Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Programa Residências Públicas vai oferecer bolsa e hospedagem na Casa para interessados em investigar questões de direitos humanos ligadas à Olimpíada no Rio de Janeiro

13 de abril de 2016

(To read the english version, click here)

A Casa Pública, centro cultural mantido pela Agência Pública no Rio de Janeiro, está em busca de jornalistas estrangeiros interessados em produzir reportagens sobre os Jogos Olímpicos de 2016. Esta é a primeira chamada para as Residências Públicas, programa que vai acolher repórteres de veículos independentes na Casa Pública.

[relacionados]

Essa primeira edição visa apoiar a cobertura internacional sobre os impactos causados no Brasil pela Olimpíada e a Copa do Mundo. As inscrições vão até 12 de maio e devem ser feitas pelo formulário.

Leia também: Perguntas Frequentes – Residências Públicas, edição Olimpíada Rio 2016

Serão selecionados quatro repórteres, que ficarão hospedados na Casa Pública entre 20 de julho e 20 de agosto, por pelo menos 15 dias. Além da hospedagem e estrutura da Casa – onde poderão conhecer jornalistas locais – os vencedores receberão uma bolsa de R$ 7 mil, apoio da equipe para desenvolver suas reportagens e também vão colaborar com a Agência Pública. O programa oferece ainda três encontros com organizações e movimentos sociais sobre direitos humanos e os Jogos Olímpicos.

A seleção será feita em duas etapas, sendo a primeira o preenchimento do formulário online e a segunda, uma entrevista por Skype com as coordenadoras da Pública. Os candidatos serão escolhidos com base em sua experiência e na pauta que têm interesse em investigar. O resultado será anunciado no dia 20 de maio.

Desde 2011, a Pública vem cobrindo violações de direitos humanos e impactos sofridos pela população brasileira por conta da Copa do Mundo de 2014 e da Olimpíada de 2016. “Nossa cobertura trouxe muitas histórias importantes, mas que estavam tendo pouca atenção, sobre remoções, gentrificação, autoritarismo, violência e corrupção. Agora queremos ajudar jornalistas de outros países a contarem esse lado triste dos megaeventos, uma realidade que não pode ser ignorada”, diz Natalia Viana, uma das diretoras da Pública.

LEIA AQUI O REGULAMENTO COMPLETO

Para fazer a inscrição, o jornalista deve comprovar experiência em realizar reportagens, explicar qual tema pretende investigar e como será usado o valor da bolsa. A Pública também exige que o repórter seja comprovadamente vinculado a um meio de comunicação independente, que deve se responsabilizar pelo seguro viagem e por publicar a matéria produzida durante a residência. É recomendável que o residente providencie um seguro para seus equipamentos.

A  Pública não se responsabiliza pelo visto, pela alimentação e nem pelo transporte no Rio de Janeiro.

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

Ilha dos Marinheiros: à margem de Porto Alegre

31 de agosto de 2015 | por

Em um lugar que desafia o imaginário sobre a capital gaúcha, crianças vivem em palafitas em meio às águas poluídas do Guaíba. Leia a segunda reportagem das microbolsas sobre Crianças e Água

O jornalismo independente precisa de você

13 de janeiro de 2015 | por

Na próxima semana a Agência Pública lança Reportagem Pública 2015, nossa segunda campanha de crowdfunding. Aqui, contamos por que acreditamos no financiamento coletivo do jornalismo – e por que queremos o público dentro da nossa redação

Juca Kfouri: “Se não houver respostas, manifestações serão maiores em 2014”

10 de julho de 2013 | por

Em entrevista à Pública, jornalista faz um balanço dos protestos ocorridos na Copa das Confederações e diz que “suntuosidade” de estádios “agrediu as pessoas”

Mais recentes

“Tenho acesso direto aos assessores de Mourão”, diz presidente do Clube Militar

25 de maio de 2019 | por

Às vésperas da manifestação pró-governo, general Eduardo Barbosa defende a ditadura militar, a economia liberal de Paulo Guedes e até Flávio Bolsonaro, investigado no caso Queiroz: “Causa estranheza ao se ver tanta relevância no caso”

Manifestações podem definir futuro de Bolsonaro no Congresso

24 de maio de 2019 | por

A Pública conversou com parlamentares sobre a crise entre governo e Congresso; ceticismo predomina, mas o resultado das ruas no dia 26 terá peso decisivo no futuro dessas relações

Dois anos do massacre de Pau D’Arco: mandantes ainda impunes e ameaça de despejo

24 de maio de 2019 | por

Em entrevista à Pública, a advogada Andréia Silvério, da CPT de Marabá, conta que os sobreviventes da chacina que vitimou dez trabalhadores ocupantes da fazenda Santa Lúcia em Pau D’Arco (PA) não receberam nenhum apoio do Estado, e que novos conflitos são iminentes

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar