Golpe militar completa 51 anos ainda sem muitas respostas. Relembramos quatro reportagens da Pública sobre o período ditatorial

Golpe militar completa 51 anos ainda sem muitas respostas. Relembramos quatro reportagens da Pública sobre o período ditatorial

1 de abril de 2015
09:00
Este texto foi publicado há mais de 5 anos.

Painel com rosto de mortos e desaparecidos durante a ditadura militar no Brasil (1964-1985). Foto: Comissão Nacional da VerdadeO golpe que instalou a ditadura militar no Brasil completa hoje 51 anos e ainda há muito a se descobrir o que aconteceu naquele período que matou pelo menos 434 pessoas, boa parte delas sob tortura ou vítimas de execuções e posterior desaparecimento dos corpos.

Para além das descobertas da Comissão da Verdade, a maior parte delas ratificando histórias já conhecidas, o jornalismo tem um papel fundamental para jogar luz nesse período em que a violência dos agentes do Estado calou a boca dos que se insurgiram contra a ilegalidade e arbitrariedade dos governos ditatoriais. As consequências do período de exceção, como apontaram diversos especialistas, incluem a permanência dos métodos ilegais e violentos na atuação policial na democracia que construímos.

Publicamos aqui quatro reportagens – cada uma produzida em um dos anos de vida da Pública – que revelaram novas facetas do período militar – do massacre de camponeses e índios no Araguaia ao bombardeio de moradores do Vale do Ribeira com Napalm. Também se republica o perfil de um delegado do Dops, a partir de entrevistas gravadas com mais de 15 horas de duração, e uma reportagem baseada em documentos do National Archives vazados pelo Wikileaks, mostrando a estranha semelhança entre os métodos da DEA no Cone Sul e a então futura Operação Condor, realizada pelas polícias políticas do Brasil, Argentina, Uruguai e Chile.

Leia – ou releia – as reportagens:

Napalm no Vale do Ribeira (2014)
Ligações perigosas: a DEA e as operações ilegais da PF brasileira (2013)
Conversas com Mr. DOPS (2012)
Araguaia: o massacre que as Forças Armadas querem apagar (2011)

Seja aliada da Pública

Que tal participar da luta contra as fake news sobre coronavírus? Apoie a Pública. A sua contribuição se transforma em jornalismo sério e corajoso, com impactos reais.

Tags

Mais recentes

“Quanto maior o colapso do governo, maior a virulência da guerra cultural”, diz pesquisador da Uerj

28 de maio de 2020 | por

Para o professor João Cezar de Castro Rocha, uma visão revanchista e revisionista da história brasileira moldou Bolsonaro e os bolsonaristas; é essa narrativa que justifica a criação e eliminação de inimigos em série enquanto, ao mesmo tempo, torna impossível governar

“O Brasil poderá ser conhecido como o país que enraizou o negacionismo científico”, diz Nicolelis

27 de maio de 2020 | por

Para evitar uma catástrofe, o renomado neurocientista Miguel Nicolelis afirma que é o momento de adotar medidas drásticas contra o coronavírus: lockdown em locais onde a ocupação dos hospitais esteja acima de 80%, acompanhado de um auxílio econômico que, de fato, permita às pessoas ficar em casa

Milicianos invadem área ambiental e formam máfia da areia no Rio de Janeiro

26 de maio de 2020 | por

Moradores vivem sob regime de medo dentro de uma APA na Baixada Fluminense que tinha oito areais clandestinos funcionando; empresa flagrada tem 11 notificações de órgãos ambientais