Agência de Jornalismo Investigativo

Os cientistas que pesquisam e monitoram o aquecimento global não tem dúvidas: as mudanças climáticas provocadas pela ação humana já estão a todo vapor e só podem ser minoradas com uma mudança radical na nossa relação com o planeta. É tarefa urgente reduzir as emissões de gases estufa e proteger os recursos naturais dos quais depende a renovação da vida, cada vez mais ameaçada pela elevação de temperaturas.

No Brasil, isso significa priorizar, proteger e aprender com as comunidades que vivem na maior floresta tropical do mundo, a Amazônia, no berço de nossas águas, o Cerrado, na região costeira, na Caatinga. São elas que garantem a preservação da biodiversidade desses biomas e também as mais atingidas pelo desmatamento, principal fonte de emissões de carbono no país, seguida pela agropecuária. 

O projeto Emergência Climática tem como foco a investigação jornalística das violações socioambientais decorrentes das atividades emissoras de carbono – da pecuária à geração de energia – bem como dos projetos de infraestrutura a elas associados – e a responsabilidade de empresas e governos. Também serão investigadas as falhas e equívocos de políticas públicas, a impunidade, os lobbies das corporações, o crime organizado, a exploração predatória, a pobreza e a fome que atingem as vidas das comunidades tradicionais, principais protagonistas dessa cobertura. 

Neste especial

Mais recentes

Garimpo ilegal utilizou base da Funai que deveria proteger Yanomami, mostra ofício inédito

27 de janeiro de 2023 | por

Documento de 2021 cita helicópteros clandestinos, homens armados e garimpo utilizando estrutura do governo dentro da TI

Gravações colocam governador do MT sob suspeita de tramar contra jornalista

26 de janeiro de 2023 | por

Infiltrado no esquema, repórter denunciou intenção de atingir o colega, Alexandre Aprá, que desagradava governador

Primeiras imagens do STF mostram facilidade de bolsonaristas na invasão ao Tribunal

25 de janeiro de 2023 | por

Policiais não barraram acesso de grupos golpistas; Polícia Judicial deixou vulnerável prédio principal