Doadores votam nas propostas que vão receber bolsas de R$ 6 mil; público pode comentar e se oferecer para colaborar com as investigações

Doadores votam nas propostas que vão receber bolsas de R$ 6 mil; público pode comentar e se oferecer para colaborar com as investigações

8 de outubro de 2013
06:00
Este texto foi publicado há mais de 6 anos.

Desde a última segunda-feira, dia 7 de outubro, o site do projeto Reportagem Pública está no ar, com 48 propostas de reportagem enviadas por jornalistas de todo o Brasil.

O projeto inédito de jornalismo investigativo foi financiado coletivamente através da plataforma de crowdfunding Catarse, a mais antiga do país. A campanha durou de meados de agosto até o dia 20 de setembro, e arrecadou R$ 58.935 de 808 doadores. A fundação Omidyar, criada pelos fundadores do E-Bay, vai doar um real para cada real arrecadado junto ao público, chegando ao valor total necessário.

A verba vai financiar bolsas de jornalismo no valor de R$ 6 mil para repórteres que enviaram suas propostas até o dia 27 de setembro.

Inicialmente, o projeto previa a distribuição de 10 bolsas. Mas, como a arrecadação ultrapassou a meta minima em mais de R$ 10 mil, a Agência Pública poderá distribuir mais duas bolsas, totalizando DOZE repórteres de todo o Brasil que vão receber, além do financiamento, a orientação e apoio da Agência durante a apuração.

Vote, compartilhe, comente e ajude os repórteres!

O projeto Reportagem Pública recebeu mais de 120 propostas de pauta de jornalistas de todo o país, desde estudantes até jornalistas experientes e premiados. As reportagens foram pré-selcionadas segundo os critérios de consistência na pré-apuração, experiência do repórter, capacidade de realizar reportagens de forma independente, segurança e viabilidade da investigação.

Foram pre-selecionadas 48 pautas, que irão para votação nesta segunda-feira (7/10) através do site www.apublica.org/reportagempublica.

Aqueles que doaram para o crowdfunding terão até o dia 20/10, domingo, para votar nas suas 12 reportagens favoritas através do site. Cada um receberá, por email, um login e senha para terem acesso a sistema de votação, e podem clicar nas propostas escolhidas.
Mas o projeto é aberto para todo mundo que quiser colaborar, mesmo que não tenha doado para o crowdfunding. Cada proposta de reportagem pode ser comentada e compartilhada através das redes sociais. Quem quiser interagir diretamente com o reporter pode usar o site www.apublica.org/reportagempublica para fazer isso.

A ideia é justamente que mais pessoas colaborem com ideias, fontes, informações sobre a pauta, ou até se voluntariem para apoiar o repórter na apuração. A Agência Pública acredita que dá sim para fazer jornalismo investigativo de maneira colaborativa. Estamos construindo uma comunidade que aposta nessa ideia.

Seja aliada da Pública

Que tal participar da luta contra as fake news sobre coronavírus? Apoie a Pública. A sua contribuição se transforma em jornalismo sério e corajoso, com impactos reais.

Mais recentes

Lavagem de gado dentro de terra indígena no Mato Grosso foi parar na JBS

5 de agosto de 2020 | por e

Documentos obtidos pela Pública indicam como um pecuarista com larga ficha de crimes ambientais na Amazônia enviou gado ilegal à maior produtora de carne bovina do mundo

Petrobras manda funcionários de volta ao trabalho após teste positivo para coronavírus

4 de agosto de 2020 | por e

Usada como justificativa, nota técnica da petroleira com diretrizes para testagem rápida de funcionários é questionada pelo Ministério Público do Trabalho

“Ilegal e racista”: MPF processa Samu e Bombeiro que negaram socorro a adolescente Kaiowá que morreu em reserva indígena

3 de agosto de 2020 | por

Morte de Joice trouxe à tona determinação ilegal que vigorou por oito anos no Samu de Dourados, que proibia ambulâncias de entrar na reserva com a maior população indígena do país