Agência de Jornalismo Investigativo

A Reportagem Pública chega à sua terceira edição e você pode escolher o que vamos investigar nos próximos meses

12 de setembro de 2017

Em 2015, quando publicamos a reportagem “A Nova Roupa da Direita”, recebemos centenas de leitores recém-chegados à nossa página do Facebook, ainda incrédulos com as revelações. Seguindo a trilha do dinheiro, a nossa diretora de redação Marina Amaral descobriu que grupos que na época capitaneavam os protestos pelo impeachment de Dilma Rousseff se dizendo “indignados” com a corrupção, como o MBL, foram gestados por think tanks de ultradireita dos Estados Unidos.

Um deles quis desmerecer o trabalho de investigação, perguntando: afinal, QUEM financia a Agência Pública? Outro leitor foi rápido a responder: “Eu. Fui eu que doei para o crowdfunding e fui eu que votei para essa reportagem ser feita”.

É esse o espírito da Reportagem Pública, a campanha de financiamento coletivo que chega hoje à sua terceira edição. Nas duas edições anteriores, através de doações de mais de 1700 pessoas, conseguimos realizar 25 reportagens – muitas delas foram furos, como a citada acima, outras receberam prêmios nacionais e internacionais.

Temos a certeza que o futuro do bom jornalismo depende do leitor: ele tem que financiar o trabalho que fazemos, ou nossa profissão corre sério risco. Mas nós da Pública acreditamos que os leitores têm muito mais a contribuir.

Por isso, a Reportagem Pública 2017 é, acima de tudo, um chamado à participação. Queremos que os leitores nos ajudem a decidir o que deve ter prioridade para ser investigado a cada momento, que nos ajude a guiar o timão do nosso barco.

Todo mundo que doa, recebe todo mês por email três propostas de reportagem dos nossos jornalistas, e vota em qual devemos ir atrás. Nessa edição, vamos aprofundar ainda mais a participação, pedindo sugestões de pautas, a serem votadas e eleitas pela maioria. Os leitores também vão poder conversar com nossos jornalistas através de um grupo fechado no Facebook, onde todos vão trocar impressões sobre as descobertas.

Não é à toa que passamos boa parte do ano planejando essa campanha: a Reportagem Pública é um momento muito especial, que nos alegra bastante. Ela permite que se crie uma verdadeira comunidade de leitores, que nos ajuda a ser sempre melhores.

Já estávamos morrendo de saudades dessa interação.

A Pública tem até o dia 27 de outubro para arrecadar os 80 mil reais, que vão financiar oito reportagens investigativas. É tudo ou nada: se não arrecadarmos a meta, o projeto não acontece. Vamos fazer esse projeto virar realidade?

Vem com a gente!

www.catarse.me/reportagempublica2017

 

Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em sabatina na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado.

| Flashback da semana | O dia em que a caça tentou ser caçador

28 de agosto de 2015 | por

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e sua sabatina na a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado

Funk-se quem puder

19 de setembro de 2012 | por

Bailes na periferia de São Paulo são encerrados sob violenta repressão policial, enquanto meninas são levadas de ônibus das comunidades onde moram para “animar a festa” nas baladas chiques

Missionários, cristãos, “antifeministas”: como é o novo Ministério de Direitos Humanos comandado por Damares Alves

14 de janeiro de 2019 | por

Após polêmica, ministra manteve estrutura e equipe de direitos LGBT, mas não definiu ações concretas

Mais recentes

Sem políticas sociais, defensores seguem em risco de morte

24 de abril de 2019 | por

Conflitos por terra e ambiente estão por trás de 348 dos 416 casos incluídos no Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos; para vítimas e especialistas, programa tem de se articular com políticas sociais e Judiciário

Ilona Szabó: “A direita está falando em renovação política para chegar ao autoritarismo”

23 de abril de 2019 | por

A especialista em segurança pública - exonerada dois dias depois de nomeada suplente do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária por pressão das redes de direita - fala em razão e empatia para lidar com o ódio e a polarização da sociedade

Ocupar propriedade não é terrorismo, diz ex-Relator Especial da ONU

23 de abril de 2019 | por

Especialista que estabeleceu parâmetros internacionais para legislações diz que governo Bolsonaro deve usar Lei Anti-terrorismo de maneira “oportunista”

Fechar