Agência de Jornalismo Investigativo

Tag: índios

Conteúdo mais recente

Quanto vale um rio?

5 de dezembro de 2017 | por e

Cercados por minas da Vale desde a ditadura, os Xikrin enfrentam agora a extração de níquel a 3 km da aldeia e a presença de metais pesados no Cateté

Na terra dos Arara

7 de novembro de 2017

Nos tribunais, os Xikrin estão vencendo a Vale

23 de outubro de 2017 | por

Xikrin do Cateté paralisam a produção de níquel no Pará e aguardam indenização por danos causados pela operação da mina de Onça Puma; laudo aponta contaminação do rio que é o centro da vida nas aldeias

Desde a ditadura, “é o pior momento da história indígena”, diz Sônia Guajajara

26 de setembro de 2017 | por

Mesmo com o fim da Renca outros projetos em tramitação no Congresso querem limitar os direitos indígenas

A lama da Samarco matou o “Watu” dos índios Krenak

25 de abril de 2017

Indígenas do norte de Minas Gerais não podem mais pescar ou caçar na região do Rio Doce. Ouça nesse podcast

Watu Morreu

22 de abril de 2017 | por e

Para os índios Krenak que vivem às margens do rio Doce, a lama proveniente da mina da Samarco trouxe o fim da pesca e da caça e o ocaso de um estilo de vida. A empresa não responde se há salvação para aquelas águas

Documentos da Cruz Vermelha revelam massacre de indígenas na ditadura

24 de outubro de 2016 | por

Trabalhos forçados, miséria e doenças levaram povos "à beira do extermínio" na década de 1970, registram informes confidenciais do Comitê Internacional da entidade

Diplomata americana fala de encontros com Jucá

23 de maio de 2016 | por

Em telegramas vazados pelo Wikileaks, Lisa Kubiske cita Jucá como “fonte” da embaixada dos EUA e diz que ele reclamava de “fraqueza” de candidatura de Dilma

No Pará, indígenas lutam contra Vale

12 de junho de 2015 | por

Submetidos a trabalho escravo na ditadura, os Parkatêjê venceram luta por autonomia e agora travam batalha com contra duplicação de ferrovia da mineradora

Especial Tapajós

12 de fevereiro de 2015 | por , , e

“O Tapajós, no Pará, realmente é um rio mágico. Cheio de nuances, contrastes, luzes e cores. À primeira vista, águas calmas que correm sempre em frente; depois de 25 dias de imersão se sobrepõem as corredeiras, cachoeiras, banzeiros, redemunhos, espocos e rebojos. (…)” Com 810 km de comprimento, o rio Tapajós se tornou um ponto …

Um aviso à Funai

29 de novembro de 2014 | por e

De Itaituba (PA) acompanhamos a ocupação dos Munduruku à sede da Funai. Eles exigem a demarcação das suas terras, ameaçadas pela UHE São Luiz do Tapajós