Ação Civil Pública do Ministério Público do Estado de São Paulo ajuizada contra a Portuguesa Santista e seu presidente, Ronildo Borges de Souza, exigindo do clube que parasse de utilizar os adolescentes em partidas oficiais ou treinamentos até que estivessem sob guarda de pessoa responsável, com a documentação em Santos regularizada, e matriculados na escola – direitos assegurados pela Lei Pelé.

Ação Civil Pública do Ministério Público do Estado de São Paulo ajuizada contra a Portuguesa Santista e seu presidente, Ronildo Borges de Souza, exigindo do clube que parasse de utilizar os adolescentes em partidas oficiais ou treinamentos até que estivessem sob guarda de pessoa responsável, com a documentação em Santos regularizada, e matriculados na escola – direitos assegurados pela Lei Pelé.

28 de setembro de 2012
15:58
Este texto foi publicado há mas de 7 anos.

Tags

Mais recentes

Brasil tem milhões em grupo de risco para o coronavírus

2 de abril de 2020 | por e

Além de 22 milhões de idosos, país tem quase 3 mil internações por dia causadas por doenças do grupo de risco para a Covid-19, como pneumonia, diabetes e hipertensão

Esquizofrenia, epilepsia, depressão: há 23 anos agricultor lida com efeitos trágicos do agrotóxico

2 de abril de 2020 | por e

Pelos efeitos do Round Up, feito à base de glifosato, Monsanto perdeu processo em primeira instância, mas recorreu e foi absolvida

Na ausência do Estado, ativistas informam a periferia sobre o coronavírus

1 de abril de 2020 | por

O que fazem os comunicadores populares na linha de frente de combate à pandemia em periferias e favelas de cinco capitais do país