Agência de Jornalismo Investigativo

Tire suas dúvidas sobre o Concurso de Microbolsas para Reportagens sobre Energia

31 de outubro de 2014

postal1_faq

Ficou com alguma dúvida sobre o Concurso de Microbolsas para Reportagens sobre Energia?

Veja as dúvidas mais frequentes:

– A proposta de pauta precisa ser sobre hidrelétricas ou pré-sal? Posso fazer sobre outro tema relacionado a energia?

A pauta necessariamente deve se enquadrar em uma das duas categorias (hidrelétricas ou pré-sal). Os dois subtemas são amplos e podem ser abordados por diversos ângulos, como impactos ambientais, histórias das comunidades locais, etc.

– A inscrição é individual ou pode ser em dupla/grupo?

A inscrição pode ser realizada tanto individualmente como em grupo. A diferença, é que no caso da inscrição em grupo, o valor da premiação (R$ 5 mil) será dividido entre todos os componentes.

– Quem trabalha em algum veículo pode se inscrever?

Sim. Aquelas pessoas que têm interesse em inscrever um projeto, mas trabalham para algum outro veículo devem confirmar junto ao seu local de trabalho se o contrato prevê exclusividade.

– Estudante pode se inscrever? Mas como eu vou comprovar experiência em reportagem investigativa?

Sim, estudantes podem participar. No caso específico de estudantes, a Pública aceita como exemplos reportagens realizadas durante a faculdade. O estudante deve provar ser capaz de realizar uma pauta bem apurada, com múltiplas fontes.

– E se eu não conseguir realizar a minha pauta, o que acontece?

Se mesmo sob orientação o microbolsista não conseguir realizar a pauta, o caso será analisado pela equipe da Pública para que se encontre uma solução viável. Em último caso, o microbolsista deverá devolver o dinheiro recebido através do concurso.

– Eu moro longe de São Paulo. Posso participar?

Sim. Interessados que não residam em São Paulo podem e devem sim participar do concurso. Nesse caso, as reuniões com as editoras da Pública serão realizadas via skype, em datas pré-definidas.

– Pode ser projeto de infografia ou animação?

Sim. A Pública busca por novas narrativas dentro do Jornalismo, e incentiva projetos que apresentem dados e histórias de maneira visualmente atraente, interativa e inovadora. Mas o crucial é a apuração e a boa reportagem, independente do formato.

– O prêmio de R$ 5 mil pode ser utilizado apenas para o pagamento do repórter?

Sim. Uma vez tendo sua pauta escolhida, o repórter tem autonomia na utilização do dinheiro recebido da maneira que lhe convier.

– Tem que ser brasileiro para poder participar?

O Concurso de Microbolsas busca fomentar o jornalismo brasileiro independente. Por isso, só serão aceitas as inscrições de cidadãos brasileiros, naturalizados ou residentes no Brasil.

– A Pública oferece identificação provisória (crachá)?

Sim.

 

 

Sua dúvida não foi respondida? Envie-nos um email: marinadias@apublica.org

Explore também

São Paulo: A praça é pública

21 de setembro de 2012 | por

São Paulo é uma cidade que tem obsessão por fluxo. São informes diários, minuto a minuto, das condições de trânsito para quem está de carro. Mas e os que querem conviver?

A presidente Dilma Rousseff, durante coletiva de imprensa

| De olho | Dilma espera votação decisiva no Senado

8 de maio de 2016 | por

Resultado da votação da admissibilidade do impeachment pelo Plenário do Senado pode afastar a presidente por até 180 dias

A discórdia do desenvolvimento

7 de dezembro de 2012 | por

Nas comunidades a serem afetadas pelas usinas no rio Tapajós, entre angústia e anseios, a desinformação impera, enquanto avançam os planos para as obras

Mais recentes

Ministério de Damares é acusado por órgão de combate à tortura de impedir inspeção em presídios do Ceará

15 de fevereiro de 2019 | por

Subordinado ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, membros do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura falaram à Pública sobre como a pasta de Damares impediu a ida de peritos ao Ceará

Antes do Ceará, 8 municípios já haviam proibido fumigação aérea de agrotóxicos

15 de fevereiro de 2019 | por e

Em janeiro, estado foi o primeiro a proibir pulverização em todo seu território; empresários cearenses se articulam para derrubar a lei e estão “mapeando” deputados estaduais

Choque de interesses

14 de fevereiro de 2019 | por

No Mato Grosso, segundo estado mais desmatado da Amazônia Legal, governador é sócio de empresas de infraestrutura e mineração – incluindo barragem de alto potencial de dano em Cuiabá