Agência de Jornalismo Investigativo

Leandro Barbosa

Leandro Barbosa é jornalista, com publicações nos jornais The Intercept Brasil, Ponte Jornalismo, Globoplay, El País Brasil, UOL, Yahoo, Agência Pública e na revista americana Atmos. Participou do Globo Lab Profissão Repórter, laboratório de ideias da Globo, onde produziu com a equipe do programa Profissão Repórter a reportagem: O Rio Doce sob a perspectiva dos indígenas Krenak – uma abordagem dos impactos do rompimento da Barragem de Fundão no cotidiano da etnia. Já atuou como comunicador no GLO.ACT, projeto da ONU contra o tráfico de pessoas e contrabando de imigrantes. Na ocasião, foi o único jornalista autorizado a acompanhar a equipe das Nações Unidas nos locais de alto fluxo migratório no Brasil. Além disso, o jornalista teve passagem na ONG Oficina de Imagens, que desenvolve, há mais de 20 anos, projetos de educomunicação. Sua trajetória o levou ao título de Jornalista Amigo da Criança, idealizado pela ONG ANDI Comunicação e Direitos e Unesco. Em 2020, atuou como repórter no Projeto Solos, iniciativa de jornalismo documental com abordagens sobre Direitos Humanos e Humanitários e Meio Ambiente. No mesmo ano, também participou como entrevistador do programa Roda Viva e do projeto “A Amazônia, entre a pandemia e a destruição”, financiado pelo Rainforest Journalism Fund, do Pulitzer Center. Em 2021, foi um dos 20 jornalistas América Latina (AL) selecionados para participar da oficina “Cobertura de la migración y su vínculo con el desarrollo sostenible” promovida pela Fundación Gabo e Organização Internacional para as Migrações – OIM. Também neste ano, recebeu monitoria de especialistas da “Universidade das Migrações”, da OIM, para a produção de uma reportagem sobre fluxo migratório na AL, com jornalistas de outros 4 países da região.

Mais recentes

Família sofre racismo e tentativa de golpe ao tentar repatriar imigrante morto no Brasil

20 de maio de 2022 | por

Sem apoio do governo brasileiro e da Guiné-Bissau, familiares de Milton Sanca fazem campanha online para arrecadar valor para traslado do corpo

“Ilegal e racista”: MPF processa Samu e Bombeiro que negaram socorro a adolescente Kaiowá que morreu em reserva indígena

3 de agosto de 2020 | por

Morte de Joice trouxe à tona determinação ilegal que vigorou por oito anos no Samu de Dourados, que proibia ambulâncias de entrar na reserva com a maior população indígena do país