cunha entra na reta final

5 de junho de 2016 | por

Votação do relatório contra o deputado afastado deve ocorrer nesta terça; senadores também definem o cronograma do impeachment

O maior mistério da Olimpíada

30 de Maio de 2016 | por

Seis vigas de aço pesando 110 toneladas simplesmente desapareceram em meio às obras para o Porto Maravilha. Nosso repórter foi atrás dessa história e da fracassada investigação policial

As conversas da embaixada com a ministra Dilma

27 de junho de 2011 | por

Documentos detalham encontros de Rousseff com diplomatas quando era ministra Minas e Energia para discutir o marco regulatório da energia elétrica