Sempre vigiados

Depoimento de Elisa Quadros

A ativista conhecida nacionalmente como “Sininho” carrega ainda hoje marcas de sua atuação nas manifestações de 2013. Durante esse período, ela foi taxada como articuladora da tática “Black Block”. Hoje, a ex-produtora de cinema continua respondendo por um processo que acusa 23 ativistas de associação criminosa. Elisa diz ter sofrido perseguições por parte da polícia, e ainda atribui boa parte do trauma que sofreu à própria imprensa, que a transformou em uma figura midiática.

  • Rafaela Bittencourt

    Matéria muito interessante. É legal ter esse lado da história contado abertamente, acho muito legal quando a fonte se expõe. Assisti um doc sobre o mesmo tema, só que com as famílias da chacina em Belém do Pará em 2013/14, por aí, após a morte de um PM, um comandante anunciou via facebook que estavam partindo pra fazer a “limpeza” e oficialmente foram 13 jovens mortos pelas periferias da cidade, mas o número é bem maior e as mães, tios, irmãos, filhos montaram um movimento e vão pra rua e já teve mãe que acabou perdendo o outro filho porque polícia matou, e teve frente do movimento que é perseguida até por dar entrevista. É complicado, mas tá em todo lugar mesmo, foda. Violência policial + essa aceitação social de bandido bom é bandido morto tá dando um ibope do caramba pra polícia montar grupo de extermínio desde sempre, uns resquícios de ditadura mesmo, bem assustador

  • Carlao

    Matéria muito legal, no formato. Mas, ser a quê? A quem?
    Serve ao medo. No mais, a policia no RJ passa por uma devassa.

  • Sandra Beltrán BAeza

    A imensa maioria dos depoimentos são de negros. Este país vive realmente uma limpeza étnica. É uma guerra entre pobres, a polícia, na escala econômica, não faz parte da elite, procede da mesma classe social que a maioria das vítimas, mas defende a elite. Tenho pensado que neste país há uma negação constante da identidade somada ao medo. A classe média baixa têm medo a descender ao escalão da pobreza, a classe média tem horror a descer do seu status e gasta uma energia enorme se mostrando na vetrine, obsecada por sr chique. O policia bate no professor provavelmente o professor de seu filho. Tudo banhado por uma violência assustadora, física e verbal. enquanto isso o Brasil vai perdendo o essencial e o diferencial da sua identidade, a matriz negra e índigena.