Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Nesta série de conversas, jornalistas dentro e fora do país discutem a realidade brasileira na Casa Pública. Garanta aqui seu ingresso!

17 de maio de 2017
12:28
Este texto foi publicado há mais de 3 anos.

Em parceria com a Associação dos Correspondentes de Imprensa Estrangeira (ACIE), a Agência Pública promove o Correspondents Corner, uma série de conversas ao vivo em inglês com um repórter brasileiro e um estrangeiro sobre temas relevantes da política nacional.

Neste mês, os convidados são Mac Margolis, correspondente da Bloomberg na América Latina e Bernardo Mello Franco, da Folha de S. Paulo. A conversa será mediada por Júlia Dias Carneiro, da BBC.

Garanta aqui o seu ingresso para a Correspondents Corner: Um ano de Temer

O evento acontece no dia 26 de maio às 20h na Casa Pública – Rua Dona Mariana, 81, Botafogo

Dúvidas? Entre em contato com a Casa Pública: casapublica@apublica.org  (21) 2051-5500

Pague pelo PayPal

R$20

Também é possível

Pagar pelo PagSeguro

 

Os ingressos também podem ser adquiridos no dia do evento na Casa Pública.

Todos os fundos arrecadados serão revertidos para as duas organizações sem fins lucrativos.

Seja aliada da Pública

Que tal participar da luta contra as fake news sobre coronavírus? Apoie a Pública. A sua contribuição se transforma em jornalismo sério e corajoso, com impactos reais.

Tags

Mais recentes

Quem são os agentes do FBI que atuaram na Lava Jato

2 de julho de 2020 | por , e

Entre policiais que têm até página no LinkedIn e outros com nomes genéricos e desconhecidos, o que se sabe sobre os 13 agentes que participaram das investigações para o governo americano em solo brasileiro

O FBI e a Lava Jato

1 de julho de 2020 | por , e

Diálogos vazados mostram proximidade entre PF, procuradores e o FBI no caso da Lava Jato, incluindo “total conhecimento” das investigações sobre a Odebrecht

Nos quilombos, coronavírus mata um por dia

30 de junho de 2020 | por

Lideranças históricas estão entre as mais de cem mortes e quase mil infectados. Quilombolas também relataram racismo na busca de testagem e atendimento