AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

CONVERSA PÚBLICA com Andrew Jennings, inimigo número 1 da FIFA

Na inauguração da Pública, o jornalista britânico Andrew Jennings contou como pretende expor a corrupção de Ricardo Teixeira.

No dia 3 de julho a Pública fez um evento de inauguração na Casa de Cultura Digital.

O jornalista Andrew Jennings, que tem revelado diversos escândalos de corrupção na FIFA, contou ao público como pretende expor a corrupção de Ricardo Teixeira. Direto e polêmico, Jennings costuma dizer que a máfia, organização que ele investigou durante anos, é amadora se comparada à FIFA.

Nesta CONVERSA PÚBLICA, Jennings incentivou o público a agir como “jornalistas de guerrilha”: “Se você está bravo pela maneira como os impostos estão sendo roubados, se está bravo porque o seu governo não vai fazer nada contra isso, você tem essa nova arma, a internet.  É essa arma que vamos usar para lutar essa guerra”.

O jornalista  vai voltar ao Brasil no final de outubro para uma sessão no Senado federal. Ele afirma que Teixeira e João Havelange são investigados na Suíça em um caso de subornos na negociação de direitos de transmissão de jogos e patrocínios de Copas de Mundo. Segundo ele,  Teixeira e Havelange teriam feito um acordo com a Justiça suíça para devolver US$ 9 milhões de dólares obtidos com corrupção.

 

Tags: , ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

  • Nign

    Todos sabemos que Ricardo Teixeira e seu sogro não são santos, mas esse britânico aí, apoiado por forças ocultas, urde numa trama de açambarcar o bilionário negócio do futebol mundial para os controles da terra da Sua Majestade pois, segundo o mundo “desenvolvido”, o Brasil (um país periférico segundo o G8) não teria legitimidade para representar o a expressão máxima do futebol mundial conseguido pelo inquestionável talento. Aliás, segundo os impecáveis britânicos, o futebol teria sido invenção do Reino Unido, versão sofismaticamente questionável por sérios historiadores.

O advogado da PM que mata 2

| por | 15 de maio de 2017

O ex-PM da Rota Celso Vendramini já defendeu mais de cem policiais acusados de homicídio e atuou em casos como o Carandiru e a Favela Naval, em São Paulo; “o policial não tem que esperar o marginal puxar a arma para atirar”, diz