Agência de Jornalismo Investigativo

Rafael Oliveira

Jornalista pela Escola de Comunicações e Artes da USP. Passou pelo Jornal e Rádio USP e pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), onde participou das primeiras coberturas do Programa Tim Lopes de Proteção a Jornalistas. Escreve para a Agência Pública desde março de 2019. Na Pública, foi premiado no Concurso de Jornalismo de Dados “Todos os Olhos na Amazônia” e participou de coberturas reconhecidas pelo Prêmio Vladimir Herzog e pelo Prêmio Roche de Jornalismo em Saúde.


Mais recentes

Assassinatos no campo em 2021 batem recorde dos últimos quatro anos

18 de abril de 2022 | por e

Sob Bolsonaro, a média de ocorrências de conflitos já é a maior da história. No ano passado, 35 pessoas foram assassinadas no campo, 29 somente na Amazônia

Manifestantes andam por rua em Minas Gerais e seguram faixa branca com os dizeres em vermelho

“Hoje, no Brasil, nós temos cerca de 22 mil barragens”, diz coordenadora nacional do MAB

17 de março de 2022 | por

Representante do Movimento dos Atingidos por Barragens alerta para o risco de novos rompimentos e explica a visão do MAB para o país

Ilustração mostra árvores em uma floresta pegando fogo

Quem está destruindo as unidades de conservação da Amazônia

14 de março de 2022 | por e

Levantamento inédito lista políticos regionais, empresas e desmatadores. Em 13 anos, foram mais de 9 mil multas que totalizam mais de R$ 3 bilhões

Fiscal do ICMBio durante ação na Floresta do Jamari; ele posa ao lado de um caminhão em meio à floresta

As empresas mais multadas nas unidades de conservação da Amazônia

14 de março de 2022 | por e

Levantamento inédito mostra que Usina Hidrelétrica de Jirau e Salobo Metais S/A, subsidiária da Vale, estão entre as maiores infratoras da última década

2022 e eleições: Lula vs Bolsonaro: desinformação e risco de golpe segundo pesquisadores

19 de janeiro de 2022 | por

A Pública entrevistou Pablo Ortellado e Carolina Botelho sobre o que pode decidir o voto, quais as semelhanças com as eleições de 2018 e os desafios para o próximo governo

Instalações do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão.

Caso de quilombolas afetados por Base de Alcântara chega à Corte Interamericana

11 de janeiro de 2022 | por

Construção do Centro de Lançamento foi planejada pela ditadura e envolveu remoção de mais de 300 famílias; governo Bolsonaro quer que EUA utilizem base

Homem negro posa sentado em um barco à beira de um rio; ele veste calça e blusa de mangra longa cinza, um boné verde escuro e segura na mão direita um bastão de madeira

Não basta ter água para ser um rio

13 de dezembro de 2021 | por

Enquanto o agronegócio obtém bilhões de litros de água para irrigar suas plantações no Cerrado baiano, pescadores, ribeirinhos e agricultores sofrem com escassez hídrica

O homem com água demais

O homem com água demais

10 de dezembro de 2021 | por

Saiba quem é o empresário com a maior quantidade de água outorgada de graça a pessoas, empresa ou grupo familiar do Cerrado baiano

Em dois cargos, ela é chefe de si mesma

Quem é a servidora por trás do ‘libera geral’ de águas na Bahia

9 de dezembro de 2021 | por e

Por quase 10 anos, atual secretária do Meio Ambiente liberou desmatamentos e uso massivo de águas na Bahia; por 7 meses, ela foi chefe de si na pasta

Os privilegiados com a água do Cerrado baiano

Os privilegiados com a água do Cerrado baiano

8 de dezembro de 2021 | por e

Os nomes ligados a associações do agronegócio que podem captar de graça até 1,8 bilhão de litros diários, volume capaz de abastecer 11 milhões de pessoas

Criança indígena à beira da estrada com exército e bandeira do Brasil ao fundo

Sob Bolsonaro, Yanomami tem o maior índice de mortes por desnutrição infantil do país

13 de setembro de 2021 | por

Com 0,013% da população brasileira, os Yanomami tiveram 7% de mortes por desnutrição infantil entre 2019 e 2020 – 24 crianças morreram

“Não há um único genocídio que não tenha sido precedido por discursos de ódio”

3 de agosto de 2021 | por e

Em entrevista exclusiva, Alice Wairimu Nderitu, do Escritório para a Prevenção do Genocídio da ONU explica por que o Brasil está no radar da instituição