Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Nesta série de conversas, jornalistas dentro e fora do país discutem a realidade brasileira na Casa Pública. Garanta aqui seu ingresso!

17 de maio de 2017
12:28

Em parceria com a Associação dos Correspondentes de Imprensa Estrangeira (ACIE), a Agência Pública promove o Correspondents Corner, uma série de conversas ao vivo em inglês com um repórter brasileiro e um estrangeiro sobre temas relevantes da política nacional.

Neste mês, os convidados são Mac Margolis, correspondente da Bloomberg na América Latina e Bernardo Mello Franco, da Folha de S. Paulo. A conversa será mediada por Júlia Dias Carneiro, da BBC.

Garanta aqui o seu ingresso para a Correspondents Corner: Um ano de Temer

O evento acontece no dia 26 de maio às 20h na Casa Pública – Rua Dona Mariana, 81, Botafogo

Dúvidas? Entre em contato com a Casa Pública: casapublica@apublica.org  (21) 2051-5500

Pague pelo PayPal

R$20

Também é possível

Pagar pelo PagSeguro

 

Os ingressos também podem ser adquiridos no dia do evento na Casa Pública.

Todos os fundos arrecadados serão revertidos para as duas organizações sem fins lucrativos.

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Tags

Mais recentes

Com aprovação de mais agrotóxicos, apicultores temem novo extermínio de abelhas

22 de agosto de 2019 | por e

Última leva de aprovações do governo Bolsonaro incluiu seis produtos com Sulfoxaflor; pesticida é apontado como causador de morte de enxames

Tapirapé defendem território de invasores por conta própria

21 de agosto de 2019 | por

Há 16 anos os indígenas aguardam a Justiça expulsar os que desmatam a TI Urubu Branco, em Confresa (MT); recursos judiciais de fazendeiros atrasam desintrusão

Kataguiri admite pressão ruralista e de governo em substitutivo contra controle ambiental

20 de agosto de 2019 | por

Puxão de orelha de presidente da Câmara obriga deputado a rever texto que coloca em risco 87% de áreas quilombolas, 22% de terras indígenas e unidades de conservação