Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

O novo megainvestidor da imprensa digital americana e as polêmicas nas quais ele está envolvido.

29 de abril de 2014

omidyar

Em outubro de 2013, um anúncio deixou em polvorosa o meio jornalístico. Glenn Greenwald, jornalista responsável por divulgar os documentos vazados pelo ex-analista da CIA, Edward Snowden, recebeu um volumoso apoio para capitanear um novo empreendimento jornalístico. O aporte financeiro – US$ 250 milhões – veio do bilionário da tecnologia Pierre Omidyar, um dos fundadores do eBay. Além de Glenn, juntaram-se ao novo projeto jornalistas independentes de peso, como Laura Poitras e Jeremy Scahill. Para se ter ideia da magnitude do investimento, o ProPublica, um dos centros de jornalismo investigativos mais prestigiados dos EUA, gastou “apenas” US$ 43 milhões em cinco anos de atividade, em reportagens que já renderam dois prêmios Pulitzer e um Peabody ao centro.

Figura controversa, Pierre, cuja fortuna é estimada em 8,5 bilhões de dólares, é conhecido por apoiar startups em todo o mundo através de sua fundação filantrópica, a Omidyar Network (ON). Como o próprio site da fundação diz, a proposta é “subsidiar iniciativas que não visem ao lucro e investir em organizações inovadoras, que promovam mudança social e econômica”. A Omydiar foi apoiadora, por exemplo, da campanha de crowdfunding Reportagem Pública, dobrando o valor arrecadado junto aos 808 doadores para complementar os fundos do projeto.

Porém, ao anunciar sua nova empreitada jornalística – que será uma empresa, com fins lucrativos – Pierre recebeu diversas críticas de ativistas da liberdade na rede. O motivo remonta a 2010, ano em que um bloqueio financeiro comprometeu 95% da receita do WikiLeaks. À frente da manobra estavam grandes instituições financeiras, como as prestadoras de cartão de crédito VISA e MasterCard, os bancos Western Union e Bank of America, além do PayPal, sistema de pagamentos online que pertence ao eBay, cujo presidente é Omidyar.

Em represália, hackers ligado ao grupo Anonymous atacaram o site do PayPal, no que ficou conhecido como “Operation Payback” ,ou Operação Retaliação, em inglês. Os 14 envolvidos foram processados e acusados pelos advogados do eBay de ter causado, com o ataque, danos de US$ 5,5 milhões (O valor foi depois contestado por diversas fontes, inclusive pelo porta-voz do próprio PayPal).

A sentença do caso PayPal14 foi anunciada no final de 2013; as penas individuais variam de um a três anos de liberdade vigiada, além do pagamento de US$ 5.600 ao PayPal – um total de quase US$ 80 mil.

O papel da empresa de Pierre Omidyar no bloqueio ao WikiLeaks tem sido um dos principais argumentos dos críticos à sua nova empreitada jornalística. Eles apontam uma contradição: ao mesmo tempo em que o empreendedor subsidia com US$ 250 milhões um novo veículo pautado pela independência, ele também prejudica de maneira perigosa o WikiLeaks ao manter, junto com outras instituições financeiras, o bloqueio que compromete grande parte do orçamento da organização. “Como vocês podem levar alguma coisa a sério quando a pessoa por trás dessa plataforma está diretamente envolvida no boicote contra o WikiLeaks?”, perguntou, em entrevista à imprensa alemã, a jornalista do WikiLeaks Sarah Harrison – a mesma que ajudou Edward Snowden a fugir para a Rússia e obter asilo temporário.

Em resposta às críticas, Pierre Omidyar publicou um editorial no Huffington Post declarando seu engajamento na defesa da liberdade de imprensa. “Quando eu soube da decisão do PayPal, eu imediatamente expressei minhas preocupações à gerência da empresa”, escreveu ele. No mesmo editorial, ele critica a “natureza comercial” da internet, que “representa uma nova ameaça à liberdade de imprensa” pelo fato dessas empresas não terem como prioridade os direitos dos seus clientes. “Em contraste, nossa nova organização de mídia terá a Pirmeira Emenda no seu âmago, e tomará decisões muito diferentes quando sofrer pressão do governo para não publicar ou retaliações”.

Agora, é esperar para ver como Pierre e os jornalistas Greenwald, Poitras e Scahill vão investir o aporte milionário no site, que está sendo chamado de First Look Media. Ainda não há data prevista para o lançamento.

Vai lá:

http://www.omidyar.com/

The Extraordinary Pierre Omidyar

The extraordinary promise of the new Greenwald-Omidyar venture

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

Aprovações de agrotóxicos no governo Bolsonaro beneficiam empresas estrangeiras

14 de maio de 2019 | por e

Dos 166 registros de pesticidas liberados neste ano, apenas 5% são totalmente produzidos em solo nacional

A empresa de palestras de Rosângela Moro

25 de julho de 2018 | por

Nova sociedade de esposa de Sérgio Moro com advogado Carlos Zucolloto Jr. vai explorar ramo de atividade no qual juiz tem se destacado

A tropa de choque de Bolsonaro no Congresso

21 de janeiro de 2019 | por e

Representantes da velha política e estreantes, acusados e réus em processos, maçons e ex-policiais se misturam na nova bancada do PSL

Mais recentes

Mais terras públicas para o mercado, menos áreas coletivas

17 de maio de 2019 | por

Retrocesso na reforma agrária soma-se ao avanço de titulação em assentamentos ambientalmente diferenciados; registro de títulos individuais explode a partir de 2017, em especial na Amazônia

Não há registro de entrada na Câmara para assessor de Bolsonaro investigado pela Justiça

16 de maio de 2019 | por , , e

Além de Nelson Alves Rabello, que teve sigilo bancário quebrado, Pública revela mais cinco assessores sem crachá de funcionários na Câmara; “Wal do Açaí” é uma delas. Agora são 11 os assessores do então deputado federal sem registro de entrada no Congresso

Professores acusam Laureate de forjar documentos para obter o reconhecimento de cursos EAD no Brasil

15 de maio de 2019 | por

Docentes denunciam irregularidades, dizem que foram obrigados a mentir para o MEC e a dar aulas em disciplinas fora de sua área de formação; documentos e áudio obtido pela Pública apontam algumas denúncias

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar