Quando era PFL, o DEM integrou o governo do Pará com vice

Valéria Pires Franco foi o nome do DEM na chapa que fez Simão Jatene (PSDB) governador pela primeira vez, de 2003 a 2006

Debate TV Record Pará Política

Guilherme Guerreiro Neto, Jéssica Oliveira, Moises Sarraf
4 minutos

“O meu partido nunca governou o Pará”, Márcio Miranda (DEM), em debate na TV Record, dia 29 de setembro.

Ao ser confrontado pelo candidato Fernando Carneiro, do PSOL, sobre a participação do Democratas tanto no governo estadual de Simão Jatene (PSDB) quanto no governo federal de Michel Temer (PMDB), Márcio Miranda, do DEM, disse que foi contra a decisão do partido de ocupar cargos na gestão Temer e que seu partido nunca governou o Pará.

No entanto, o candidato Márcio Miranda desconsiderou a presença de seu partido na vice-governadoria durante o primeiro dos três mandatos de Simão Jatene (2003-2006), o Truco nos Estados – projeto de checagem coordenado pela Agência Pública que, no Pará, tem parceria com o Portal Outros400, – dá o selo ‘Sem Contexto’ à declaração. A classificação se dá pois há elementos verdadeiros (o DEM nunca governou como cabeça de chapa), mas falta contexto necessário para compreender a afirmação, uma vez que o vice-governador é parte importante da composição da chapa que disputa eleições e governa.

No primeiro governo de Jatene, no entanto, o partido de Miranda, na época ainda PFL, compunha a chapa com Valéria Pires Franco como vice-governadora. Ela ficou no cargo durante os quatro anos, como comprovam os expedientes de 2 de janeiro de 2003 e de 29 de dezembro de 2006 do Diário Oficial do Estado do Pará – respectivamente, o primeiro e o últi1mo do mandato inicial de Jatene.

Diário Oficial do Estado do Pará de 2 de janeiro de 2003

 

Diário Oficial do Estado do Pará de 29 de dezembro de 2006

Além de vice-governadora, Valéria Pires Franco acumulou por um período a função de secretária de Proteção Social. Conforme aparece na capa do Diário oficial de 2 de janeiro de 2003, logo no início da gestão ela foi nomeada para o cargo. Na edição de 29 de dezembro de 2006, a secretaria já estava sob a coordenação de Teresa Cativo Rosa.

Capa do Diário Oficial do Estado do Pará de 2 de janeiro de 2003

De acordo com Roberto Corrêa, doutor em Ciência Política e professor aposentado da Universidade Federal do Pará, o vice é parte da composição da chapa que governa. “Ele integra a responsabilidade”, avalia. “É o caso do [Michel] Temer. O PMDB foi convidado pelo PT pra fazer a aliança com a qual o primeiro e o segundo governo da Dilma [Rousseff] ocorrem. Então eles são diretamente responsáveis pelo governo”, completa Corrêa.

Entre dissidências e novas siglas

O PFL, Partido da Frente Liberal, foi fundado em 1985 como uma dissidência do PDS, Partido Democrático Social, sucessor da Arena, Aliança Renovadora Nacional, o lado governista do bipartidarismo que reinou no país durante a ditadura militar. A Arena fez quatro governadores no Pará: Alacid Nunes, Fernando Guilhon, Aloysio Chaves e Clóvis de Morais Rêgo. Alacid Nunes também governou pelo PDS.

A parceria entre PFL e PSDB, em âmbito nacional, consolidou-se em 1994, com o pefelista Marco Maciel sendo vice de Fernando Henrique Cardoso na chapa presidencial que acabou eleita. No Pará, antes mesmo de Jatene e Valéria, a dobradinha ocorreu com a chapa Almir Gabriel (PSDB) / Hélio Gueiros Júnior (PFL), também em 1994.

Numa convenção nacional, em março de 2007, foi aprovada a nova denominação da legenda. O PFL tornava-se Democratas, o DEM. Naquele encontro partidário, foi empossada a comissão provisória nacional do DEM, com Valéria Pires Franco ocupando uma das vice-presidências.

Para saber mais detalhes da participação do então PFL no primeiro governo Jatene, entramos contato com Valéria, através de sua empresa do ramo de corretagem de imóveis, mas não tivemos retorno. Em contato com o Diretório Estadual do Democratas no Pará, fomos informados que ela ainda é filiada ao partido, embora esteja afastada de funções políticas.

Márcio Miranda já era deputado estadual quando o partido ainda se chamava PFL. Questionada sobre a declaração do candidato, sua assessoria enviou a seguinte nota: “Márcio Miranda referiu-se diretamente ao partido do Governador ou Governadora do Pará. Trata-se do contrário de Helder Barbalho, cujo pai foi governador do Pará. Desde a redemocratização, o Pará foi governado por PSDB, PT e PMDB. Basta checar em qualquer registro histórico.”

Temer não fechou a base flutuante em Óbidos e a Polícia Federal ainda atua no município
Márcio Miranda - DEM
Temer não fechou a base flutuante em Óbidos e a Polícia Federal ainda atua no município

Entreposto logístico na região amazônica, Óbidos teve a atuação da PF reduzida com o fechamento da base flutuante de Candiru. Ainda assim, a polícia possui contingente no município.

Falso, Helder: não houve impedimento ambiental para içar navio naufragado em Barcarena
Helder Barbalho - MDB
Falso, Helder: não houve impedimento ambiental para içar navio naufragado em Barcarena

Navio Haidar que naugrafou com quase 5 mil bois aguarda andamento da licitação para ser retirado do fundo do rio Pará, no porto de Vila do Conde

Márcio Miranda diz que até 3 mil caminhões cruzam Belém diariamente, mas órgãos de trânsito não confirmam o dado
Márcio Miranda - DEM
Márcio Miranda diz que até 3 mil caminhões cruzam Belém diariamente, mas órgãos de trânsito não confirmam o dado

Em entrevista à rádio Unama FM, o candidato usou a circulação de caminhões na capital paraense para justificar a implantação de um projeto logístico na cidade

PA Candidatos - Pará