AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

São Paulo: A praça é pública

São Paulo é uma cidade que tem obsessão por fluxo. São informes diários, minuto a minuto, das condições de trânsito para quem está de carro. Mas e os que querem conviver?

Em nome da fluidez do tráfego, seguidas administrações abriram mais e mais espaços para a circulação motorizada. Para que as ruas ficassem mais largas, a praça perdeu espaço e importância, e foi atropelada por viadutos e vias expressas. Hoje São Paulo tem aproximadamente 1,5 pessoa por veículo motorizado. Basta uma parcela deles – são 7 milhões – para trancar a cidade. Para escoar a frota, a resposta tem sido a mesma: mais vias, menos espaços públicos.

Mas aos poucos, grupos de moradores estão retomando os espaços públicos, que seguem abandonados pelo poder público. Em homenagem ao Dia Mundial Sem Carro (22/09), a Agência Pública foi conhecer algumas destas iniciativas. Veja o vídeo.

 

* João Lacerda é jornalista formado pela PUC-Rio e tem na bicicleta seu principal meio de transporte em São Paulo, onde vive. Esta reportagem foi realizada através do Concurso de Microbolsas de Reportagem da Pública, em parceria com a Rede Brasil Atual.  

Tags: , ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

O advogado da PM que mata 2

| por | 15 de maio de 2017

O ex-PM da Rota Celso Vendramini já defendeu mais de cem policiais acusados de homicídio e atuou em casos como o Carandiru e a Favela Naval, em São Paulo; “o policial não tem que esperar o marginal puxar a arma para atirar”, diz

Os libertários da direita atracam em Honduras

Os libertários da direita atracam em Honduras

| por | 11 de maio de 2017

Um grupo da direita libertária norte-americana busca implantar sua utopia no golfo da Fonseca: a concessão de um território livre, onde não valem a lei, a polícia e os impostos de Honduras. Um futuro de desenvolvimento para Honduras ou a volta aos enclaves de banana?

O advogado da PM que mata 2

| por | 15 de maio de 2017

O ex-PM da Rota Celso Vendramini já defendeu mais de cem policiais acusados de homicídio e atuou em casos como o Carandiru e a Favela Naval, em São Paulo; “o policial não tem que esperar o marginal puxar a arma para atirar”, diz

Jucá, o tricoteiro de quatro agulhas

Jucá, o tricoteiro de quatro agulhas

| por | 24 de abril de 2017

Presidente do PMDB, principal articulador de Michel Temer no Congresso e uma das estrelas da Lava Jato, Romero Jucá defende uma transição no lugar do extermínio da classe política encurralada pelo maior escândalo de corrupção da história