Agência de Jornalismo Investigativo

Estudante que morou na Casa Pública conta como foi a sua experiência.

31 de agosto de 2016

Na primeira semana de julho fui recebida de braços abertos na Casa Pública. Estudante norte-americana da Universidade de Princeton, no noroeste dos Estados Unidos, vim passar dois meses no Rio como estagiária no centro cultural da Agência Pública.

Durante o tempo que passei no Brasil, quase todo carioca que eu conhecia sempre me fazia a mesma pergunta: você veio ao Rio para a Olimpíada? A pergunta era sempre difícil de responder porque, apesar de ter vindo para cobrir a Olimpíada, eu não vim para curtir os Jogos.

Eu colaborei na elaboração do Projeto 100 da Agência Pública, uma maratona jornalística que conta a história de cem pessoas que foram removidas por conta das obras construídas para o megaevento. Quando cheguei, a Pública já tinha publicado 60 entrevistas e eu fiz parte da equipe de jornalistas que foi à procura das últimas 40 histórias. Lara

Ao longo dessa jornada, transitei pela cidade procurando famílias que foram removidas. Essas famílias me contaram histórias de remoção, mostraram fotos do lugar onde moravam antes e explicaram como foi o processo da demolição de suas casas. Eu fui presenteada com várias xícaras de cafezinho, doces e fortes, preparadas de um jeito bem brasileiro.

Durante o processe de edição dos vídeos e áudios das entrevistas, procurei manter a essência da carga sentimental de cada narrativa. A cada vídeo que eu compilava, procurava montar uma história coerente me guiando apenas pela voz do entrevistado.

Enquanto trabalhava nesse projeto, fiquei morando na Casa Pública com os jornalistas estrangeiros participantes das Residências Publicas, programa da Agência Pública que garantiu bolsas para 6 jornalistas escreverem matérias sobre direitos humanos e a Olimpíada. Assisti os meus colegas desenvolverem reportagens de qualidade e assim pude aprender com eles. A experiência permitiu que eu vivenciasse na pele como é produzir jornalismo independente.

Senti que a minha experiência foi diferente da maioria dos estrangeiros e turistas que vieram ao Rio curtir a Olimpíada.

Enquanto muitos vinham conhecer o Parque Olímpico, eu conheci a Vila Autódromo. Muitos foram ao Maracanã para assistir partidas de futebol, mas eu fui para os condomínios da Minha Casa Minha Vida que ficam do outro lado da pista. Usei o transporte público para ir até as comunidades e não para ir até os estádios.

Para mim, o mais importante foi poder ajudar a elaborar um site interativo. Este modelo de reportagem permite que o usuário entre virtualmente dentro das mesmas casas que tive o prazer de conhecer pessoalmente. Consegui não só entender a complexidade por trás da forma como o Rio de Janeiro e os Jogos Olímpicos são administrados, mas também estudar uma forma de tornar esta complexa realidade em um história acessível para todos.

Tags

Recente

CNJ decide se abre processo contra juízes por conduta em redes sociais durante as eleições

6 de dezembro de 2018 | por

Na próxima terça-feira, o CNJ vai apreciar 11 pedidos de providências instaurados contra magistrados que teriam manifestado apoio – ou mesmo críticas – a candidatos durante as eleições, principalmente nas redes sociais

Seis respostas sobre como combater o Escola Sem Partido

6 de dezembro de 2018 | por

Manual de Defesa traz estratégias para que profissionais da educação se protejam de ameaças e perseguições; leia a entrevista

Mudança de estratégia nas candidaturas evangélicas ajudou a eleger Bolsonaro

5 de dezembro de 2018 | por

Em entrevista à Pública, a professora Christina Vital da Cunha, do programa de pós graduação em Sociologia da UFF e colaboradora ad hoc do ISER comenta pesquisa inédita sobre candidaturas evangélicas nas eleições de 2018

Do cofre

Juca Kfouri: “Se não houver respostas, manifestações serão maiores em 2014”

10 de julho de 2013 | por

Em entrevista à Pública, jornalista faz um balanço dos protestos ocorridos na Copa das Confederações e diz que “suntuosidade” de estádios “agrediu as pessoas”

Honduras: a vida no país do medo

4 de julho de 2012 | por

Descobrir o que há por trás da contagem de cadáveres em Honduras, o país mais violento do mundo, é como descascar uma cebola. A taxa de violência fatal é 8x maior que a média mundial e 4x a média da América Latina

O não-legado da Copa do Mundo

8 de janeiro de 2014 | por

Em 9 das 12 cidades-sede, o financiamento federal para os estádios é maior do que os repasses para a educação