Não é bem assim, Lóssio. Mulheres só foram maioria em 8,3% da sua gestão

Verificamos que, dos 96 meses (oito anos) em que o candidato da Rede esteve à frente do município de Petrolina, só os oito meses finais tiveram mais da metade das secretarias com comando feminino

Sabatina do Programa Fora da Curva Gestão pública

Helena Dias
2 minutos

“Nós teremos metade das nossas secretárias mulheres (…) Eu fiz isso quando prefeito (Petrolina)” – Julio Lóssio em entrevista ao programa Fora da Curva, da Rádio Universitária, no dia 12 de setembro

Ao debater gestão pública durante sabatina no programa Fora da Curva, o candidato ao governo do estado pela Rede, Julio Lóssio, declarou que metade do seu secretariado seria composto por mulheres, caso eleito. Para embasar a promessa, Lóssio afirmou que na sua gestão como prefeito de Petrolina (2009-2016), havia tomado a mesma medida administrativa relacionada à paridade de gênero. O Truco nos Estados – projeto de fact-checking da Agência Pública feito em Pernambuco, em parceria com a Marco Zero Conteúdo checou a frase do postulante e atribuiu o selo “Sem contexto”.

Os nomes dos secretários e secretárias de governo foram pesquisados no Diário Oficial e documentos da prefeitura de Petrolina. A busca mostrou que, dos 96 meses (oito anos) em que Lóssio esteve à frente do município, só os oito meses finais tiveram mais da metade das secretarias geridas por mulheres. Esse período representa apenas 8,3% do tempo total da gestão.

No começo, só uma mulher

Na escolha dos secretários do primeiro mandato, em 2009, apenas uma mulher – Teresa Carvalho na pasta de Ação Social – comandou uma das sete secretarias disponíveis. No segundo mandato, iniciado em 2014, o secretariado cresceu para nove pastas, com duas sendo geridas por mulheres. Mesmo com as nomeações de Lúcia Giesta (Saúde) e Célia Regina (Cidadania), o primeiro escalão de Petrolina passou a ter pouco mais de 20% de participação feminina.

Em abril de 2016, Lóssio exonerou quatro secretários e duas secretárias de governo por conta das eleições municipais daquele ano. Para as vagas, seis mulheres foram nomeadas: Denise Gurgel (Governo), Mara Golçalves (Saúde), Gilmária Lacerda (Educação), Adinair Viana (Cidadania), Rosimári Ferreira (Cidade) e Angelina Bernardo (Finanças). Só então, a prefeitura de Petrolina teve mais da metade (seis de nove) de seu secretariado composto por mulheres. Foi justamente o espaço de tempo que o candidato recortou ao declarar que 50% do secretariado havia sido feminino.

Candidato responde

Em resposta ao selo atribuído na checagem, Julio Lóssio emitiu a seguinte declaração por meio da sua assessoria de imprensa: “A vida é aprendizado e eu fui aprendendo durante a minha gestão. Tínhamos muito mais que dez secretarias, mas fizemos um estudo e percebemos que dez são suficientes. Durante um importante período da nossa gestão, nós tivemos a maioria de secretárias mulheres, inclusive, uma secretária de infraestrutura, que é muito raro. Por isso, estamos assumindo esse compromisso de termos metade de nossas secretarias, que serão dez, lideradas por mulheres.”

Array ( [post_type] => post [posts_per_page] => 3 [post__not_in] => Array ( [0] => 2565 ) [meta_query] => Array ( [0] => Array ( [key] => estado [value] => 158 ) ) )
Desemprego no Brasil cresceu quando Armando era ministro, mas não foi o maior da história
Paulo Câmara - PSB
Desemprego no Brasil cresceu quando Armando era ministro, mas não foi o maior da história

Candidato do PTB comandou a pasta da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, entre janeiro de 2015 e maio de 2016, durante o governo de Dilma Rousseff

Danielle Portela erra ao falar sobre piso dos professores de Pernambuco
Danielle Portela - PSOL
Danielle Portela erra ao falar sobre piso dos professores de Pernambuco

A candidata do PSOL criticou o governo por não pagar o valor mínimo previsto de R$ 2.455,35 a todos os professores do estado, mas não levou em conta a questão contratual

Armando usa dado correto ao falar do cenário fiscal de Pernambuco
Armando Monteiro - PTB
Armando usa dado correto ao falar do cenário fiscal de Pernambuco

O estado deixou R$ 1,5 bilhão de restos a pagar em 2017, 23,5% a mais que em 2016

PE Candidatos - Pernambuco