Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Natalia Viana, diretora da Pública, está concorrendo ao Troféu Mulher Imprensa na categoria web. Votar é simples e rápido. Clique e vote!

16 de janeiro de 2013
14:55

clique aqui para votar

Quem é Natalia?

A diretora da Pública começou sua carreira na revista Caros Amigos em 2002.  Desde então, foi correspondente da Bandnews em Londres e colaborou com organizações de jornalismo investigativo como o Center for Investigative Journalism de Londres e o Center for Investigative Reporting em Berkeley, nos EUA, e com veículos internacionais como Independent, The Sunday Times e Guardian. Nessa época foi ainda produtora-assistente dos documentários Black Money, do Frontline World, exibido pela PBS americana, e Anthrax War, da CBC canadense.

Publicou o livro Plantados no Chão e foi coautora dos livros Movimento, uma Reportagem, sobre um jornal de resistência durante a ditadura militar, e Habeas Corpus – Apresente-se o Corpo.

Em 2005 recebeu o Prêmio Andifes e Menção Honrosa do Prêmio Vladimir Herzog de Direitos Humanos.

Em novembro de 2010, foi convidada pelo WikiLeaks para coordenar a publicação dos documentos diplomáticos das embaixadas americanas no Brasil e a parceria com os jornais Folha de S.Paulo e O Globo. Escreveu sobre os documentos publicados pelo site do Wikileaks para um blog, no site da revista Carta Capital. Em março de 2011 fundou, junto com Marina Amaral e Tatiana Merlino, a agência de jornalismo investigativo Pública.

A fundação da Pública, primeira do gênero no Brasil, foi anunciada na cerimônia do Troféu Mulher Imprensa 2011, do qual Natalia foi vencedora na categoria Web.

clique aqui para votar

 

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Tags

Mais recentes

A pedido de multinacionais do agrotóxico, governo americano treina polícia brasileira

22 de julho de 2019 | por e

Embaixada americana não informou custos do treinamento que ocorreu em Foz do Iguaçu e incluiu palestra de empresas para policiais, fiscais e agentes ambientais

Marilene Felinto: “Se o Otavio Frias estivesse vivo, ajudaria a derrubar o Bolsonaro”

19 de julho de 2019 | por e

Em entrevista à Pública, a escritora conversou sobre sua participação na Flip, política e cobertura da imprensa no atual governo

Polícia aponta fazendeiros como possíveis mandantes de morte de sindicalista no Pará

18 de julho de 2019 | por

Investigação ainda não descartou outras hipóteses para a morte de Carlos Cabral, em Rio Maria; motivação indica conflito por terra em área indígena