Agência de Jornalismo Investigativo

Natalia Viana

Codiretora

Natalia Viana é jornalista há 18 anos, co-fundadora e co-diretora da Agência Pública e Jornalismo Investigativo. Cobriu temas sociais internacionais, desde o drama dos refugiados tibetanos no Norte da Índia, indígenas sob massacre na Colômbia e em favelas de Cancún, no México, até violações de direitos humanos do regime autoritário em Angola e suas relações com a empresa brasileira Odebrecht. É autora e co-autora de quatro livros sobre violações direitos humanos: Plantados no Chão (Conrad, 2007), uma denúncia dos assassinatos políticos no Brasil entre os anos de 2003 e 2006, Jornal Movimento, uma Reportagem (Manifesto, 2010) e Habeas Corpus: Que Se Apresente o Corpo (Secretaria de Direitos Humanos, 2010), sobre os desaparecidos políticos e o e-book O Bispo e Seus Tubarões, sobre o impeachment de Fernando Lugo no Paraguai (Agência Pública, 2013). Como repórter e editora, venceu diversos prêmios de jornalismo,  entre eles o Prêmio Vladimir Herzog de Direitos Humanos (2005 e 2016), o prêmio Comunique-se (2016/2017), o Prêmio Trofeu Mulher Imprensa (2011/2013) e o prêmio Gabriel García Márquez (2016). Em 2018, foi reconhecida como empreendedora social da rede Ashoka e passou a integrar o Conselho Reitor da Fundação Gabriel García Márquez.


Mais recentes

Situação de asilo diplomático é frágil e instável, diz advogado de Julian Assange

3 de agosto de 2018 | por

Hacker australiano está sofrendo impactos na saúde por conta do encerramento prolongado na embaixada equatoriana em Londres

“Ortega perdeu a batalha política na Nicarágua”, diz escritor

31 de julho de 2018 | por

Sergio Ramirez, ganhador do Prêmio Cervantes deste ano e ex-vice-presidente do país, falou à Pública sobre a crise política e a repressão aos protestos

Ministério de Direitos Humanos recebe quatro denúncias contra policiais militares por dia

19 de julho de 2018 | por

Nos últimos sete anos, Disque 100 recebeu 7.856 denúncias, com 9.496 vítimas

“Lembrem-se: a Fifa era, e talvez ainda seja, uma organização criminosa”

12 de junho de 2018 | por

O jornalista britânico Andrew Jennings diz por que não confia nas mudanças que ocorreram na organização e conta que o FBI continua investigando a Copa do Mundo e a Olimpíada

37 prefeituras já podem explorar praias comercialmente

2 de abril de 2018 | por

Portaria do governo Temer permite que municípios litorâneos aluguem orla para empresas; especialistas apontam falta de participação social e risco de abusos

Jovens se afastam de páginas engajadas e interagem com imprensa tradicional, revela estudo

12 de março de 2018 | por , e

Levantamento inédito revela que polarização no Facebook atrai perfis mais velhos do que páginas que usam linguagem mais neutra

Jornalista angolano Rafael Marques sofre julgamento político

2 de março de 2018 | por

Reportagem investigativa que expôs corrupção é tratada como ofensa ao Estado; julgamento será na segunda-feira, dia 5

Militares não gostam de fazer papel de polícia, diz pesquisador

22 de fevereiro de 2018 | por

Uso político, falta de liberdade de ação e risco de corrupção estão entre os motivos apontados por militares entrevistados para doutorado

Coleção Particular

27 de novembro de 2017

Produto do quarto LAB realizado na Casa Pública, este especial transmidia investiga o roubo de espaços públicos por agentes privados - muitas vezes com a conivência de governos.

Onde está o busto de Lamarca?

4 de setembro de 2017 | por

O ato final do ex-secretário de Meio Ambiente paulista foi sumir com uma estátua do guerrilheiro no Vale do Ribeira, esbravejando contra “herói ideológico”. Reavivou uma memória incômoda, que inclui bombardeios de napalm pela ditadura

Prisão de Humala é abusiva e pode prejudicar a Lava Jato no Peru, diz jornalista

18 de julho de 2017 | por

Diretor de site investigativo avalia que ex-presidente peruano corre o risco de ser bode expiatório

O Porto Maravilha é nosso

29 de junho de 2017 | por

O passado do porto do Rio é tão rico que é chocante o quão pouco se faz para resgatá-lo. Mistura de gamificação, sensibilidade e informação, o Museu do Ontem, primeiro app da Pública, traz um pouco dessa história