AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

São Paulo: A praça é pública

São Paulo é uma cidade que tem obsessão por fluxo. São informes diários, minuto a minuto, das condições de trânsito para quem está de carro. Mas e os que querem conviver?

Em nome da fluidez do tráfego, seguidas administrações abriram mais e mais espaços para a circulação motorizada. Para que as ruas ficassem mais largas, a praça perdeu espaço e importância, e foi atropelada por viadutos e vias expressas. Hoje São Paulo tem aproximadamente 1,5 pessoa por veículo motorizado. Basta uma parcela deles – são 7 milhões – para trancar a cidade. Para escoar a frota, a resposta tem sido a mesma: mais vias, menos espaços públicos.

Mas aos poucos, grupos de moradores estão retomando os espaços públicos, que seguem abandonados pelo poder público. Em homenagem ao Dia Mundial Sem Carro (22/09), a Agência Pública foi conhecer algumas destas iniciativas. Veja o vídeo.

 

* João Lacerda é jornalista formado pela PUC-Rio e tem na bicicleta seu principal meio de transporte em São Paulo, onde vive. Esta reportagem foi realizada através do Concurso de Microbolsas de Reportagem da Pública, em parceria com a Rede Brasil Atual.  

Tags: , ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

A batalha pela fronteira Munduruku 4

| por , | 11 de dezembro de 2014

Indígenas proclamam a autodemarcação da terra que pode parar a hidrelétrica de São Luiz do Tapajós, a nova menina dos olhos do governo federal. Assentada em solo sagrado, a área seria alagada pela usina. “A gente não sai”, diz cacique

A ‘guerra’ do Araguaia contada pelos Aikewara

| por | 10 de dezembro de 2014

Livro coordenado pelos antropólogos Iara Ferraz e Orlando Calheiros em parceria com os Aikewara traz a versão dos indigenas sobre o horror vivido durante o combate dos militares à guerrilha. Na primeira anistia concedida a um grupo da mesma etnia, 13 deles foram recentemente anistiados e indenizados

A batalha pela fronteira Munduruku 4

| por , | 11 de dezembro de 2014

Indígenas proclamam a autodemarcação da terra que pode parar a hidrelétrica de São Luiz do Tapajós, a nova menina dos olhos do governo federal. Assentada em solo sagrado, a área seria alagada pela usina. “A gente não sai”, diz cacique

Tools