Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Assista ao vídeo do primeiro e único debate sobre temas que os candidatos não querem responder, mediado por Rafucko

22 de outubro de 2014

Quem assistiu aos programas eleitorais na TV percebeu: alguns temas extremamente importantes para o país simplesmente não passaram por lá. E não só nos programas, meticulosamente planejados pelas milionárias campanhas de ambos os partidos: a cada debate, as mesmas perguntas, as mesmas provocações se repetiram, com pouca profundidade e pouca novidade.

Depois de uma longa e estressante corrida eleitoral, pouco se sabe sobre o que Dilma Rousseff, candidata do PT, e Aécio Neves, do PSDB, pensam sobre cultura ou a crise da água no país, por exemplo. Outros temas, como o aborto clandestino – que chegou ao primeiro turno da corrida eleitoral apenas depois do trágico episódio em que Jandira Magdalena dos Santos, de 27 anos, morreu após fazer um aborto numa clínica clandestina no Rio de Janeiro – continuaram sendo tabus no segundo turno. Parecem que nem existem.Por isso convidamos Rafucko para, com seu saboroso humor, fazer as perguntas que ninguém faz aos presidenciáveis dessa eleição. Assim surgiu o programa Vácuo Eleitoral, com o propósito de jogar os holofotes sobre temas que os candidatos não querem responder.

Assista aos três blocos do programa e nos responda: que pergunta você acha que deixou de ser feita – e respondida – neste segundo turno?

 

 

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

São Paulo está doente

5 de setembro de 2012 | por

Segundo pesquisa, 77% de consultas de emergência no Hospital São Paulo foram por doenças respiratórias; número de veículos aumentou cinco vezes mais do que o de gente

Don Romero, um santo progressista

18 de fevereiro de 2015 | por e

O jornalista salvadorenho Carlos Dada conta como a ultradireita de seu país assassinou o arcebispo de São Salvador nos anos 80. Seu martírio, resultante da “opção preferencial pelos pobres” acaba de ser reconhecido pelo Papa Francisco, abrindo caminho para a beatificação

Game – A Copa das Remoções

16 de junho de 2013 | por

No final de semana de estreia da Copa das Confederações, a Pública preparou um jogo que mostra quem ganha e quem perde com a Copa. Jogue.

Mais recentes

Em “presidencialismo sem presidente”, Congresso tem que ter “agenda própria”, diz Renan

23 de maio de 2019 | por

Senador do MDB afirma à Pública que manifestação de domingo será decisiva para os rumos do governo e que se fracassarem: “Ou é renúncia, ou golpe, ou impeachment, pode apostar, que são apostas sem muito embasamento enfático ainda”

Eles também são vítimas do Exército

23 de maio de 2019 | por

Assim como nos casos de Evaldo Rosa e Luciano Macedo, familiares de outros jovens fuzilados por soldados no Rio relatam à Pública tentativa de criminalização das vítimas, ausência de socorro e impunidade

“Nós precisamos dar sustentação ao homem que elegemos”

22 de maio de 2019 | por

Em ato durante a AgroBrasília, produtores rurais e representantes de 76 entidades do setor se vestiram de verde e amarelo para defender reformas da Previdência e tributária e pacote anticrime de Moro e “cobrar” lealdade dos parlamentares a projeto do governo

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar