Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Versão mais leve permite que usuários em qualquer cidade descubram os segredos do passado da história do país

27 de julho de 2017

Recentemente, o Cais do Valongo foi declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO. Nada mais justo, já que o antigo porto do Rio recebeu mais de 700 mil africanos escravizados, que vieram para construir a colônia e, depois, o Brasil. O cais do Valongo – hoje um pequeno retângulo escavado na área portuária – é apenas um dos pontos pouco conhecidos da história brasileira que se concentram no centro do Rio. Foi ali que aportou a esquadra de Dom João VI, que vinha fugindo de Napoleão, onde nasceu o samba e também onde foi relevado um esquema de propina do PMDB liderado pelo ex-deputado Eduardo Cunha.

Revelar esses pontos históricos, e muito segredos que não estão nos livros de História, é a proposta do aplicativo Museu do Ontem, lançado pela Agência Pública em junho (saiba mais aqui).

Agora, a Pública lança uma nova versão do app, que permite que pessoas de qualquer cidade possam também descobrir esses segredos. Ao baixar o app, o usuário vai poder selecionar “Tour Virtual”, e então poderá caminhar onde estiver para destravar os conteúdos do Museu do Ontem. O usuário pode selecionar entre três tours: Tour do Terror, Tour do Samba e Tour da Corrupção.

(Imagem: Reprodução/Museu do Ontem)

A outra opção, “Explore as ruas do Porto”, só funciona se o usuário está de fato na área portuária.

Todos os conteúdos conquistados vão para o Cofre e contam pontos e medalhas.

A nova versão também é mais leve, e conta com todos os conteúdos em inglês e português.

Desde o seu lançamento, o Museu do Ontem teve mais de 2.500 downloads na AppStore e no Google Play. Uma prova de que os brasileiros se importam, sim, em conhecer e explorar o nosso passado.

Agora, é baixar o aplicativo e desvendar o nosso passado!

O update já está disponível no Google Play e na AppStore!

 

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

Sessão extraordinária da Câmara dos Deputados no dia 15 de dezembro

| Flashback da semana | Pacote fiscal sob fogo cerrado

18 de setembro de 2015 | por

Pacote de ajuste fiscal para recuperar o crescimento do país precisa passar pela peneira da Câmara e do Senado

Jornalistas lançam canal online sobre Segurança Pública, Justiça e Direitos Humanos

17 de junho de 2014 | por

Com apoio da Agência Pública, jornalistas como Andre Caramante, Bruno Paes Manso e Laura Capriglione lançam o site Ponte

Desconto bilionário concedido a empresas é fator-chave no rombo do Rio

24 de novembro de 2016 | por e

Como o Rio chegou a esse buraco sem fundo? A Pública traz à tona dados e documentos inéditos sobre a crise e as isenções fiscais no estado, que devem ultrapassar R$ 9 bilhões em 2017 sem contar outros benefícios

Mais recentes

Podcast: Pequena África

20 de maio de 2019 | por e

Cultura negra é só samba? No segundo episódio de hoje do podcast Histórias Que Ninguém Te Conta você conhece os personagens da Zona portuária carioca que mantêm viva a herança cultural africana

Mais terras públicas para o mercado, menos áreas coletivas

17 de maio de 2019 | por

Retrocesso na reforma agrária soma-se ao avanço de titulação em assentamentos ambientalmente diferenciados; registro de títulos individuais explode a partir de 2017, em especial na Amazônia

Não há registro de entrada na Câmara para assessor de Bolsonaro investigado pela Justiça

16 de maio de 2019 | por , , e

Além de Nelson Alves Rabello, que teve sigilo bancário quebrado, Pública revela mais cinco assessores sem crachá de funcionários na Câmara; “Wal do Açaí” é uma delas. Agora são 11 os assessores do então deputado federal sem registro de entrada no Congresso

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar