IDH no Marajó: Paulo Rocha acerta ao dizer que os municípios da região têm os piores índices do Brasil

Dos 16 municípios marajoaras, 14 deles estão nas últimas posições no ranking do IDH no Brasil

Desenvolvimento Pará pobreza

Guilherme Guerreiro Neto, Moises Sarraf, Ercilia Wanzeler
2 minutos

“Vejam os municípios do Marajó, têm os piores índices de desenvolvimento humano do Brasil.”  Paulo Rocha (PT), em evento realizado na capital paraense.

O candidato Paulo Rocha (PT) falou sobre a situação socioeconômica dos municípios da região do Marajó, no Pará, no último dia 6, durante plenária organizada pelo Coletivo Popular Socialista, no bairro da Condor, em Belém. Listando os dados do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) para os 16 municípios que fazem parte da região administrativa do Marajó, o Truco nos Estados considera a declaração verdadeira. O Truco é o projeto de fact-checking da Agência Pública que, no Pará, é realizado em parceria com o portal Outros400.

Comunidade às margens do rio Laguna, zona rural de Melgaço, onde foram registradas 12 mortes por raiva humana este ano. Foto: Marcelo Lélis/Agência Pará.

De acordo com o Atlas de Desenvolvimento Humano do Brasil (com informações dos Censos de 1991, 2000 e 2010), os municípios do Marajó são destaque negativo na lista dos 5.565 municípios brasileiros. O Atlas agrega números do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) e outros 200 indicadores de demografia, educação, renda, trabalho, habitação e vulnerabilidade para os municípios brasileiros.

Os municípios de Afuá, Anajás, Bagre, Breves, Cachoeira do Arari, Chaves, Curralinho, Gurupá, Melgaço, Muaná, Ponta de Pedras, Portel, Santa Cruz do Arari e São Sebastião da Boa Vista figuram entre as piores colocações do ranking. Apenas os municípios de Salvaterra e Soure ocupam uma posição mediana. O município de Melgaço está em último lugar na lista, na 5565° colocação.

Outras realidades

Para o historiador Agenor Sarraf Pacheco, doutor em História Social e professor da Universidade Federal do Pará, os indicadores não são suficientes para abarcar a realidade da região. “Para entender a realidade marajoara, é preciso avaliar fatores internos e externos. Os índices são universalizantes, não levam em conta a diversidade local, as especificidades de cada cidade, como modos de vida, tradições e saberes”, afirma. Para ele, o caso de Melgaço aponta uma contradição, já que “o município tem longevidade alta, mas baixos índices de educação e renda”. A solução, diz o historiador, seria a presença de “políticas públicas, com competência técnica, mas, acima de tudo, sensibilidade humana e cultural para serem implantadas”.

Temer não fechou a base flutuante em Óbidos e a Polícia Federal ainda atua no município
Márcio Miranda - DEM
Temer não fechou a base flutuante em Óbidos e a Polícia Federal ainda atua no município

Entreposto logístico na região amazônica, Óbidos teve a atuação da PF reduzida com o fechamento da base flutuante de Candiru. Ainda assim, a polícia possui contingente no município.

Falso, Helder: não houve impedimento ambiental para içar navio naufragado em Barcarena
Helder Barbalho - MDB
Falso, Helder: não houve impedimento ambiental para içar navio naufragado em Barcarena

Navio Haidar que naugrafou com quase 5 mil bois aguarda andamento da licitação para ser retirado do fundo do rio Pará, no porto de Vila do Conde

Márcio Miranda diz que até 3 mil caminhões cruzam Belém diariamente, mas órgãos de trânsito não confirmam o dado
Márcio Miranda - DEM
Márcio Miranda diz que até 3 mil caminhões cruzam Belém diariamente, mas órgãos de trânsito não confirmam o dado

Em entrevista à rádio Unama FM, o candidato usou a circulação de caminhões na capital paraense para justificar a implantação de um projeto logístico na cidade

PA Candidatos - Pará