Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Natalia Viana

Codiretora e editora

Natalia Viana é jornalista há 20 anos, diretora e co-fundadora da Agência Pública e Jornalismo Investigativo. É autora e co-autora de quatro livros sobre violações direitos humanos: Plantados no Chão (Conrad, 2007), Jornal Movimento, uma Reportagem (Manifesto, 2010) e Habeas Corpus: Que Se Apresente o Corpo (Secretaria de Direitos Humanos, 2010) e o e-book O Bispo e Seus Tubarões, sobre o impeachment de Fernando Lugo no Paraguai (Agência Pública, 2013). Como repórter e editora, venceu diversos prêmios de jornalismo,  entre eles o Prêmio Vladimir Herzog de Direitos Humanos (2005/2016), o prêmio Comunique-se (2016/2017), o Prêmio Trofeu Mulher Imprensa (2011/2013) e o prêmio Gabriel García Márquez (2016). Em 2016, foi a jornalista brasileira mais premiada. Em 2019, sua série Efeito Colateral, sobre civis mortos pelo Exército, foi finalista do prêmio Shining Light Award, da Rede Global de Jornalistas Investigativos.

Em 2018, foi reconhecida como empreendedora social da rede Ashoka e passou a integrar o Conselho Reitor da Fundação Gabriel García Márquez. Escreve colunas de opinião para o New York Times em espanhol e o site El Diario, na Espanha.

CHAVE PGP A697CBC1D5109E76


Mais recentes

Os pastores de Trump chegam à Brasília de Bolsonaro

12 de agosto de 2019 | por e

Com financiamento do vice-presidente americano, Capitol Ministries já abriu ministérios em seis países latinoamericanos desde 2017

Marilene Felinto: “Se o Otavio Frias estivesse vivo, ajudaria a derrubar o Bolsonaro”

19 de julho de 2019 | por e

Em entrevista à Pública, a escritora conversou sobre sua participação na Flip, política e cobertura da imprensa no atual governo

Tariq Ali: “Você olha para Sergio Moro e não vê a cara da Justiça”

11 de julho de 2019 | por

Escritor paquistanês diz que Moro é "enganador e corrupto" e conta sobre “Em defesa de Julian Assange”, livro que reúne textos de Noam Chomsky, Chelsea Manning, entre outros

Deixar de publicar informações vazadas é trair o jornalismo

1 de julho de 2019 | por

É dever do jornalista checar a veracidade, analisar o conteúdo, separar o joio do trigo, e publicar tudo o que a população deve saber

Justiça Militar investiga civis por desacato mas poupa soldados que matam

27 de junho de 2019 | por e

Levantamento inédito da Agência Pública mostra que 144 civis responderam por crimes militares como desobediência e desacato durante Operações de Garantia da Lei e da Ordem

Podcast: Choveu dinheiro no largo da Carioca

3 de junho de 2019 | por e

As repórteres da Pública seguem os rastros da corrupção que se espalharam pelo centro do Rio de Janeiro e detalham os esquemas de propina, fraude e desvio de dinheiro que marcaram a história do Brasil

Podcast: Um corpo que cai

27 de maio de 2019 | por e

Acompanhe as repórteres da Pública em busca de respostas sobre os crimes, as marcas e as memórias da ditadura militar nas ruas do Rio de Janeiro, no terceiro episódio da série Histórias Que Ninguém te Conta

Eles também são vítimas do Exército

23 de maio de 2019 | por

Assim como nos casos de Evaldo Rosa e Luciano Macedo, familiares de outros jovens fuzilados por soldados no Rio relatam à Pública tentativa de criminalização das vítimas, ausência de socorro e impunidade

O começo de tudo: como o Exército matou um menino de 15 anos no complexo do Alemão – e ninguém foi julgado

26 de abril de 2019 | por

Sete anos antes do fuzilamento do músico Evaldo Rosa, morte de adolescente gerou guerra entre Justiça Federal e Justiça Militar e foi pano de fundo para mudança de lei

Diretor do WikiLeaks: “Assange pode enfrentar décadas de prisão nos EUA”

12 de abril de 2019 | por

Se condenarem Assange nos EUA, nenhum jornalista estará seguro em lugar nenhum do mundo, avalia Kristinn Hrafnsson em entrevista exclusiva à Pública

Reprodução Facebook

“Prisão de Assange é vingança pessoal do presidente equatoriano”, diz Rafael Correa

11 de abril de 2019 | por

Em entrevista à Pública, ex-presidente diz que escândalo de corrupção revelado por Assange sobre Lenin Moreno foi definitivo para a decisão – inconstitucional – de retirar a cidadania e o asilo do fundador do Wikileaks