AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Os dados sobre a militarização da administração municipal

Veja aqui quanto ganham os policiais do primeiro e segundo escalão que trabalham na administração das subprefeituras de São Paulo

Tags: ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

  • Ramon

    Absurdo por todos os ângulos que se possa discutir a questão. Em relação aos salários cumulados com aposentadorias que, juntos superam o teto dos ministros do STF, a inconstitucionalidade é evidente. O desrespeito ao povo e a Constitucional Federal é mais do que óbvio, é descarado (art.37, XI Constituição Federal). E aí Supremo, tá dormindo? E aí instituições defensoras da democracia e do Estado Democrático de direito, todos dormindo? Bons sonhos.

  • Euclides Mendes

    Ótimo esse levantamento. Trabalhei no Serviço Funerário (Autarquia) e lá também tem militar.

  • Thiago

    É por isso que são bem mal administradas. Sou absolutamente contra qualquer administração civil no comando de um militar. Tínhamos que votar em pessoas (de ficha limpa, claro) na região para administrar isso aqui. Isso me cheira a desejo de ditadura. Um absurdo.

  • Isso explica em partes a crescente onda de abuso de poder e violência policial, os absurdos números de auto de resistência seguido de morte, entre outros crimes cometidos pela polícia paulistana. Revela também o pacto entre coorporação e Estado no desrespeito aos direitos básicos do cidadão, vide que as maiores operações policiais neste ano foram executadas em desapropriações e repressões à manifestações legítimas da sociedade civil. Uma mão lava a outra.

  • Isso explica, em parte, a crescente onda de abuso de poder e violência
    policial, os absurdos números de auto de resistência seguido de morte,
    entre outros crimes cometidos pela polícia paulistana. Revela também o
    pacto entre coorporação e Estado no desrespeito aos direitos básicos do
    cidadão, vide que as maiores operações policiais neste ano foram
    executadas em desapropriações e repressões à manifestações legítimas da
    sociedade civil. Uma mão lava a outra.

  • Bruno

    e aí ainda não estão contabilizados os ex-pm’s que foram convidados pelos subprefeitos e secretários para trabalhar nas subprefeituras em cargos de menor visibilidade política, mas de salários gordos

  • Perfeito. Por outro lado, se fossem os salários desses senhores o nosso principal problema (e não a total falta de preparo)…

  • Por que um militar, qual eh a graaande qualidade desse pessoal.

  • Haroldo Lago

    Pois é. E ainda tem quem defenda a tese de que… ‘Mais polícia menos crime’. Algum dia a verdadeira história do ‘por que’ tantos PM’s nas subprefeituras virá à tona. E vai feder!

  • Eduardo

    Não importa se é Militar ou Civil. O que importa são os resultados, e estes, não são bons. Traficantes, ladrões, assassinos, pedófilos, contrabandistas, golpistas etc perambulam pelas ruas livremente enquanto pessoas de bem (empresários, profissionais liberais, comerciantes, trabalhadores, donas de casa, crianças) tem que viver presas em condomínios. Militares ou não, o trabalho tem que ser feito e este modelo não está bom o suficiente.

  • Wilian

    Subprefeito tem uma função pouco efetiva na cidade. PMs são cidadãos como os outros, podem ser indicados como qualquer outro. Por serem servidores públicos representantes de uma importante classe, que cumpre um relevante papel, podem ter méritos para exercer bem o cargo. Como o candidato eleito tem o apoio do atual prefeito, é possível que alguns permaneçam.

Quem julga o juiz?

Quem julga o juiz?

| por | 21 de setembro de 2016

Uma exame da lista de juízes e desembargadores investigados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) mostra que, mesmo quando a acusação é de venda de sentença, o caso nem sempre segue para a Justiça criminal e a pena se reduz à aposentadoria

Adeus, Guyraroká

Adeus, Guyraroká 2

| por | 8 de setembro de 2016

Como o STF decidiu que uma terra em demarcação no Mato Grosso do Sul não era dos Kaiowá – e abriu as portas para outras decisões que podem impedir o direito territorial dos índios