AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Minas não escolhem suas vítimas

Documentário relata o drama das minas antipessoais e suas vítimas. O país com mais casos de acidentes e mortes do mundo fica aqui pertinho: é a Colômbia.

Nem na África, nem no Oriente Médio: o país do planeta com maior ocorrência de acidentes e mortes causadas por minas terrestres e Explosivos Remanescentes de Guerras (ERGs) fica na América do Sul. Trata-se da Colômbia. E a concentração é ainda maior no norte do país. É esse é o tema do documentário “América Minada”, de 2007, produzido pelos jornalistas Vinicius Souza e Maria Eugênia Sá, que a Pública traz aos seus leitores pela primeira vez na internet.

Hoje, a Colômbia é signatária do Tratado de Ottawa – convenção internacional que proíbe o uso, armazenamento, produção e transferência de minas terrestres. Ainda assim, todos os dias cerca de três pessoas são vítimas de minas terrestres na Colômbia. Os artefatos, abandonados após guerras civis ou plantadas recentemente por grupos armados, vitimam crianças, soldados, trabalhadores e já viraram um problema de saúde pública.

Vejam o documentário.

Tags:

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

  • Denis Nunes

    Parabéns pelo documentário, Vinicius Souza e Maria Eugênia Sá, e o Pública por disponibilizar gratuitamente na internet.

Quem julga o juiz?

Quem julga o juiz?

| por | 21 de setembro de 2016

Uma exame da lista de juízes e desembargadores investigados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) mostra que, mesmo quando a acusação é de venda de sentença, o caso nem sempre segue para a Justiça criminal e a pena se reduz à aposentadoria

Adeus, Guyraroká

Adeus, Guyraroká 2

| por | 8 de setembro de 2016

Como o STF decidiu que uma terra em demarcação no Mato Grosso do Sul não era dos Kaiowá – e abriu as portas para outras decisões que podem impedir o direito territorial dos índios

Quem julga o juiz?

| por | 21 de setembro de 2016

Uma exame da lista de juízes e desembargadores investigados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) mostra que, mesmo quando a acusação é de venda de sentença, o caso nem sempre segue para a Justiça criminal e a pena se reduz à aposentadoria