Preparamos uma seleção com perguntas e respostas recorrentes sobre o Concurso de Microbolsas da Pública.

Preparamos uma seleção com perguntas e respostas recorrentes sobre o Concurso de Microbolsas da Pública.

11 de março de 2013
12:07
Este texto foi publicado há mais de 7 anos.

Ficou com alguma dúvida sobre o 2º Concurso de Microbolsas da Pública?

Veja as dúvidas mais frequentes:

– A inscrição é individual ou pode ser em dupla/grupo?

A inscrição pode ser realizada tanto individualmente como em grupo. A diferença, é que no caso da inscrição em grupo, o valor da premiação (R$ 4 mil) será dividido entre todos os componentes.

– Quem trabalha em algum veículo pode se inscrever?

Sim. Aquelas pessoas que têm interesse em inscrever um projeto, mas trabalham para algum outro veículo devem confirmar junto ao seu local de trabalho se o contrato prevê exclusividade. Caso não haja exclusividade e o veículo também tenha interesse em republicar a reportagem vencedora, a Pública está aberta para uma parceria com o veículo.

– Estudante pode se inscrever? Mas como eu vou comprovar experiência em reportagem investigativa?

Sim, estudantes podem participar. No caso específico de estudantes, a Pública aceita como exemplos reportagens realizadas durante a faculdade. O estudante deve provar ser capaz de realizar uma pauta bem apurada, com múltiplas fontes.

– E se eu não conseguir realizar a minha pauta, o que acontece?

Se mesmo sob orientação o microbolsista não conseguir realizar a pauta, o caso será analisado pela equipe da Pública para que se encontre uma solução viável. Em último caso, o microbolsista deverá devolver o dinheiro recebido através do concurso.

– Eu moro longe de São Paulo. Posso participar?

Sim. Interessados que não residam em São Paulo podem sim participar do concurso. Nesse caso, as reuniões com as editoras da Pública serão realizadas via skype, em datas pré-definidas.

– Pode ser projeto de infografia ou animação?

Sim. A Pública busca por novas narrativas dentro do Jornalismo, e incentiva projetos que apresentem dados e histórias de maneira visualmente atraente, interativa e inovadora. Mas o crucial é a apuração e a boa reportagem, independente do formato.

– O prêmio de R$ 4 mil pode ser utilizado apenas para o pagamento do repórter?

Sim. Uma vez tendo sua pauta escolhida, o repórter tem autonomia na utilização do dinheiro recebido da maneira que lhe convier.

– Posso fazer uma viagem para o exterior?

Sim. Como dito anteriormente, uma vez tendo sua pauta escolhida, o repórter tem autonomia na utilização do dinheiro recebido da maneira que lhe convier. A Pública não cobre custos de saúde e vai avaliar caso a caso os riscos para o repórter e a capacidade de realizar a pauta.

 – Tem que ser brasileiro para poder participar?

Sim. O Concurso de Microbolsas busca fomentar o jornalismo brasileiro independente. Por isso, só serão aceitas as inscrições de cidadãos brasileiros ou naturalizados.

– A Pública oferece identificação provisória (crachá)?

Sim.

Sua dúvida não foi respondida? Envie-nos um email: contato.publica@gmail.com

Seja aliada da Pública

Que tal participar da luta contra as fake news sobre coronavírus? Apoie a Pública. A sua contribuição se transforma em jornalismo sério e corajoso, com impactos reais.

Mais recentes

“Quanto maior o colapso do governo, maior a virulência da guerra cultural”, diz pesquisador da Uerj

28 de maio de 2020 | por

Para o professor João Cezar de Castro Rocha, uma visão revanchista e revisionista da história brasileira moldou Bolsonaro e os bolsonaristas; é essa narrativa que justifica a criação e eliminação de inimigos em série enquanto, ao mesmo tempo, torna impossível governar

“O Brasil poderá ser conhecido como o país que enraizou o negacionismo científico”, diz Nicolelis

27 de maio de 2020 | por

Para evitar uma catástrofe, o renomado neurocientista Miguel Nicolelis afirma que é o momento de adotar medidas drásticas contra o coronavírus: lockdown em locais onde a ocupação dos hospitais esteja acima de 80%, acompanhado de um auxílio econômico que, de fato, permita às pessoas ficar em casa

Milicianos invadem área ambiental e formam máfia da areia no Rio de Janeiro

26 de maio de 2020 | por

Moradores vivem sob regime de medo dentro de uma APA na Baixada Fluminense que tinha oito areais clandestinos funcionando; empresa flagrada tem 11 notificações de órgãos ambientais