Agência de Jornalismo Investigativo

Os conflitos de terra em 5 minutos — com Itamar Vieira Junior

23 de julho de 2021
por

Nossa animação mostra como os conflitos surgem, se intensificam, e mais pessoas morrem nessa luta. Aqui. E agora

É comum escutar que o Brasil é um país violento. Mas hoje vamos falar nesta animação de violência no campo, que tem tudo a ver com os conflitos por terra.

A gente te chama agora a refletir sobre como a soja e o gado têm a ver com violência, de como o agronegócio, a mineração e a produção de energia podem estar conectados a violentos conflitos por terra e de como a política, com a aprovação da PL da Grilagem ontem na Câmara, amálgama todas essas questões que levam centenas de defensores como Dorothy Stang e Chico Mendes a tombar na defesa da floresta.  

Não chega a ser novidade que o campo brasileiro está manchado de sangue e impunidade. São milhares de casos de conflitos na última década. E já sob Bolsonaro, o Brasil registrou os maiores números de conflitos no campo desde 1985, segundo a Comissão Pastoral da Terra (CPT). Para você ter ideia, os dados da CPT referentes a assassinatos em massacres já somam 283 vítimas. De forma geral, 1.993 pessoas foram mortas em decorrência de conflitos no campo entre os anos de 1985 a 2020.

Explicamos agora esse contexto de conflitos e te mostramos como tudo está interligado. A narração é do escritor Itamar Vieira Junior, ele próprio um servidor do Incra há 15 anos e que como geógrafo atua diretamente com questões ligadas à terra, populações tradicionais, trabalhadores do campo e conflitos agrários. “Tudo que aprendi com os camponeses, quilombolas e trabalhadores rurais eu não trocaria por nenhum título acadêmico ou prêmio”, nos disse Itamar numa entrevista sobre o premiado romance Torto Arado (Todavia), que conta a história das irmãs Bibiana e Belonísia em uma fazenda no sertão da Bahia.

O ofício no Incra o aproximou Itamar da comunidade quilombola de Iúna, da Chapada Diamantina, com a qual realizou sua tese de doutorado pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Acompanhe as investigações de quem está destruindo a Amazônia e o Cerrado no especial Amazônia sem Lei

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

Mais recentes

Saiba quem é e o que disse o policial legislativo do Senado investigado por atos golpistas

3 de fevereiro de 2023 | por

Alexandre Hilgenberg é servidor desde 1996; no dia 8 de janeiro ele pediu apoio a invasão do Congresso em suas redes
Parlamentares participam de sessão na Câmara dos Deputados

As igrejas que dominam a nova ala evangélica na Câmara

2 de fevereiro de 2023 | por

Assembleia de Deus, Batista e IURD reúnem 58% dos 93 parlamentares evangélicos empossados na atual Legislatura
Agricultor Neri Gomes de Souza mostra sua plantação no assentamento Roseli Nunes

Agrotóxicos colocam em risco produção agrofamiliar em assentamento no Mato Grosso

2 de fevereiro de 2023 | por e

Relatório aponta contaminação da água de rios, poços, chuva e até caixa d'água da escola por 10 tipos de agrotóxicos